Compartilhe
Ir em baixo
avatar
Mensagens : 38
Data de inscrição : 30/09/2018
Ver perfil do usuário

Noxus

em Seg Out 01, 2018 11:08 pm


Noxus é um império poderoso com uma reputação temível. Para aqueles que vivem para lá das suas fronteiras, Noxus é violento, expansionista e ameaçador, mas para aqueles que conseguem ver além da sua aparência bélica vêem uma sociedade inclusiva, onde as forças e talentos do seu povo são respeitados e cultivados. O povo desta nação detinha outrora a uma cultura feroz de conquistadores até ter invadido a cidade ancestral que agora jaz no coração do seu império. Sob ameaças provenientes de todos os lados, os noxianos lutaram agressivamente contra os seus inimigos, expandindo as suas fronteiras com o passar dos anos. Esta luta por sobrevivência fez com que os noxianos se tornassem um povo extremamente orgulhoso que valoriza a força acima de tudo, apesar de saberem que a força se pode manifestar de várias maneiras diferentes. Em Noxus, qualquer um pode chegar a uma posição de poder e respeito, caso mostre a aptidão necessária, independentemente da sua classe social, passado, terra natal ou riqueza.



  Governo  
  Nível de Tecnologia  
  Ambiente Geral  
  Idioma  
  Império Expansionista   
  Médio  
  Estepes Inóspitas  
  Vários (ex.: Ur-Noxian)  


Última edição por Necis em Qua Out 24, 2018 10:29 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Admin
Mensagens : 41
Data de inscrição : 30/09/2018
Ver perfil do usuário

Re: Noxus

em Ter Out 09, 2018 9:57 pm


Champions presentes: Draven, Katarina






- SEGUNDA-FEIRA, TARDE -


Draven
Localização: Noxian Bleak Academy, Capital

Depois de passar o portal, encontrei-me à porta de uma Academia que eu já conhecia bastante bem. Tentara entrar nela depois de ter sido recusado o meu lugar no exército. Na altura tinha ficado furioso mas agora só tinha que lhes agradecer. Arranjara um trabalho mil vezes melhor, matava quando queria e quem queria, ganhava resmas de dinheiro, tinha montes de fãs e acabara por ir parar ao Instituto da Guerra.

Katarina
Localização: Noxian Bleak Academy, Capital

"Uma queca? ahaha aposto que ela nem soube fazer o serviço, e não te posso prometer nada." disse mal atravessei o portal.
Dei de caras com uma das academias de Noxus, curioso que era das que mais desprezava. Infelizmente viemos parar à capital onde a "casa" da minha família não era muito longe. Felizmente não havia muita gente na rua e os que haviam levaram logo um olhares de canto que se borraram logo, mas era uma questão de tempo até a palavra se espalhar que tinha voltado.
"A tua mansão fica muito longe? Diz-me que sim." comentei.

Draven
Localização: Noxian Bleak Academy, Capital

A primeira coisa que Katarina fez foi mandar abaixo a performance sexual de Syndra. As mulheres tinham essa tendência em tentarem inferiorizarem-se umas às outras.
- Na verdade, ela tentou ser tão dominadora como eu mas não conseguiu. Podes sempre tentar ultrapassá-la, se bem que eu gosto delas um pouco mais submissas. Não gosto de acatar ordens. - isto soava mais a um aviso do que a conversa informal.
Katarina parecia ansiosa por sair dali. Já tínhamos algumas pessoas a olhar para nós, como era óbvio. Até me admirava como é que ainda ninguém nos reconhecera.
- É na periferia da capital. Como não sabia que íamos viajar não tive tempo de pedir ao meu agente para nos vir buscar. Vamos ter que apanhar uma carroça. - respondi eu.
Aproximei-me então da praça onde elas estavam estacionadas e cumprimentei um dos cocheiros, atirando-lhe algumas moedas:
- Para a mansão do Executor, por favor.

Katarina
Localização: Noxian Bleak Academy, Capital

Draven não perdeu muito tempo a relatar o sucedido, parece que Syndra tentou mostrar quem mandava mas sem efeito e que eu podia tentar ultrapassá-la. "Pfff, coitado... Isso querias tu aposto. Acatar ordens? Hahaha menino comigo até comias erva!" comentei em forma de gozo. Era normal mesmo uma pessoa como Syndra não conseguir dar ordens a alguém de Noxus, afinal Noxus não leva ordens de ninguém.
Para a minha sorte a mansão ficava nos arredores da capital e precisávamos de apanhar uma carroça. Segui-o e entrei na carroça trocando, mais uma vez, um olhar ameaçador com ambos os cocheiros. Quanto menos pessoas souberem que voltei a Noxus e estou com o Draven melhor e pela expressão deles sabem muito bem das consequências.
"Diz-me que tens uma máquina qualquer de fazer massagens, estou a morrer das costas." comentei, não sei se tinha sido da outra missão mas as minhas costas estavam a dar cabo de mim.
Entretanto os pobres guardas seguiam a carroça não a muitos metros de nós.

Draven
Localização: Carroça, Capital

Aceitava que Katarina realmente acreditava conseguir submeter-me à sua vontade se alguma vez nos comêssemos, mas eu bem sabia que aquilo não iria acontecer. Eu já estivera com muitas mulheres - tinha desistido de contar na número duzentos e cinquenta - e nenhuma delas tinha conseguido dominar-me. Katarina não seria a primeira, mesmo sendo ela uma assassina de Noxus.
Entrámos na carroça e não foi preciso dizer mais nada pois todos os cocheiros sabiam perfeitamente onde era a mansão do Executor - ou seja, eu. E também sabiam que não deviam meter conversa comigo sem qualquer razão. Eu odiava conversa de circunstância e eles tinham muito a mania de a fazer. Felizmente, o meu agente já tratara disso e a palavra tinha-se espalhado.
- Uma máquina? Eu sei que tenho uma mansão mas infelizmente ainda não sou nenhum inventor. - respondi eu. - Posso é chamar um massagista. Mas para isso tenho que encontrar o meu agente primeiro.
Karl vivia na mansão comigo, num quarto bem mobilado e confortável. Aos fins-de-semana costumava ir visitar a sua família e eu dera-lhe permissão para ficar por casa enquanto estivesse na Academia. No entanto, ele também sabia que existiam sempre assuntos a serem tratados lá em casa, nem que fosse deixá-la limpa. Mesmo que ele não estivesse lá, felizmente não morava muito longe de mim.

Katarina
Localização: Carroça, Capital

Parece que Draven não tinha percebido que era uma pergunta retórica mas soltei um sorriso quando disse que podia arranjar um massagista. "Uma..massagista." acrescentei. Nunca recebera uma massagem e não era de um homem desconhecido que iria receber, ao menos que fosse uma mulher. Mas para isso ele tinha que falar com o seu agente.
"Agente? Também vives com um mordomo?" perguntei curiosa. Não sabia que ele também tinha empregados, porreiro, é da maneira que fico descansada.
"Ja chegamos?" perguntei quando senti a carroça a abrandar.

Draven
Localização: Mansão do Executor

A carroça tinha abrandado e eu reconhecia perfeitamente a entrada da minha casa.
- Não é bem um mordomo... Ele trata de todos os meus assuntos e mantém a minha casa apresentável. Quando comecei a ganhar fama, precisei de ajuda para manter a minha agenda em ordem e acabei por contratá-lo. - respondi eu. - E sim, já chegámos.
Saltei para fora da carroça e pousei as minhas malas na entrada. Procurei pela chave e abri a porta. Apesar de o sol ainda não se ter posto, os corredores estavam escuros. Karl não devia estar cá, senão tinha as janelas todas abertas. Coloquei as minhas coisas lá dentro.
- Deixa as tuas coisas aí e vamos buscá-lo. - disse eu.

Katarina
Localização: Mansão do Executor

Tínhamos finalmente chegado e Draven esclareceu que não era bem um mordomo mas sim um tipo que lhe organizava a agenda. Quando saiamos da carroça aproximamos-nos da entrada, não era das maiores mansões que já tinha visto mas era apresentável. Quando Draven abriu a porta entrei e coloquei logo a mala no chão. "Buscá-lo?" perguntei surpresa. "Mas então lá o tal agente não vive aqui?" continuei enquanto me sentava em cima da mala. Já me encontrava um pouco cansada mas também era uma convidada não ia fazer-me de nojenta.
"Vá, siga. Mora longe?" perguntei enquanto me levantava e seguida Draven.

Draven
Localização: Mansão do Executor

Katarina não parecia muito contente por não poder ficar já na mansão. Mas eu não achava bem deixá-la sozinha lá dentro. Mesmo sendo minha colega e da mesma terra natal que eu, não a conhecia assim tão bem para confiar cegamente em si.
- Ele vive aqui quando cá estou. Obviamente que o homem tem família e não ia prendê-lo cá dentro quando nem sequer cá estou. - respondi eu. - Não, mora perto.
Fechei a porta sem a trancar à chave e segui pela rua mais estreita, que ia dar aos apartamentos de classe média. As pessoas que viviam ali não tinham posses suficientes para possuir uma mansão como a minha mas chegava perfeitamente para um apartamento com espaço para a família toda. Karl conseguira aquela casa devido ao salário que eu lhe dava.
Subi as escadas da casa e bati à porta do segundo andar, que era a dele. Quem me abriu a porta foi a sua mulher. Ela olhou-me de alto abaixo, chocada com a minha presença. Sabia que ela era minha fã e que era a primeira vez que me via em carne e osso, apesar do seu marido trabalhar para mim.
- Karl? - chamou ela. - O Executor voltou!
Fez sinal para que eu e Katarina entrássemos, curiosa com a presença dela. Não era natural eu andar acompanhado de mulheres nos meus assuntos pessoais. Esta acabou por ficar no hall de entrada com Katarina enquanto eu avançava em direcção a Karl.

Katarina
Localização: Casa do Karl(?)

Esse tal agente não vivia sempre com Draven simplesmente tinha a liberdade para andar por lá e que tinha uma família própria. Felizmente não morava muito longe e quando chegamos foi uma mulher abrir-nos a porta. Entramos e Draven foi logo ter com esse tal Karl deixando-me com a mulher dele que parecia não conhecer-me, provavelmente porque não era tão famosa quanto Draven e o meu nome era mais assobiado pelo o último fôlego dos mortos. Antes que o silêncio se instalasse a mulher começou a meter conversa.
"Então...o que a trás por cá?" perguntou ela.
"Nada de especial, vim visitar um amigo" respondi friamente sem lhe colocar o olhar em cima.
"Uhh 'amigo' ? O Draven não é muito de ter amigas ahaha. E como se chama?" perguntou novamente entre risos insinuando que era mais uma das muitas companhias dele.
"Ka-Ta-Rina" disse devagar olhando-a directamente nos olhos com uma expressão seria para que ela não esquecesse do nome.
A mulher arregalou os olhos e observou-me de alto abaixo reparando nas varias adagas que trazia comigo de seguida saiu de repente da minha beira tendo ido ter com o Draven e o seu agente Karl.
Virei as costas e posicionei-me numa das janelas observando o exterior, era já fim da tarde e o sol já se estava a por. Só esperava que não demorassem muito.

Draven
Localização: Casa de Karl

Entrei na sala onde Karl se encontrava na presença das suas duas filhas. Uma delas já tinha idade suficiente para que eu olhasse duas vezes para ela e Karl sabia-lo pois nunca nos tinha apresentado antes. Eu tratei imediatamente de o fazer.
- Draven, o Executor. - disse eu, estendendo a minha mão direita. - E chefe do teu pai. Por falar em chefia... Karl, venho passar esta semana em Noxus. Houve uns problemas na Academia e deram-nos férias, basicamente. Preciso que voltes para a mansão pois temos trabalho a fazer.
A rapariga ficara simplesmente a apertar-me a mão de boca aberta, enquanto me olhava de alto abaixo. As conversas lá em casa sobre mim deviam ser mais do que muitas.
Enquanto isso, Karl levantou-se e afastou-a, cumprimentando-me de seguida.
- Bem-vindo de volta. Bem, deixe-me só então arranjar as malas. - disse ele.
Saiu da sala e teve o cuidado de levar a filha mais velha com ele, provavelmente mandando-a para o seu quarto. A mais pequenina olhava para mim com curiosidade. Ela só me conhecia como patrão do seu pai, nada mais. Ainda era demasiado nova para ir ver os meus espectáculos. Sorri-lhe e depois voltei para o hall de entrada. A mulher de Karl passou rapidamente por mim, indo sentar-se ao pé da filha. Arqueei uma sobrancelha, avançando para Katarina.
- Ela parece que viu um fantasma. Armaste-te em cabra com ela? - perguntei eu, percebendo imediatamente que sim ao olhar para a sua expressão fria.

Katarina
Localização: Casa do Karl

Assim que a mulher saiu Draven voltou perguntando se me tinha armado com a mulher dela. A única coisa que tinha feito foi apresentar-me. Talvez eu fosse mais famosa do que pensava.
"Ela pensava que eu era uma 'companhia' tua." disse-lhe fazendo o sinal entre aspas com os dedos.
"E a única coisa que fiz foi apresentar-me. Talvez tenha notado nas minhas adagas sei lá, vamos? Esta a ficar tarde." perguntei-lhe.

Draven
Localização: Casa de Karl

- Pffff, claro. O meu nome é Katarina Du Couteau e sou uma das assassinas mais conhecidas de Noxus. Isto porque eu não percebo que assassinato deve ficar em anónimo. - disse tudo a tentar imitar a sua voz fina, gozando com ela.
Entretanto, Karl voltou com as suas malas nos ombros.
- Vamos então. - disse eu.
Saímos de casa dele depois de ele se despedir da família. A sua mulher não parecia muito contente, talvez já se tivesse habituado à presença constante do seu marido devido à minha ausência. Mas se era para continuar a pagar-lhe o ordenado, ele tinha que trabalhar quando era pedido.
Caminhámos até à minha mansão e voltei a abrir a porta. Karl olhou imediatamente para as coisas que tínhamos trazido, pousadas no hall de entrada.
- Preparo um quarto para a senhora ou...? - perguntou ele.
- Sim, prepara o quarto de hóspedes. E chama uma massagista aqui para a senhora Du Couteau. - disse eu.
Perante o apelido de Katarina, Karl empalideceu de um segundo para o outro.
- Não te preocupes, amigo. Estás connosco, estás com os deuses... - disse eu, rindo-me da piada e do quão irónico eu estava a ser.
Ele pegou nas nossas malas e foi imediatamente tratar do que lhe havia sido pedido. Pelo caminho foi acendendo as velas pelas divisões pois o sol já se estava a pôr e já não tínhamos luz natural.

Katarina
Localização: Mansão do Executor

Rolei os olhos quando Draven tentou imitar-me, como se precisasse de fazer uma apresentação completa, o meu nome chegava. Estava-mos de volta à mansão e antes que pudesse responder a Karl Draven tratou logo de responder proferindo o nome da minha família. Se o meu plano era estar aqui sem ninguém saber, Draven tinha conseguido deita-lo por água abaixo.
Fechei o punho e bati, não com muita força, no seu peito.
"Burro!" exclamei baixinho. "Porque caralho foste dizer o meu apelido? Achas que alguém vai fazer uma massagem a uma assassina? Quanto mais anónima estiver aqui melhor." Fiz uma pausa e continuei. "Passa-lhe a palavra e não tenho que silenciar ninguém" continuei. "E já agora, quando é que me vais mostrar a mansão?" perguntei.

Draven
Localização: Mansão do Executor

Enquanto Katarina me dava um murro no peito, não pude deixar de me rir dela.
- Parva, ele é pago para manter a boca calada. Se não o fizesse, nunca poderia trabalhar para mim. - disse eu. - Ou achas que a prisão de Noxus é um campo cheio de arco-íris e unicórnios?
Ela devia estar cheia de pressa para conhecer a minha mansão. Tinha três andares. O piso em que estávamos era o segundo pois ainda existia outro debaixo da terra. Lá em baixo era onde eu tinha a minha câmara de prazeres. Ali só entravam as mulheres a quem eu pagava para estarem caladas ou aquelas que eu sabia que nunca voltariam a abrir a boca. Já me enganara uma vez e acabara por ter que a matar no fim, no entanto. Em Noxus dava-se muito valor aos segredos que cada um tinha e em quem se podia confiar.
No piso térreo, existia a cozinha, a sala de jantar, duas casas-de-banho, uma sala de diversões - com jogos de tabuleiro, um armário de exposição das minhas antigas armas e de todos os espectáculos que já tinha efectuado (até tinha algumas recordações de quem matara) e muito espaço para relaxar.
No piso de cima estavam os quartos e as suas respectivas casas-de-banho. Eram seis ao todos e ainda existia uma espécie de ginásio onde eu treinava.
Comecei então por lhe apresentar a minha casa, sem nunca a levar ao piso de baixo. As escadas terminavam numa porta de aço que estava trancada e só eu sabia onde estavam as chaves.
Quando terminámos, deixei-a à porta do seu quarto.
- A tua massagista deve estar a chegar. Põe-te à vontade que ela virá ter ao teu quarto. - disse eu.

Soraia
Localização: Mansão do Executor

Soraia correu pelas ruas que separavam a sua casa da mansão de Executor com uma rapidez que nunca julgara possuir. Tinha encerrado o seu local de trabalho há cerca de meia hora e, acabada de chegar a casa, preparava-se para começar a fazer o jantar para a família quando recebeu uma visita com um pedido invulgar. Não fazia parte da sua política atender clientes ao domicílio, nem fora de horas, mas quando se tratava do Executor a história era diferente.
Assim, voltou a colocar a sua vestimenta branca e arrumou à pressa uma mala com o material que precisaria e arrepiou caminho atrás do seu cunhado Karl, cuja voz denotava urgência. Quando alcançaram a porta de entrada da mansão, Karl explicou-lhe que iria atender uma convidada do Executor e que só seria dispensada quando a convidada quisesse. Soraia ficou um pouco desapontada, pois tinha esperança em conhecer finalmente o extraordinário Executor, mas mesmo assim sentia-se honrada. Era a primeira vez que tal coisa lhe acontecia.
Subiu então para o segundo piso e bateu à porta que lhe fora indicada.
- Minha senhora? Vim fazer-lhe a massagem, dá-me licença de entrar?

Katarina
Localização: Quarto de Hospedes, Mansão

Fiquei um pouco aliviada ao saber que Draven lhe pagava o suficiente para ele estar de boca calada. Em Noxus tínhamos duas maneiras de silenciar uma pessoa: 'Ouro ou Lamina', e eu apesar de fazer parte de uma família nobre nunca fui muito ligada ao dinheiro. Entretanto Draven começou por apresentar-me a mansão, só tinha mais um andar e não era assim muuuuito grande comparada a muitas que já vi, no entanto fiquei curiosa quanto a uma porta de aço que se encontrava no fim das escadas mas também não tive confiança para perguntar do que era.
Fui para o meu quarto ansiosa pela massagem, nunca tinha recebido nenhuma. Como não queria que a senhora que fosse fazer a massagem se sentisse intimidada a primeira coisa que fiz quando cheguei ao quarto foi despir as minhas roupas e adagas ficando apenas em roupa interior. Coloquei as adagas num canto por baixo da roupa e esperei sentada na cama. Não demorou muito para se ouvir um bater na porta, era a massagista.
"S-Sim, força." respondi-lhe um pouco nervosa.

Soraia
Localização: Quarto de Hóspedes, Mansão do Executor

A resposta afirmativa que chegou do outro lado da porta, permitiu que Soraia a empurrasse para entrar no quarto. A senhora - mais jovem do que imaginara - de quem iria tratar apresentava-se praticamente pronta, sentada na cama.
- Boa noite, senhora. O meu nome é Soraia. - disse com um sorriso caloroso enquanto pousava a sua mala aos pés da cama e se começava a preparar. Embora tivesse sido "arrancada" à sua família na parte do dia que a ela se dedicava, Soraia estava radiante por poder mostrar o valor da sua profissão a alguém da alta sociedade.
- Vejo que já está preparada. - comentou ainda a sorrir enquanto desinfectava as mãos. De seguida pegou na toalha e na loção hidratante e contornou a cama, dispondo-se de um dos lados. - Quando estiver pronta pode deitar-se de barriga para baixo, sem pousar a cabeça nas almofadas. Prefere que a massage tal e qual como está ou a senhora não se importa que lhe desaperte a parte de cima?

Draven
Localização: Mansão do Executor

Depois de deixar Katarina no seu quarto, voltei a descer para o piso térreo. Karl saíra, provavelmente para ir buscar a massagista que eu lhe tinha pedido. Enquanto esperava por ele, sentei-me na mesa da sala de estar a olhar para a minha colecção de armas. Já passara por muitas mas os machados eram sem dúvida os meus favoritos e desde então que nunca mais mudara.
Karl entrou na sala de estar e vinha um pouco ofegante. Perante a minha presença, voltou a recuperar a postura rígida.
- Karl, como têm estado as coisas lá na prisão? - perguntei eu.
O meu agente aproximou-se e manteve-se de pé.
- Muitas execuções simples, sem espectáculo. Os prisioneiros andam um pouco mais atrevidos devido à sua ausência.
- Pfff, cambada de insolentes. Podes marcar pelo menos três para cada dia desta semana. Em princípio só me devo ir embora na sexta-feira e não sei a que horas será. Nesse dia só aceito algo se tiver tempo.
- E a senhora...? - perguntou Karl.
- Ela ficará por cá o tempo que quiser. Trate-a como me trataria a mim. Apenas não a deixe ser demasiado curiosa.
- Sim, senhor. - disse ele. - Vou começar a preparar o jantar, com licença.
Ele ausentou-se e eu levantei-me. Aproximei-me do sofá negro enorme que tinha e descalcei-me, deitando-me lá em cima. Coloquei os braços atrás da cabeça e comecei a relaxar.

Katarina
Localização: Quarto de Hóspedes, Mansão do Executor

A mulher entrou e apresentou-se como Soraia, a sua atitude simpática colocou-me mais à vontade, segui as suas instruções e deitei-me na cama de barriga para baixo. Provavelmente devia ser difícil para Soraia massajar-me as costas com o sutiã apertado então simplesmente desapertei e atirei-o para longe. "Feito, assim já não nos incomoda." disse com um sorriso. "A senhora costuma vir cá muitas vezes?" perguntei colocando conversa.
Nenhuma parte do meu corpo revelava a minha profissão mas tinha receio que a cicatriz no meu rosto tramasse-me.

Soraia
Localização: Quarto de Hóspedes, Mansão do Executor

A atitude da jovem senhora surpreendeu Soraia, que estava habituada a que as suas clientes fossem um pouco mais envergonhadas e relutantes em tirar a roupa interior. Mas assim era bastante mais fácil para si, que não tinha de se preocupar em não sujar nada e podia deslizar as suas mãos pelas costas da senhora sem qualquer impedimento.
Começou por colocar a toalha por cima das pernas da sua nova e muito nobre cliente, prendendo-a ao elástico das cuecas, e enquanto deitava um bocado de loção na palma da mão, foi novamente surpreendida, desta vez com uma pergunta.
- Na verdade é a primeira vez que cá venho, mas já exerço a minha profissão há quase 20 anos! - disse ao mesmo tempo que começava o seu trabalho efectivamente. - Diga-me, quer uma simples massagem de relaxamento ou pretende livrar-se destas malvadas? - perguntou Soraia ao tocar a de leve num dos músculos mais tensos da jovem.

Katarina
Localização: Quarto de Hóspedes, Mansão do Executor

Fui surpreendida pela resposta da Soraia, "20 anos!? Sem dúvida deve ter começado bastante cedo, tem uma aparência muito jovem." respondi-lhe elogiando a sua aparência, só queria chegar à idade dela e parecer assim tão nova. De seguida Soraia perguntou-me se queria uma massagem para relaxar ou..não relaxar? Livrar das malvadezas soou ao oposto como se fosse expulsar os demónios. Assim que ela tocou-me num dos músculos senti uma dor aguda naquela região que me fez soltar um pequeno gemido de dor.
"Shhh...É, é melhor começar por uma massagem de relaxamento!" respondi.

Soraia
Localização: Quarto de Hóspedes, Mansão do Executor

A jovem senhora fez um elogio que levou algum rubor às bochechas de Soraia, que não o conseguiu evitar, ainda que houvesse a possibilidade da convidada so Executor estar apenas a ser simpática.
- É muito amável dizer isso, mas olhe que a idade já me começa a pesar um bocadinho. - Disse com uma gargalhada. - A senhora é que é muito jovem e bonita! E nota-se que trata muito bem de si, só é mesmo pena estas contraturas. O que quer que a senhora faz para manter o seu físico, devia alongar muito bem no fim.
Tal como lhe fora pedido, Soraia passou então para a massagem de relaxamento. Nos primeiros minutos ainda foi falando, mas à medida que a massagem ia avançando, foi ficando cada vez menos conversadora. Era propositado, para que a senhora pudesse tirar o máximo partido do momento de descontracção. Alguns dos seus clientes chegavam mesmo a adormecer e essa era uma das coisas que Soraia adorava no seu trabalho. Ser capaz de pôr uma pessoa a dormir com um sorriso nos lábios. Restava-lhe saber se as suas mãos "mágicas", como muita gente dizia, iriam conseguir fazer a sua magia ali também.

Draven
Localização: Mansão do Executor

Não dei por mim a adormecer, como era óbvio. Mas acordei com Karl a chamar-me baixinho, como se estivesse com receio de o fazer. Abri os olhos e bocejei, espreguiçando-me de seguida.
- Peço desculpa estar a incomodá-lo mas o jantar já está pronto. - disse Karl.
- Sem problemas. - disse eu, sentando-me no sofá e esfregando os olhos.
- Quer que vá chamar a menina Du Couteau? - perguntou Karl.
- Sim, por favor.
Karl desapareceu pelos corredores enquanto eu me voltava a espreguiçar. Já um pouco mais desperto, dirigi-me à sala de jantar e sentei-me na ponta da mesa. A mesa estava posta para duas pessoas pois Karl costumava jantar na cozinha - a não ser que eu lhe desse autorização para me fazer companhia. Mas com uma convidada em casa isso não se colocava sequer em questão.

Karl
Localização: Mansão do Executor

Um pouco nervoso, Karl subiu até aos quartos e caminhou até à porta em questão. Lá encontravam-se as criaturas estranhas que estavam a acompanhar a menina Du Couteau desde que a vira. Tinham um aspecto engraçado e assustador ao mesmo tempo e notava-se perfeitamente que eram feitos de magia. E, com magia, Karl não se metia.
Ignorando as criaturas, bateu duas vezes à porta.
- O Executor espera-a na sala de jantar, menina. Se for necessário, poderá continuar a massagem depois da sua refeição. - informou ele.
Karl sabia perfeitamente que Soraia odiava que ele fizesse aquilo. No entanto, o Executor não gostava de esperar e ali toda a gente tinha que se reger pelos seus desejos e não o contrário. Por isso, tinha feito jantar a contar também com ela, se bem que comeriam os dois na cozinha.

Katarina
Localização: Quarto de Hóspedes, Mansão do Executor

Não pude deixar de corar quando Soraia elogiou a minha aparência, não era algo que desse muita atenção mas a minha profissão ajudava a manter o meu físico. "Obrigada...Ahh...Bem, isso às vezes tornasse difícil mas vou seguir a sua sugestão." Respondi-lhe. O meu alongar era fugir e desaparecer do mapa ao fim do meu alvo estar abatido e nem era algo que pensasse sequer em fazer.
Enquanto Soraia massajava-me, ia sentindo o meu corpo a ficar cada vez mais mole, uma sensação bastante agradável começava a apoderar-se de mim e sem que me apercebesse estava a ficar mais para lá do que para cá, mas do nada fomos interrompidas por um bater na porta, era Karl a informar qualquer coisa do jantar.
"Ma..Mais lo-go..." disse momentos antes de adormecer. Era possível ouvir a minha respiração a abrandar, nem mesmo aquele barulho foi capaz de interromper a sensação magnifica que percorria as minhas costas.

Kevin
Localização: Entrada do quarto de hóspedes, Mansão do Executor

Tomar conta de Katarina tornou-se mais secante do que pensava! Kevin que pensava que finalmente ia ter a possibilidade de visitar grandes lugares, viu que tinha ido nada mais nada menos para a secante cidade de Noxus. Aquelas ruas eram secantes, aquela mansão era secante, e agora estava à seca no exterior do quarto da sua prisioneira porque lhe foram fazer umas massagens. Ele e o seu amigo deviam de estar lá dentro, ainda lhe devia de dar na telha de saltar pela janela e fugir! Mas ele ficou quieto no seu lugar, a suspirar múltiplas vezes... de seca!
Entretanto apareceu o secante do mordomo. Ele chamou as mulheres lá dentro para jantar.
- Refeição... - suspirou Kevin aborrecido.

Draven
Localização: Mansão do Executor

Porque é que ela estava a demorar tanto a descer? Troquei de posição várias vezes na cadeira. Além disso, a fome estava a deixar-me mal-humorado. Entretanto apareceu Karl, que não vinha com um ar satisfeito.
- A menina Du Couteau disse que jantaria mais logo. - disse Karl.
Olha aquela cabra! Vinha para a minha mansão e ainda achava que podia ser ela a fazer as regras! Levantei-me imediatamente da cadeira e não precisei de dizer nada para Karl saber o que eu ia fazer.
Subi as escadas e encarei as criaturinhas que estavam cá fora. Não fazia a mínima ideia se eles jantavam ou não ou sequer se sabiam comunicar connosco. Rangendo os dentes, simplesmente abri a porta e entrei. Fui encontrar uma mulher a massajar Katarina, que estava apenas de cuecas e deitada de barriga para baixo na cama.
- Hora de jantar, boneca! - gritei eu. - Nem penses que não me vais fazer companhia!

Soraia
Localização: Quarto de Hóspedes, Mansão do Executor

Ainda não tinha terminado a sua massagem quando Karl bateu à porta do quarto para avisar a senhora de que o jantar estava pronto. Esta, por outro lado, tinha outras ideias. Soraia ficava contente por a jovem senhora preferir continuar a massagem do que comer, mas sabia também que as vontades do Executor não podiam ser ignoradas.
- Devia jantar qualquer coisa, está de estômago vazio. Podemos continuar depois.
Mas já era tarde demais, a senhora tinha adormecido. Continuava sem saber quem ela era e se tinha permissão para ficar ali mesmo depois de Karl a ter chamado, portanto limitou-se a continuar o seu trabalho.
Momentos depois, Soraia quase teve um ataque cardíaco quando o Executor entrou no quarto para ele mesmo chamar a senhora para o jantar. Soraia afastou-se imediatamente da cama, pegou numa outra toalha para cobrir o tronco desnudado da jovem e voltou a afastar-se.
- M-meu senhor.


Katarina
Localização: Quarto de Hóspedes, Mansão do Executor

O meu sono de beleza foi interrompido por um grito vindo de Draven, demorei alguns segundos a abrir os olhos mas quando olhei para a entrada estava ele com uma cara que me fez dar um pulo de susto, felizmente Soraia tinha-me trazido uma toalha para tapar o meu tronco mas não chegava para o meu corpo todo.
"J-Já vou!!" disse bastante atrapalhada. "Dá-me só um minuto para vestir, e um pouco de privacidade, obrigada." disse virando-lhe a cara esperando que ele saísse.

Draven
Localização: Mansão do Executor

Ao ver a reverência da mulher por mim, decidi perder alguns segundos a observá-la. Era mais velha que eu mas não era nada má de se olhar.
- À vontade, menina...? Qual é o seu nome? - perguntei eu, dirigindo-me à massagista.
Enquanto isso, Katarina estava toda atrapalhada a tentar esconder os seus encantos. Como se eu já não tivesse visto tudo - mesmo que só de esguelha - no lago da Ikarus Cave. Percebendo que ela queria a sua privacidade, fiz sinal para a massagista me seguir, fechando a porta do quarto de Katarina depois atrás de mim, para que ela se vestisse à vontade.
- Onde estávamos? - perguntei eu, olhando intensamente para os olhos da mulher.

Kevin
Mansão do Executor

Finalmente algum movimento por ali! Depois do mordomo se ausentar, foi a vez do homem que acompanhava a prisioneira (o dono da mansão secante chamado Draven) viesse chamar Katarina. Kevin que se encontrava demasiado aborrecido, decidiu espreitar pela porta quando Draven entrou. Nele viu Katarina praticamente nua, o que Kevin suspirou e voltou ao seu posto. O corpo dos humanos eram secantes, nada de impressionante.
Enquanto fintava um dos quadros presos na parede com os olhos semi-serrados de aborrecimento, Draven e a outra senhora que lá estava dentro saíram e começaram a conversar. Kevin soltou um grande e aborrecido comentário:
- Estávaaamoooss...... - e suspirou.

Soraia
Localização: Quarto de Hóspedes, Mansão do Executor

A senhora acordou e ficou toda atrapalhada com a entrada do Executor no quarto. Não era para menos, uma vez que estava descomposta, mas mesmo assim foi capaz de lhe pedir um momento para se preparar e alguma privacidade.
Respeitando o seu pedido, o Executor deixou-a sozinha no quarto mas não sem antes dirigir a palavra a Soraia, que por sua vez ficou surpreendidíssima com o seu gesto. Este perguntou-lhe o seu nome enquanto a conduzia para fora do quarto.
- Soraia, meu senhor. - respondeu já quando ambos se encontravam no corredor.
Soraia sabia que aquela era a sua única oportunidade para oferecer os seus serviços a alguém tão famoso como o Executor. Ter um cliente como ele era o sonho de qualquer massagista ambiciosa. Se a notícia se espalhasse, o seu negócio poderia ir de vento em popa.
- Ahm... eu sei que está na sua hora de jantar mas já que aqui estou, e eu não me importo de aguardar, gostaria que lhe fizesse uma massagem? Seria uma grande honra para mim, sou uma grande fã sua.
Foi só então que Soraia reparou na presença de duas pequenas criaturas que se encontravam ao lado da entrada do quarto. A sua atenção prendeu-se nelas o suficiente para lhe surgirem mil perguntas à mente. Não as conseguia ver claramente devido ao negrume da noite, mas também não se atreveu a levantar as suas questões. Ignorando os arrepios que lhe começaram a percorrer a espinha, voltou a sua atenção para o Executor para ouvir a sua resposta.

Draven
Localização: Mansão do Executor

Soraia, belo nome. Ainda por cima estava a oferecer-me os seus serviços! Bem, se Karl a tinha chamado era porque ela tinha boas referências. Ele sabia que eu gostava de perfeição em todos os serviços que eram solicitados. Se tinha dinheiro e fama suficiente para ter o melhor, porque não o fazer?
Reparei, entretanto, que Soraia parecia um pouco incomodada com os guardas de Katarina. Estes pareciam murmurar alguma coisa de vez em quando, se bem que não era muito perceptível.
- Não te preocupes, eles não são perigosos. Estão apenas a guardar a senhora a quem esteve a fazer a massagem há minutos atrás. - respondi eu. - É que sabe... Ela gosta de causar algumas confusões de vez em quando.
Pisquei-lhe o olho em jeito de provocação.
- E quanto à massagem, é bem-vinda a ficar para depois do jantar e encontrar-me no meu quarto. Estarei à sua espera, não me desiluda.
Uma mulher toda boazona a massajar-me... Isto ia ser lindo!
Fiz-lhe sinal para me seguir. Descemos as escadas e separei-me dela, indo para a sala de jantar. Voltei a sentar-me no mesmo sítio. Espero que desta vez a Katarina não demore muito mais tempo senão expulso-a da minha casa.

Kevin
Localização: Mansão do Executor

Toda a gente recebia massagens naquela casa! Então e eu? Estava cansado e aborrecido, será que aquela senhora também fazia massagens aos da minha espécie? Ainda estava para perguntar-lhe (caso se ela me entendesse) mas ela saiu acompanhada com o dono da mansão, e eu não poderia abandonar a prisioneira. Olhei para o meu colega, que parecia que entretanto tinha adormecido com tanto aborrecimento, e decidi ver o que Katarina estava a fazer. Abri a porta e chamei:
- Desiluudaaaaaaaa!
A prisioneira estava a vestir-se de momento e só esperava que não se demorasse, pois assim eu poderia perguntar à mulher das massagens se também me podia fazer uma massagem para ver se todo o meu aborrecimento passasse.

Katarina
Localização: Mansão do Executor

Quando saíram fui buscar e vestir o sutiã que tinha atirado mas não estava para vestir as minhas roupas do costume, queria algo mais confortável, não tarda também já ia dormir. Dirigi-me à minha mala e retirei um 'tank top' cinzento e um 'short' de dormir preto. Estava a vestir-me quando a porta abriu-se sozinha entrando de seguida uma das criaturas sinistras. Mas de sinistra não tinha nada com aquela vozinha engraçada, só mesmo de aspecto.
"Vou te ensinar o que é Privacidade meu pequenino, estas a ver essa porta?" disse enquanto acabava-me de vestir e saía do quarto empurrando-o comigo.
"Sempre que esta porta estiver fechada, TU e o teu amigo ali Não entram nem por nada!! Ouviram? Por favor!" disse-lhes não num tom ameaçador mas num tom amigável, dando até umas festas na cabeça do pequenote. Não os ter no meu quarto já me dava um enorme alivio.
Desci as escadas e fui para a sala de jantar onde já se encontrava toda a gente.
"Desculpem pela demora, estava a trocar-me para algo mais confortável ,a propósito a Soraia faz maravilhas! Bem, vamos jantar?" disse.

Kevin
Mansão do Executor

Ela tinha finalmente se vestido, mas não gostou que eu a observasse enquanto o fizesse. Não é que estivesse interessado nela, aliás, as humanas do sexo feminino eram aborrecidas, eu só queria mesmo que ela se despachasse. Ela aproximou-se de mim e empurrou-me para fora do quarto pedindo que ficássemos sempre do lado de fora. Esperava seriamente que ela não decidisse fugir enquanto estivéssemos do lado de fora! De qualquer das maneiras eu pressentiria se ela tivesse a fugir, os invocadores deram-nos o poder de localizar as prisioneiras onde quer que elas estivessem, nunca nos poderiam escapar.
- Favor? - disse enquanto ela me dava umas festas estranhas na cabeça.
De seguida ela desceu para jantar. O meu colega ainda estava a dormir em pé, adormeceu de aborrecimento claro está! Como o compreendia... Aproximei-me dele, dei-lhe uma cotovelada para ele despertar e seguimos atrás de Katarina.
Uma vez no salão, colocamos-nos um de cada lado de Katarina que se sentou para jantar. Esperava que aquele jantar não demorasse eternidades, se não ia ser deveras aborrecido!

Draven
Localização: Mansão do Executor

Katarina finalmente desceu para jantar. Mas só a visão daquelas pernas tonificadas valiam a pena a espera. Observei-a sem qualquer tipo de subtileza. Ela sabia que era uma mulher interessante e que eu era um homem com necessidades.
Depois de ela se sentar, fiz sinal a Karl para trazer o jantar. Pelos vistos ele hoje ia ter a companhia da massagista na cozinha, enquanto nós jantávamos os dois na sala de estar.
Pousei as mãos em cima da mesa e cruzei-as por baixo do queixo, observando a minha convidada sem pudor.
- A massagem estava a ser boa, hum? - perguntei eu, retóricamente. - Acho que a seguir vou receber uma também.
Karl entrou na divisão com duas travessas de considerável tamanho em cada mão. Uma delas trazia diversos tipos de carne grelhada e a outra trazia batatas fritas e arroz. Não era o típico manjar dos deuses nem existiam entradas, mas também não podia ser demasiado exigente quando chegara praticamente em cima da hora da refeição e ele nem sequer sabia que eu ia voltar.

Katarina
Localização: Mansão do Executor

Enquanto esperávamos pela comida Draven comentou que também iria receber uma massagem, conhecendo-o como o conheço acho que não iria pedir só uma massagem. "Massagem com final feliz?" sussurrei com um risinho num tom de brincadeira.
Entretanto Karl veio com duas grandes travessas, estava na hora de comer mas por muita fome que tinha Draven devia ser o primeiro a ser servido, peguei no prato dele e comecei a deitar alguns pedaços de carne. "Deixa que eu sirvo-te. Queres muito ou pouco?" perguntei.

Draven
Localização: Mansão do Executor

A sugestão de Katarina fez-me soltar uma gargalhada. Óbvio que eu ia tentar que tivesse um final feliz. Todas as mulheres interessantes que me passavam pelas mãos tinham que ser experimentadas. Ai de mim se não o fizesse.
Fiquei espantado, entretanto, quando vi Katarina a começar a servir-me.
- Muito, por favor. Estou esfomeado. A Academia sem comida perde metade da sua graça. - respondi eu.
Interessado em entrar no jogo dela, levantei-me e peguei no seu prato. Karl, apercebendo-se que eu trataria das coisas a partir dali, retirou-se para a cozinha para finalmente começar a jantar.
- E tu, queres muito ou pouco? - perguntei eu, prestes a servi-la.

Katarina
Localização: Mansão do Executor

Assim que ele pediu muito comecei a entulhar o seu prato de comida, se estava esfomeado é porque vai comer isto tudo hehehe, o prato dele mais parecia uma montanha de carne com uma praia de batatas fritas alimentada por um oceano de arroz. Não pude deixar de conter um riso só de olhar para o seu prato, nem sabia se ele era capaz de comer aquilo tudo.
Entretanto Draven veio pegar no meu prato e perguntar a mesma coisa, receosa com o que ele poderia fazer respondi-lhe: "Pouquinho se faz favor, estou de dieta."

Draven
Localização: Mansão do Executor

- Estás de dieta? Olha que depois desapareces e já não há mamas e rabo que te salvem. Estás boazona assim, não te ponhas com merdas.
E após aquilo, enchi-lhe o prato também da mesma maneira que ela me tinha feito. Coloquei-o à sua frente e levei o meu, sentando-me no meu lugar. Fiz-lhe um pequeno sinal com os olhos e comecei a comer. Ah caralho, estava tão bom!

Katarina
Localização: Mansão do Executor

Tive que desviar o olhar perante aquele elogio à Draven, não queria que ele me visse corada. "menos.." disse de modo a colocar algum respeito, não é que não tivesse aceitado o elogio mas havia maneiras mais decentes de elogiar os atributos de uma mulher, enfim, Draven sendo Draven.
Como previa ele encheu o meu prato de igual modo, peguei nos talheres e comecei a comer com gentileza. "Bom apetite." disse enquanto cortava a carne e levava lentamente o garfo à boca.
"Sa foda!" disse já farta da maneira delicada de comer, agarrei no garfo e espetei-o de seguida num monte de batatas colocando logo tudo à boca, se havia maneira de comer era à grande e à vontadinha. A fome apertava e não estava com paciência para paneleirices, sem pudor fui comendo como bem me apetecia.
"Esta mesmo bom fodasse!"

Draven
Localização: Mansão do Executor

Katarina não conseguiu manter a sua máscara de boa educação durante muito tempo. Eu sei que vivia numa mansão e tal mas por algum motivo vivia sozinho! Era exactamente para poder fazer as coisas todas à minha maneira nem ninguém a dizer-me como é que se devia fazer ou não. Karl era o único que de vez em quando fazia uma sugestão e sabia perfeitamente quando é que tinha de parar ou continuar, visto que já conhecia bem os meus humores.
- Assim é que é, caralho! - exclamei eu.
Continuámos a nossa refeição. Eu acabei por me focar só na minha comida por isso não puxei mais conversa. Só esperava que Karl tivesse tido o tempo suficiente para fazer uma sobremesa.

Katarina
Localização: Mansão do Executor

Enquanto enchia o meu estômago a conversa não avançou muito, ele estava mais preocupado em encher a sua pança do que socializar mas era compreensível, depois da amostra de comida que tivemos na academia isto era divino. Comi tudo e quando pousei os talheres suspirei fundo.
"Tou Satizfeita!" disse bem alto.

Draven
Localização: Mansão do Executor

Katarina estava satisfeita e eu também. Cruzei os talheres no meu prato e encostei-me à cadeira, colocando as mãos na minha barriga. Comecei a fazer-lhe festinhas, como se estivesse grávido.
- Tenho que ver se o Karl fez sobremesa. Mas não me apetece nada levantar-me e ele ainda deve estar a comer. - disse eu.

Katarina
Localização: Mansão do Executor

Ele falou em sobremesa!? Era desta que ia explodir em mil pedaços, estava completamente cheia. Mas reza a lenda que uma pessoa tem dois estômagos, um para comida e outro especialmente desenhado para a sobremesa, só esperava que fosse algo simples.
"Bem, sempre podes ir a rebolar ahaha" comentei rindo-me. "Ou esperamos."

Soraia
Localização: Cozinha, Mansão do Executor

Vendo o desconforto da massagista perante as estranhas criaturas que adornavam o corredor, o Executor tranquilizou-a explicando muito mal o porquê delas ali se encontrarem.
- Entendo, meu senhor. - Não entendia nada, mas era um assunto que não dizia respeito nenhum a Soraia e como ela queria manter o seu profissionalismo, absteve-se de questões. O que realmente lhe interessava era a possibilidade de fazer uma massagem ao Executor, algo que ele aceitou prontamente embora com uma nota para que ela não o desiludisse. Soraia ficou radiante.
- Muito obrigada! Darei o meu melhor.
Ao sinal do Executor, desceu atrás dele para o piso inferior e depois separou-se seguindo as suas orientações até à cozinha. A casa era de um luxo que ela nunca antes tinha visto. Até os corredores tinham decoração! Caminhou a passo lento, absorvendo com o olhar todos os pormenores, mas quando chegou à cozinha sentiu-se um bocadinho culpada por tê-lo feito. Karl trabalhava sem parar para poder preparar um jantar não só para o Executor e a sua convidada como também para eles os dois e Soraia sabia que podia muito bem ter-lhe dado uma mãozinha se não tivesse ficado pasmada a olhar para o interior da mansão.
Assim que Karl foi levar as travessas de comida à sala de jantar, Soraia aproximou-se do lava-louças e começou a adiantar o trabalho do cunhado.
- Mais vale tarde do que nunca! - falou para si.

Karl
Localização: Cozinha, Mansão do Executor

- Mas tu páras quieta? - perguntou Karl, rindo-se para Soraia.
Óbvio que ela não ia parar. Era um hábito das mulheres daquela família. Trabalhadoras e eficientes, prontas a meterem os narizes onde não eram chamadas.
Aproximou-se dela e deu-lhe uma palmadinha nas mãos, como que a enxutá-la.
- Este é o meu trabalho, não o teu. Além disso, se vais fazer uma massagem ao Executor com as mãos todas enrugadas, podes crer que nunca mais lhe pões a vista em cima! - exclamou Karl.
Perante aquele aviso, levou a travessa de comida para a mesa que lhes era destinada. A quantidade era obviamente mais pequena que a que estava na sala de jantar.
Sentando-se na mesa da cozinha, esperou que Soraia se juntasse a ele.
- Despacha-te mulher que daqui a nada tenho-o aqui a pedir sobremesa e ainda nem sequer jantámos!

Soraia
Localização: Cozinha, Mansão do Executor

Como já estava a contar, Soraia foi apanhada por Karl a fazer o trabalho dele. Este não levou a mal, claro, e até brincou com ela dando-lhe uma palmada nas mãos mas quando a relembrou do que tinha de fazer no fim de jantar, Soraia parou de imediato.
- Eu sei, tens razão, mas esta cozinha é a imagem da aflição. Estava a ver se te ajudava um bocado. - disse enquanto limpava as mãos a um pano e se sentava à mesa para jantar. - Ai adoro os teus cozinhados Karl, cozinhas melhor que muita mulher!
Começou então a comer com apetite. Tinha passado o dia todo a trabalhar e quando por fim chegara a casa para preparar alguma coisa que lhe matasse a fome, Karl aparecera com o seu pedido inesperado.
- Como sabes que vou fazer uma massagem ao Executor? Falei tão baixinho lá em cima!

Karl
Localização: Cozinha, Mansão do Executor

Depois de Soraia se sentar, Karl começou a servir-se para iniciar a sua refeição. Sorriu perante o elogio de Soraia e depois de ela perguntar como é que ele sabia que o Executor ia receber uma massagem dele, explicou imediatamente:
- Não te preocupes que não ouvi conversa nenhuma. Apenas já o conheço de trás para a frente e sei que ele iria acabar sempre por te pedir uma massagem também. Nunca o vi a colocar o bem-estar dos outros em primeiro lugar e acho que não vai ser agora que isso vai começar, mesmo com esta nova... amiga.

Soraia
Localização: Cozinha, Mansão do Executor

Afinal Karl tinha tido apenas um palpite, no entanto não estava completamente correcto. Soraia apressou-se a esclarecê-lo.
- Olha mas por acaso fui eu que lhe ofereci a massagem. Já pensaste como seria bom se se espalhasse por aí que eu estive aqui e que o Executor gostou do meu trabalho? Não é qualquer pessoa que se pode dar ao luxo de ir ao massagista e fazia-me jeito ter mais clientes...
Levou mais umas garfadas de comida à boca. Estava mesmo deliciosa.
- Quanto à senhorita, foi muito simpática. Gostei dela. Não se parece com o tipo de mulher ... tu sabes... - completou em voz baixa.

Karl
Localização: Cozinha, Mansão do Executor

- Acho que eles não estão juntos. Ainda. Se estivessem, ele não a largava e não saíam da... - cave, quase disse. Em vez disso, recuperou de outra maneira. - da cama. Não saíam da cama e, consequentemente, do quarto.
Karl continuou a comer, tomando atenção aos barulhos que os rodeavam. Draven devia estar quase aí a pedir-lhe a sobremesa.

Soraia
Localização: Cozinha, Mansão do Executor

Karl era ligeiramente menos medido nas palavras do que Soraia, mas ela não se acanhava com aquele tipo de conversa. Muito menos quando se tratava do Executor, que tinha fama não só por ser um grande entertainer como por aquilo que o entretia a ele.
- Pois. Nem seria preciso chamar-me. Às vezes deve ser difícil para ti, não?

Karl
Localização: Cozinha, Mansão do Executor

A pergunta de Soraia deixou-me algo pensativo. Ao início fizera-me muita confusão, isso era verdade. Mas depois de vários anos na sua companhia, já nem ligava a quem é que ele trazia para casa ou não. Elas sabiam perfeitamente com quem se estavam a meter.
- Não, nada difícil. O meu trabalho é mantê-lo satisfeito e com tudo sempre em ordem. Do seu prazer trata ele e eu não tenho que me meter. O seu modo de vida só a ele lhe diz respeito. Eu prefiro mil vezes chegar a casa e ter a Annya para abraçar e amar. - respondeu Karl.

Draven
Localização: Mansão do Executor

Levantei-me da cadeira, ainda com as mãos na barriga.
- Acho que vou mesmo a rebolar! - exclamei eu.
Mal dei o primeiro passo, um arroto gigante saiu-me da boca. Pedi perdão e avancei até à cozinha. Normalmente eu nem sequer me levantava, simplesmente gritava por ele. Mas Karl não costumava ter companhia e provavelmente não me ouviria.
Rodei a maçaneta e encontrei-os aos dois a comerem.
- Já podes trazer a sobremesa. - disse eu.
Voltei para trás. Precisava de arranjar uma campainha ou uma merda qualquer do género para não ter que me levantar quando tinha convidados em casa.


Última edição por Sanguinia em Seg Out 15, 2018 9:48 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Admin
Mensagens : 41
Data de inscrição : 30/09/2018
Ver perfil do usuário

Re: Noxus

em Ter Out 09, 2018 10:01 pm
Soraia
Localização: Cozinha, Mansão do Executor

A resposta de Karl surpreendeu Soraia, mas ele trabalhava para o Executor há tanto tempo que talvez já não se incomodasse com esse tipo de coisas.
- P...
A entrada do Executor na cozinha fez com que Soraia não conseguisse dizer nada em resposta a Karl e se calhar era melhor assim. Tal como ele fazia, Soraia devia deixar o assunto para quem o assunto dizia respeito. Foi também maneira de terminarem o jantar.
- Já tens alguma coisa feita para sobremesa ou queres a minha ajuda? - perguntou depois do Executor ter fechado a porta da cozinha. - Ou achas que já devia ir preparando as minhas coisas? Deixei a loção e as toalhas no quarto da senhora...

Karl
Localização: Cozinha, Mansão do Executor

Enquanto jantavam, Draven entrou na cozinha e pediu pela sobremesa, tal como Karl já esperava. Depois da sua saída, Soraia perguntou se Karl precisava de ajuda com a sobremesa.
- A sobremesa já está feita, foi a primeira coisa que despachei. E sim, aproveita para ires buscar as tuas tralhas enquanto ela não está no quarto. O quarto do Executor é o último do corredor, mesmo em frente.
Karl hesitou, pensando se lhe devia dizer o que pensava ou não. Agarrou no braço de Soraia com cuidado antes de o fazer.
- E atenção... Ele vai tentar coleccionar-te. És interessante o suficiente para ele te querer nem que seja só por uma noite. - avisou Karl.

Soraia
Localização: Cozinha, Mansão do Executor

Karl era mesmo uma máquina na cozinha pois a sobremesa estava pronta, o que deixava Soraia um pouco mais tranquila. O cunhado também sugeriu que ela aproveitasse o facto de não estar ninguém nos quartos para reunir o seu material. Soraia sorriu-lhe e começou a levantar a louça da mesa.
- É...também acho melhor. Assim depois escuso de estar a incomodar a senhora.
Ao regressar à mesa para recolher o prato e talheres de Karl, este interrompeu-a ao segurar no seu braço. Soraia estava prestes a fazer um comentário brincalhão, julgando que ele lhe ia dizer para parar de mexer na louça, mas o recado foi outro. Ela riu.
- Coleccionar-me? Karl, olha para mim. Nem na minha juventude chegava aos calcanhares de nenhuma moça que já tenha visto com o Executor. Muito menos nesta minha farda pálida, ao fim de um dia de trabalho em que nem tempo tive de tomar banho. Para além disso, se correr bem, o teu senhor estará a dormir antes de eu terminar. No fim acompanhas-me até casa?

Karl
Localização: Cozinha, Mansão do Executor

Soraia não sabia mesmo o quão atraente era como mulher. Claro que Karl também não lho ia dizer, ela podia achar o comentário impróprio para a ocasião. Especialmente depois da conversa que tinham tido.
- Sim, acompanho-te sem problemas. Aliás, eu vou sempre dormir a casa portanto fica pelo caminho. - respondeu Karl.
Pegou então em duas taças com a sobremesa cor-de-rosa lá dentro. Era algo fácil de fácil de fazer e era de morango. Saiu então da cozinha e foi deixar as sobremesas à frente da menina Du Couteau e do Executor.
- Espero que esteja do vosso agrado, senhor. - disse Karl, saindo de seguida.


Katarina
Localização: Mansão do Executor

Ri-me quando Draven anunciou que ia a rebolar, mas o arroto foi desnecessário. Não foi preciso esperar muito pois pouco tempo depois de ele voltar já vinha Karl com duas taças de algo que parecia ser delicioso. Peguei numa colher e levei à boca um pedaço daquele cremoso e delicioso gelado sabor a morango, estava mesmo bom.

"Hmmmm...Adoro...Morango!" disse perante o orgasmo que as minhas papilas gustativas acabaram de ter. "Muito bom mesmo."

Soraia
Localização: Corredores, Mansão do Executor

Soraia voltou a sorrir quando Karl concordou em levá-la a casa. Ela não morava muito longe mas como já era noite cerrada e inverno, sentir-se-ia melhor se tivesse uma companhia masculina que a levasse até à segurança da sua casa.
- Obrigada, Karl.
Vendo que o cunhado fora buscar duas taças de sobremesa, Soraia acabou de levantar a mesa e de arrumar as cadeiras e saiu com ele para o corredor. Quando o mesmo passou pelo escadório de acesso ao piso dos quartos, Soraia separou-se de Karl.
- Até já!
Num pulinho, foi buscar a sua mala e o resto do material que iria precisar para a massagem seguinte (felizmente o quarto já não tinha aqueles seres pequeninos e intimidantes à porta) e dirigiu-se ao quarto do Executor, deixando-se ficar à entrada. Podia não estar trancado, tal como na sua casa também não trancava os quartos, mas não queria pôr-se demasiado à vontade, portanto aguardou que ele terminasse o jantar.

Draven
Localização: Mansão do Executor

Depois de me sentar, Karl não demorou muito tempo a trazer o que lhe tinha pedido. Já estava habituado às sobremesas fantásticas que ele fazia portanto já não tinha o tipo de reacção que Katarina tivera. Aliás, uma das condições de o ter contratado era cozinhar bem. Essa parte era muito importante.
Comi a minha sobremesa em silêncio, apreciando o sabor da mesma. A informação que Katarina me estava a dar poderia vir a ser útil mais tarde. A quantidade de coisas que se conseguia fazer com morangos!
Raspei o resto da sobremesa da taça e encostei-me à cadeira.
- Bem, acho que vou agora receber a minha massagem. Tenta só não deambular pela casa à noite, se faz favor. O Karl vai dormir a casa portanto não te poderá ajudar se partires alguma coisa. - disse eu.
Levantei-me e deixei Katarina sozinha à mesa. Quando cheguei à porta do meu quarto, lá estava a massagista à minha espera. Sorri ao ver que ela não tinha simplesmente entrado sem a minha autorização e abri a porta, fazendo-lhe sinal para entrar.
- Depois de si, minha senhora.

Soraia
Localização: Quarto do Executor, Mansão do Executor

Soraia esperou pacientemente no corredor, dando uns passitos ora para a esquerda ora para a direita para não ficar com as pernas a doerem-lhe, até que por fim ouviu alguém subir as escadas. Passou a mala de uma mão para a outra, com um nervoso miudinho a crescer no estômago e aclarou a voz mesmo antes de ver o Executor surgir no corredor. Este caminhou na sua direcção a sorrir, abriu a porta e convidou Soraia a entrar com uma expressão bem educada que ela poucas vezes ouvia.
- Com sua licença.
O quarto do Executor era muito maior do que o da senhora e não tão impessoal. Soraia relembrou a si própria mentalmente qual era o seu objectivo, o que fez com que se dirigisse imediatamente para a zona da cama em vez de ficar pasmada a olhar para todos os cantos daquela divisão e o que nela continha.
Encostou a malinha à mesa de cabeceira e dela retirou uma toalha lavada e dois frascos diferentes. Pegou num deles e deitou uma porção do seu líquido nas mãos, esfregando-as uma na outra de seguida.
- Eu sei que entretanto os quartos arrefeceram, mas tenho de lhe pedir que tire a camisola e se deite na cama de barriga para baixo, cabeça fora da almofada. Não passará frio, garanto-lhe. - assegurou com um sorriso simpático.

Draven
Localização: Mansão do Executor

Soraia entrou no meu quarto e vi-a a observá-lo com curiosidade. O meu quarto era um espaço muito pessoal. Normalmente, quando trazia convidadas cá para casa, ou as levava para a cave ou para um dos quartos de hóspedes, mas nunca para aqui. As paredes eram escuras e tinham todos os convites que eu alguma vez recebera para eventos colados nelas. Também tinha alguns desenhos meus que alguns artistas Noxianos tinham feito ao longo da minha carreira, já para não falar de recortes de jornais onde anunciavam o quão grande a minha glória era. O EXECUTOR DE NOXUS, lia-se em letras garrafais no maior deles todos. Aquela tinha sido a primeira vez que eu aparecera nos jornais. Tinha sido a partir daí que a minha carreira tinha começado a subir, já para não falar da minha fama.
Perto da janela estava uma espécie de sofá onde eu me deitava às vezes a olhar lá para fora. Em cima dele estava o cobertor que nunca se separara de mim enquanto eu fora uma criança. No chão estava a minha velha bola de basquete, já toda gasta e meio vazia, que me trazia recordações do meu irmão.
Todo o meu quarto era um poço de recordações. E, no centro, estava a minha cama. A maior cama que alguma vez se podia encontrar, com lençóis negros de seda.
Observei Soraia a mostrar o seu profissionalismo: apesar da sua curiosidade, tratou de meter mãos ao trabalho. Quando ela me pediu para despir a camisola, fi-lo sem pensar duas vezes. Ela poderia ver agora algumas das minhas cicatrizes e tatuagens.
Aproximei-me dela, esperando que ela me indicasse o próximo passo.
- Não tenho qualquer tipo de frio, não se preocupe. - disse eu, quase num sussurro.

Soraia
Localização: Quarto do Executor, Mansão do Executor

A pedido da massagista, o Executor despiu logo a camisola e aproximou-se mais da cama, no entanto não se deitou nela. Soraia observou o seu tronco bem trabalhado, que combinava perfeitamente com o seu rosto de feições atraentes, demorando-se ligeiramente nos detalhes marcados tanto pela agulha como pela espada. Contrariamente à decoração do quarto, Soraia não sentia que era errado perder uns breves momentos a perscrutar o corpo do Executor. Afinal de contas era a sua "tela de trabalho".
- Muito bem. - disse por fim ao mesmo tempo que indicava com um gesto a cama gigante. No preciso momento em que o fez, reparou num pormenor que podia estar relacionado com o facto do Executor não se ter deitado na cama quando Soraia lho pediu da primeira vez.
- Peço imensa desculpa, só um momento.
Retirou da mala a última toalha lavada que trouxera consigo e estendeu-a por cima dos lençóis negros. Assim já não os podia manchar com a sua loção gordurosa.
- Agora sim, faça favor. Braços esticados ao longo do corpo.

Draven
Localização: Mansão do Executor

Soraia colocou uma toalha em cima da minha cama e disse-me para me deitar, pedindo-me para que colocasse os braços esticados ao longo do corpo. Deitei-me na toalha e fiz exactamente como ela me mandou.
- É a primeira mulher a entrar no meu quarto, Soraia. Por favor não deixe que os meus segredos saíam lá para fora. - disse eu, com um toque de ironia nas minhas palavras.
Só uma pessoa que me conhecesse muito bem é que poderia desvendar os segredos que o meu espaço guardava.

Kevin
Localização: Mansão do Executor

Que s-e-c-a! Estar ali ao lado da prisioneira enquanto ela comia, ainda era pior do que estar a guardar a sua porta. O meu amigo adormeceu novamente em pé, aquele dorminhoco! Eu suspirava vezes sem parar, dava pequenos passos para um lado e para o outro e rodava os olhos inúmeras vezes devido ao meu aborrecimento.
Entretanto o dono daquela mansão foi embora deixando Katarina sozinha. Questionava-me o que ela iria fazer agora, talvez nos desse alguma atenção? Ou fosse dar um passeio? Seria bom se saíssemos dali, sempre tirava o meu olhar daquela casa horrorosa!
- Mesmo? Mesmo! Mesmo! - exclamei olhando para Katarina.

Katarina
Localização: Escadas, Mansão do Executor

Draven tinha ido receber a sua massagem e avisou-me que como o Karl tinha ido embora, eu tinha autorização para explorar aquilo de alto a baixo desde que não fizesse merda. Sejamos honestos, foi praticamente o que ele quis dizer com aquilo, se bem que comecei a sentir um bocado de pena pela senhora Soraia, ela parecia ser bastante simpática e seria uma pena juntar-se à 'colecção' dele...Enfim, hora de explorar.

Levantei-me da mesa e notei nos dois minorcas guardiões. Um deles dormia e o outro olhava para mim bastante entusiasmado, coloquei o dedo indicador nos lábios em sinal de silencio e fiz: "Shhhhhh". A passo cauteloso abandonamos a sala de estar e fomos ao local que mais curiosidade me despertou, a porta metálica no fundo das escadas, o que será que ele escondia ali e porque é que não a mencionou?

Chegando ao local paramos em frente à porta. "Pss, faz-te útil! Consegues abrir essa merda?" perguntei-lhe. Talvez ele tivesse poderes úteis, ou talvez não. A opção B seria procurar pelas chaves.

Soraia
Localização: Quarto do Executor, Mansão do Executor

O Executor acabou por se estender na cama da maneira que Soraia o instruíra e teceu um comentário que a fez soltar uma gargalhada calorosa, embora a intrigasse o facto de ele dizer que era a primeira mulher a entrar no seu quarto. Provavelmente estaria a mentir só para brincar com ela.
- Não se preocupe, meu senhor. Sigilo massagista-cliente. - brincou também.
Soraia deitou um bocadinho de loção nas mãos e passou-as pelos ombros e omoplatas do Executor, começando por hidratar a sua pele antes de iniciar a massagem como deveria ser. Foi descendo ao longo do seu tronco para espalhar bem a loção e enquanto o fazia foi puxando conversa, tal como era seu costume antes de conduzir o cliente a um estado de maior descontracção.
- Mas então, não me diga que nunca antes tinha recebido uma massagem no seu domicílio!

Draven
Localização: Mansão do Executor

Soraia provavelmente era uma mulher muito inocente. Ou então não conhecia a minha fama. Mas também não fazia mal, eu agora queria era relaxar e aproveitar aquelas mãozinhas que pareciam saber perfeitamente o que estavam a fazer.
A sua exclamação apanhou-me de surpresa.
- Normalmente estou demasiado ocupado para relaxar. E as massagens que posso ou não receber são sempre feitas na prisão de Noxus, depois dos meus espectáculos. - respondi eu.
Não conseguia deixar de sentir os meus olhos a fecharem-se a cada movimento que as suas mãos faziam nas minhas costas.

Kevin
Localização: Escadas, Mansão do Executor

- Shhhhhh... - repeti eu ficando de seguida em silêncio. O meu amigo dormia e roncava ligeiramente no que eu dei-lhe uma cotovelada para ver se ele se calava - Ssshhhhh. - voltei a repetir virando-me para ele.
Seguimos depois Katarina e enfrentamos uma grande porta metálica. Ela questionou-me se eu a conseguia abrir, no que encolhi os ombros e repeti:
- Merda?
Para ser sincero, não sabia se tinha poderes suficientes para abrir fechaduras ou não. Tinha poderes suficientes para parar aquela mulher de qualquer modo e defender os mais fracos caso ela atacasse alguém, agora abrir portas... De qualquer das maneiras nós não éramos seus criados, e não tínhamos que seguir as suas ordens! Por isso abanei a cabeça em sinal negativo enquanto disse ligeiramente aborrecido:
- Merda...

Katarina
Localização: Sala de diversões, Mansão do Executor

Não pude deixar de soltar uma gargalhada quando o pequenote repetiu a palavra merda, o seu sistema cognitivo devia ser diferente do normal. Infelizmente ele não conseguia abrir a fechadura, teríamos que procurar pela chave que muito provavelmente estaria com Draven, mas não havia nada a perder. "Vamos ter que procurar a chave, vinde seus inúteis." disse abandonando as escadas.
"Ajudem a procurar." disse chegando à sala de diversões, que seria o sitio menos provável onde estaria lá a chave, comecei por procurar no meio dos jogos do tabuleiro mas nada, de seguida procurei no armário de exposições de armas e também nada. "Nada..." disse suspirando.

Karl
Localização: Sala de diversões, Mansão do Executor

Depois do Executor e da menina se terem levantado, Karl tratou de levantar a mesa e levar a loiça toda para a cozinha. Estava a colocá-la em ordem para a começar a lavar quando ouviu barulho vindo do fundo das escadas. Teria Draven levado Soraia para lá assim tão rapidamente?
De pano da loiça na mão, saiu para fora da cozinha para investigar mas já não estava lá ninguém. Depois ouviu barulho vindo da sala de estar. Entrou lá dentro e viu a menina Du Couteau a mexer em algo. Parecia com cara de caso e não apenas à procura de algo para se entreter.
- Será que a posso ajudar? - perguntou Karl.
Aquela pergunta tinha sido mais um aviso do que uma questão. Ela podia fazer parte de uma ordem de assassinos bastante conhecida mas Karl não gostava de bisbilhoteiros, tal como o Executor.

Kevin
Localização: Sala de diversões, Mansão do Executor

Como não dava para abrir a porta, Katarina decidiu ir procurar a chave. Caminhamos os dois a seu lado, repetindo conforme marchávamos:
- Inúteis, inúteis, inúteis...
Chegamos de seguida a uma sala enorme cheia de jogos e mesas, no que Katarina pediu-nos ajuda para procurar a chave. Não estava a gostar da brincadeira, e ela estava a começar a aborrecer-me, odiava procurar coisas que não conhecia! Decidi então "fingir" que procurava só para não a ver chateada e a criar problemas. Uma boa maneira de guardar a prisioneira e saber que ela não fazia asneiras, era vê-la bem disposta, ou ainda causaria problemas outra vez como na academia.
Aproximei-me de uma mesa alta e comprida onde em cada canto e nas laterais tinha uma cesta pendurada com algumas bolas lá dentro. Coloquei-me debaixo da mesa e pus-me a observar uma bola pendurada numa das cestas, ela era preta e tinha um grande "8" escrito. Estiquei a minha mão e empurrei lentamente a bola para cima e vi quanto ela era pesada! Do nada, ouço uma voz atrás de mim que me faz assustar e estico a mão toda, usando uma força descomunal, fazendo com que a bola saltasse da cesta, voasse alguns metros e caísse no chão com um grande estouro.
- Ajudar?!?! - questionei assustado virando-me para o mordomo que acabara de chegar.

Soraia
Localização: Quarto do Executor, Mansão do Executor

Aparentemente o Executor não tinha muito tempo para relaxar, o que não era uma boa notícia para Soraia, mas ela ainda podia fazer com que o Executor lhe tomasse o gosto e quem sabe conseguir fazer tempo para incluir essa actividade na sua rotina.
- Bem, nesse caso vai já ver como é uma massagem a sério.
Soraia voltou a percorrer as costas do Executor e colocou as mãos na sua nuca, dando por fim início aos movimentos de massagem de relaxamento. Da nuca passou para o pescoço, do pescoço para os ombros, dos ombros para as vértebras torácicas. Enquanto o fazia continuou a fazer conversa.
- Já tem o próximo espectáculo marcado?

Katarina
Localização: Sala de diversões, Mansão do Executor

Sem dar por ela, apareceu Karl que me pregou um susto com a sua pergunta, mas se havia coisa que estava mais habituada era a ser apanhada com a mão na massa, o truque era saber disfarçar. O pequenote, andou a mexer numa mesa de jogo e fez com que uma bola fosse para o chão. Isso deu-me uma ideia.

"Estava só a explorar a sala mas sim, por acaso podia ajudar-me..Se não se importar." disse caminhando em direcção à bola preta no chão. "Podia-me ensinar uma coisa..." disse de uma maneira meiga enquanto, lentamente e de um modo sensual, curvava-me diante dele para pegar na bola. "... a jogar este jogo. Nunca tive ninguém que me explicasse como jogar...Podia-me fazer esse favor antes de ir? Por favor." disse de uma forma gentil.

Esperava que tenha sido convincente, Karl podia ser a peça principal que precisava para desvendar o que havia por de trás daquela porta ou até mesmo ter a chave consigo!

Draven
Localização: Mansão do Executor

Quando Soraia iniciou a massagem em si dei por mim quase a babar-me para a toalha. A sua pergunta apanhou-me desprevenido, já na orla de cair num vazio mental que eu desconhecia. Nunca chegara àquele ponto de relaxamento.
- O Karl está a tratar das marcações. Se fizer tudo como deve de ser, deve ser já amanhã. - respondi eu. - Já assistiu a algum espectáculo meu, Soraia?

Karl
Localização: Sala de diversões, Mansão do Executor

Karl não queria acreditar no que estava a ver. A menina Du Couteau estava a tentar seduzi-lo? E como assim nunca tinha jogado snooker?
- Menina, o meu trabalho é manter tudo organizado para o Executor e não divertir-me. Se quer aprender a jogar vai ter que esperar que a massagem dele acabe e rezar para que ele não tenha adormecido. - respondeu Karl.
Não tinha sido antipático nem mal-educado mas tinha mantido o seu nível. Ela não podia achar que chegava ali e fazia o que queria e lhe apetecia.
- E agora tenho que voltar para a loiça antes de me ir embora porque isso é que é realmente importante. - disse, realçando a última parte da sua afirmação. - Ah e menina Du Couteau... Não tente descobrir o que está por trás da porta metálica. Se ele a apanha a tentar fazê-lo não vai ser bonito.

Katarina
Localização:Mansão do Executor

Karl não ficou convencido e até pelo contrário parecia ter ficado um pouco irritado. Para um agente do Draven pensei que fosse parecido com ele na maneira de ser, afinal estava enganada. "É pena... E não se preocupe." respondi.
Tinha perdido a pica toda de fazer algo e o sono já começava a pesar, o melhor seria ir até ao meu quarto e dormir, mas não me apetecia nada. O Draven provavelmente ainda estava a receber a massagem.

Karl
Localização: Sala de diversões, Mansão do Executor

Deixando a menina Du Couteau novamente sozinha, Karl voltou para a cozinha para começar a lavar a loiça. Quando acabasse, esperaria por Soraia. Não iria interromper a massagem do Executor.

Kevin
Localização: Sala de diversões, Mansão do Executor

Limitei-me a observar a merda que tinha feito com a bola. Felizmente nem foi assim tão merda, pois Katarina arranjou uma boa desculpa para disfarçar a sua procura pela chave. Abaixou-se sensualmente como se a fazer ao mordomo e eu rolei os olhos de aborrecimento. Estas mulheres humanas eram cá umas atiradiças!
Enquanto eles falavam, caminhei por baixo da mesa observando as outras bolas que estavam penduradas nos cestos. Eu é que estava curioso para saber como é que se jogava aquilo, talvez ajudasse a ultrapassar a seca que estava a passar. De qualquer das maneiras, ouvi o mordomo avisar Katarina que ela não deveria ver o que estava por trás daquela porta, ou o dono da casa aborrecida iria ficar bastante chateado.
- Preocupe... - murmurei também quando o mordomo saiu da divisão. Ainda me encontrava debaixo da mesa fintando as pernas da prisioneira à espera do seu próximo passo.

Katarina
Localização: Mansão do Executor

Arrumei a bola num dos buracos da mesa e abandonei a divisão indo em direcção aos corredores, já era tarde e já estava a sentir o sono, subi as escadas e passei pelo quarto onde Draven estava a ter a sua massagem e fui até ao meu.
Virei-me para os pequenos guardas que se encontrava atrás de mim e disse-lhes: "Agora eu vou dormir e quero privacidade, ficam aqui fora ouviram?" De seguida entrei no quarto e fechei a porta. Caminhei até à cama e comecei a despir-me preparando-me para ir dormir.

Soraia
Localização: Quarto de Hóspedes, Mansão do Executor

A maneira como o Executor respondeu à pergunta de Soraia deu-lhe uma ideia de como a massagem estava a correr. A voz arrastada era um óptimo sinal e isso queria também dizer que estava na altura de reduzir no paleio. Soraia não queria, contudo, deixar o Executor a falar sozinho, portanto permitiu que a conversa se prolongasse um pouquinho mais, até para não parecer mal da sua parte pois puxara o assunto primeiramente.
- Sim, já tive a sorte de o ver, mas nem sempre é possível.
Soraia poderia ter continuado e contado que Karl conseguia guardar-lhes uns lugares bons sempre que a família combinava ir junta e que o verdadeiro fã lá de casa era o marido, mas assim iria levar muito mais tempo a adormecer o Executor. Ou então ele poderia adormecer de aborrecimento, o que era ainda pior! Assim, deixou que a conversa morresse e concentrou-se na parte final do seu trabalho. Esta consistia em movimentos mais lentos mas com a aplicação de um pouco mais de pressão que obrigaria o músculo mais teimoso a perder a sua tensão.

Draven
Localização: Mansão do Executor

Soraia respondeu que já assistira a alguns espectáculos meus. Sorri mas ao fazê-lo senti um pequeno fio de baba a querer escorrer para fora. Fechei novamente a boca, não querendo fazer figuras à frente da massagista. Por este andar não ia chegar ao tal final feliz que eu tanto queria... Por este andar...
Adormeci.

Soraia
Localização: Quarto de Hóspedes, Mansão do Executor

A dada altura Soraia apercebeu-se da respiração pesada do Executor, mas não parou a massagem de imediato. Queria que o Executor se sentisse em pleno no dia seguinte, portanto, apesar de ter adormecido, Soraia tinha de terminar.
Foi só quando parou que se deu conta do seu cansaço. Fora um dia (e noite) repleto de trabalho e agora que por fim findara, as consequências estavam a fazer-se sentir.
Soraia cobriu o corpo do Executor com uma das toalhas que lhe tinham sobrado, porque dali a umas horas iria arrefecer, arrumou o resto das suas coisas na malinha e saiu do quarto para se encontrar com Karl no andar de baixo. Bateu à porta da cozinha e entrou.
- Karl? Já terminei. Desculpa se demorei muito.

Karl
Localização: Cozinha, Mansão do Executor

Karl já arrumara a cozinha toda quando Soraia entrou. Já era de madrugada e apesar de as janelas estarem fechadas, podiam-se ouvir os grilos. Tanto a casa como o bairro estavam silenciosos o suficiente para isso.
- Não tem problema. Vamos andando? - perguntou Karl.
Foi buscar o seu casaco e ofereceu o braço a Soraia. Noutras noites como aquela, às vezes ficava a dormir por ali. No entanto, hoje queria levar Soraia a casa e depois iria aproveitar a companhia da sua mulher.

Soraia
Localização: Quarto de Hóspedes, Mansão do Executor

- Sim, já se faz tarde. Não sei como tens pedalada para estas noitadas. Eu estou aqui que nem posso! - gracejou.
Karl foi buscar o seu agasalho e juntou-se a Soraia à entrada da cozinha. Soraia tomou o seu braço e juntos atravessaram o corredor bem decorado do piso inferior da mansão e saíram para o exterior pela porta principal.
A meio do caminho despediram-se, com Soraia a agradecer uma carrada de vezes por Karl se ter lembrado de a chamar, e ambos se dirigiram ao conforto modesto das suas casas.


Última edição por Sanguinia em Seg Out 15, 2018 9:50 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Admin
Mensagens : 41
Data de inscrição : 30/09/2018
Ver perfil do usuário

Re: Noxus

em Ter Out 09, 2018 11:17 pm
- TERÇA-FEIRA, MANHÃ -

Draven
Localização: Mansão do Executor

Acordei de pau hirto, como é óbvio. Felizmente, Karl já estava habituado, se bem que tê-lo hirto era sinal que acabara por não o usar ontem à noite - infelizmente. Isso queria dizer que eu adormecera a meio da massagem e não tivera o meu final feliz.
Sentei-me na cama enquanto Karl me observava, de tabuleiro nas mãos. Pousou-o à minha frente assim que fiquei na posição certa e pude ver um prato com torradas, um iogurte, ovos mexidos e um sumo de laranja. Além disso, estava também a minha agenda com um marcador no dia de hoje. Enquanto a abria, Karl começou a falar:
- Terá uma execução agora de manhã daqui a hora e meia. Depois de almoço terá outra e uma última ao fim da tarde. As fichas dos prisioneiros tiveram que ficar na prisão, infelizmente. Só amanhã é que consigo trazer as restantes. Tenha um bom proveito, Executor.
Fiz-lhe um "fixe" com a mão e comecei a atacar a minha torrada e os meus ovos. Ao vê-lo virar costas, acabei por dizer:
- Não te esqueças de levar o pequeno-almoço à nossa convidada. E bilhetes para as execuções. - dei mais uma trinca. - E já agora: quero a Soraia mais vezes cá em casa.
Karl acenou com a cabeça e saiu do meu quarto, fechando a porta atrás de si. Continuei a comer com vontade.

Kevin
Localização: Mansão do Executor

Cai no aborrecimento novamente. Depois da cena na sala de jogos, acabamos por não jogar nada com aquelas bolas que estava curioso. Deslocamos-nos então atrás da prisioneira até ao seu quarto e ela deixou bastante claro que queria-nos fora. Então teríamos que dormir em pé? Bem que o meu amigo nem se importa, já que ele está sempre a dormir em pé tal não é o aborrecimento. E eu acabei por fazer o mesmo, encostado à parede.

Acordei na manhã seguinte, todo torto, sentado no chão com o meu cajado no meu colo. Levantei-me e endireitei-me, devia de manter a boa postura por muito aborrecido que estivesse.
Aguardei demasiado tempo... A prisioneira não acordava. Ou teria fugido? Nah, se tivesse fugido nós pressentíamos. Esperava seriamente que ela não demorasse, estava farto de esperar!

Karl
Localização: Mansão do Executor

Tal como ele receara, o Executor gostara de Soraia e queria que ela voltasse. Não que isso fosse mau para ela, especialmente se continuasse a conseguir escapar às suas garras como fizera ontem à noite.
Voltando à cozinha, Karl preparou o pequeno-almoço para a menina Du Couteau. Era uma versão mais pequena do que fizera para o Executor, visto que ela era uma senhora e normalmente elas não comiam tanto, especialmente pela manhã. Pegou também em três bilhetes - outros três estavam guardados no bolso do seu casaco para oferecê-los à sua família, se bem que cada um era para uma execução diferente e visto que o Executor queria a menina Du Couteau fosse assistir, da família de Karl só podia ir um de cada vez.
Com tudo organizado em cima do tabuleiro, subiu escadas acima e passou por aquelas criaturas horríveis sem olhar para elas. Bateu duas vezes à porta e, vendo que não obtia resposta, entrou. Se o Executor queria que ela fosse às suas execuções, a primeira era apenas daqui a uma hora e um quarto e ela precisava de se despachar.
Pousou o tabuleiro em cima da cama, apalpando o quarto às escuras. Felizmente já conhecia aquela casa de trás para a frente. Abriu finalmente as cortinas e o sol bateu directamente na cama onde a rapariga estava a dormir.
- Bom dia, menina Du Couteau. Tem aqui o seu pequeno-almoço e um pedido do Executor para estar pronta para a sua primeira execução que será daqui a uma hora e... - olhou para o seu relógio de bolso. - ...oito minutos.

Katarina
Localização: Mansão do Executor

Não demorou muito a adormecer, a cama era super confortável e sentia-me que estava deitada numa nuvem. O meu sono de beleza foi interrompido pela enorme claridade do sol que me atingia directamente na cara. Lentamente fui abrindo os olhos e ouvi a voz do Karl, que me trouxe o pequeno-almoço, a informar-me de uma execução. Que raio? Uma Execução?
"O-Okai." respondi ainda meia sonolenta compreendendo só meia dúzia de palavras.
Puxei-me para cima sentando-me na cama e comecei a comer o pequeno-almoço. Para Karl falar em execução era porque o Draven ia ter um espectáculo, será que ele queria que eu também fosse? Era um bocado mau não ir visto que estava como convidada mas também uma coisa que lhe tinha dito era que quantas menos pessoas souberem que tinha voltado a Noxus melhor, ora, ir para uma Arena não era a melhor ideia, enfim, o melhor era conversar com ele e ver isto melhor, até porque tinha-lhe uma proposta a fazer.

Draven
Localização: Mansão do Executor

Depois de terminar o pequeno-almoço, levantei-me da cama e dirigi-me directamente à casa-de-banho que tinha dentro do meu quarto. Tomei um banho quente, rápido o suficiente para ainda ter tempo para me vestir bem e ir chatear Katarina ao seu quarto para irmos andando para a prisão de Noxus.
Decidi que hoje vestiria um fato branco com uma camisa negra por dentro. Deixei o meu cabelo rebelde, como sempre, e coloquei uns óculos escuros. Sabia que ia sujá-lo com sangue, mas isso faria parte do espectáculo.
Já completamente despachado, mas não antes sem meter um pouco de perfume, saí do quarto e bati à porta do quarto de Katarina.
Os seus guardas olhavam para mim. Não dava para ver as suas caras devido aos capuzes - e provavelmente por serem feitos de fumo, pois era o que parecia - mas eles não pareciam lá muito contentes por estar ali fora.
- A Katarina está a tratar-vos mal, não é? - perguntei eu, sem sequer saber se eles me percebiam ou não. - Eu se fosse a vocês não a perdia de vista. O quarto dela tem janelas.
Enquanto esperava que ela me desse autorização para entrar, fui observando as reacções das criaturas.

Katarina
Localização: Mansão do Executor

Enquanto comia o pequeno almoço ouviu-se um bater na porta, devia ser o Draven. "Força." disse esperando que ele entrasse. A proposta que iria fazer não era propriamente algo que estivesse disposto a partilhar com mais ninguém, assim que Draven entrou dei-lhe o bom dia e disse-lhe: "Ainda bem que vieste, precisava de falar contigo, a sós." terminei olhando para Karl esperando que este abandonasse a divisão.

Draven
Localização: Mansão do Executor

Ela finalmente deu-me permissão para entrar. Karl devia ter entrado há poucos minutos atrás com o pequeno-almoço pois ainda se encontrava lá dentro. Depois de fechar a porta atrás de mim, Katarina referiu que queria falar comigo a sós. Karl trocou um olhar rápido comigo e saiu. Ajeitei a gola do meu fato enquanto me aproximava.
- Bom dia. Tenta ser rápida pois ainda temos que nos deslocar até à prisão. - disse eu.

Katarina
Localização: Mansão do Executor

O tempo não era muito e precisava de ser o mais especifica possível, ou não. "Não sei o que tens em mente mas ser reconhecida em publico estava fora dos meus planos, mas, estaria disposta a ir com todo o gosto assistir se me conseguisses arranjar um 'contrato' a abater, um nome. Nem pedia dinheiro em troca, só mesmo para desenferrujar um pouco." disse-lhe colocando o tabuleiro em cima da cómoda que se encontrava ao lado da cama. De seguida levantei-me e fui buscar a minha roupa. Sabia que me encontrava em roupa interior mas o Draven ver-me em lingerie era a menor preocupação do momento. Agarrei as minhas roupas habituais e comecei-me a vestir, "Podes também considerar como um pagamento pela minha estadia aqui, que dizes? Ou tens outras ideias?" continuei.

Draven
Localização: Mansão do Executor

O pedido de Katarina não me surpreendeu. Afinal, eu também andava com comichão nos meus machados enquanto estivera lá na Academia. Sabia que tinha de cumprir as regras mas a falta de combate deixava-me impaciente. Entretanto ela levantou-se da cama e começou a passarinhar pelo quarto apenas em lingerie. Enquanto ela o fazia, ia observando-a com minúcia.
- Acho que eu e tu temos definições muito diferentes de pagamentos. E quanto a seres reconhecida em público, isso não vai acontecer. Eu tenho um camarote privado na arena onde as execuções são feitas. Para onde é que achas que vou quando tenho execuções todas seguidas? Para dentro da humidade da prisão não é de certeza. - disse eu. - No entanto, consigo arranjar-te um alvo sem problema algum. Mas dentro da prisão terias mesmo que te disfarçar para poderes entrar comigo.
Aproximei-me dela, interrompendo-a da sua tarefa. Coloquei uma mão no seu queixo, levantando-o de maneira a que os seus olhos encontrassem os meus.
- Depois disso, ficas a dever-me dois favores. Um pela estadia, outro pelo alvo. E sim, tenho outras ideias. - respondi eu, sorrindo perversamente.

Katarina
Localização: Mansão do Executor

Fiquei admirada pela resposta dele, pensava que me ia mandar desenmerdar mas afinal não. Iria para um camarote privado onde era impossível alguém reconhecer-me lá e ainda melhor, Draven conseguia arranjar-me um alvo também, tinha ficando tão empolgada que simplesmente fiquei feita parva a sorrir para ele enquanto imaginava as várias maneiras possíveis de executar o meu futuro alvo.
"Sim qualquer coisa! Obrigada!" disse dando-lhe um rápido abraço, de seguida voltei até à minha mala para retirar uma capa preta com capuz, tinha trazido para caso fosse sair à rua, o capuz era comprido o suficiente para tapar-me a face. Coloquei a capa as costas e dirigi-me para a porta.
"Estou pronta, vamos?" perguntei.

Draven
Localização: Mansão do Executor

Ela parecia tão feliz que nem sequer reparou nas minhas segundas intenções. Abraçou-me aos pulinhos e depois colocou uma capa preta com capuz. Levei uma mão à cara e abanei a cabeça, como que a reprová-la.
- Infelizmente não vais matar ninguém hoje. Só amanhã é que consigo levar-te para a prisão comigo por isso não precisas de fingir que és uma feiticeira. Além disso, vamos na minha carruagem privada... - suspirei fundo. - Porra Katarina, não vais entrar no meu camarote a parecer uma aberração. Precisas que eu te compre um vestido, ou assim? Quero-te apresentável, porra!

Katarina
Localização: Mansão do Executor

Como assim não ia matar ninguém hoje? Estava empolgada para nada, iam ser as 24 horas mais longas da minha vida, mas ao menos tinha algo apesar de ter que esperar. Retirei a capa e voltei a guarda-la na mala, "Não achas que esteja apresentável assim? É a minha roupa normal." disse. Qualquer que fosse a sua resposta não ia mudar em nada, ia como queria.

Draven
Localização: Mansão do Executor

- Bem, ao menos não vais com essa capa horrível às costas. - respondi eu. - Por acaso acho que tenho ali alguns vestidos que de vez em quando deixam cá em casa. Queres ver se gostas de algum?

Kevin
Localização: Mansão do Executor

Não tive que esperar muito tempo até que alguém suspendesse o meu aborrecimento. Primeiramente apareceu o mordomo com uma bandeja. Entrou no quarto de Katarina e eu tentei espreitar lá para dentro para ver se ela ainda lá estava. Mas o tipo foi demasiado rápido e não consegui ver nada. Ele depois ficou a demorar demasiado lá dentro e eu curioso cá fora. Quando estava quase para infringir a regra de ficar fora do quarto e abrir a porta, chegou o anfitrião da casa e bateu à porta. Enquanto aguardava por uma resposta, olhou para mim e para o meu amigo Stuart, que entretanto tinha acordado, e fez uma pergunta retórica no que eu acenei logo com a cabeça a concordar. Sim, ela não estava a ser muito simpática em deixar-nos cá fora não. Depois ele ainda acrescentou que precisávamos de ter cuidado, já que o quarto tinha janelas. Ah, mas isso já eu sabia há muito seu burro! Mas ele que não se preocupasse, se ela tivesse fugido nós tínhamos pressentido de certeza!
Claro que Katarina estava dentro da divisão e entretanto mandou-o entrar. Estavamos os dois para seguir atrás dele, mas o palhaço fecha-nos com a porta na cara! Que falta de respeito! Mas esta abriu-se outra vez e o mordomo saiu da divisão. Era agora que iamos entrar, mas uma vez mais este fecha a porta e vai embora. Ah, mas nós não íamos ficar ali, não... Estava farto de fazer de porteiro, eu era um guerreiro caraças!
- Janelas janelas janelas! Janelas janelas. ((Temos que impor respeito! Vamos entrar.)) - disse para o meu amigo Stuart que concordou comigo.
Entramos os dois então na divisão sem aviso prévio. Mas antes que ela reclamasse, não iamos avançar muito. Agora em vez de sermos porteiros exteriores da divisão, íamos ser porteiros interiores! Colocamos-nos então um de cada lado da porta do lado de dentro em posição. Ela não nos ia expulsar, nós é que mandávamos nela!
- JANELAS! - gritamos os dois em uníssono enquanto batíamos com as nossas armas no chão.

Katarina
Localização: Mansão do Executor

"Eu, de vestido? Acho que me vias primeiro morta ahaha isso não é pra mim acredita" respondi soltando uma forte gargalhada. Nunca gostei de me ver de vestido nem nunca achei piada a essas coisas femininas.
De repente entraram os guardas gritando 'janelas', super confusa, olhei para as janelas e tudo me parecia normal.
"Eu não vos pedi para esperarem lá fora? Falta de respeito!" falei para ambos chateada.
"É melhor despachar-mos." disse para o Draven

Kevin
Localização: Mansão do Executor

Claro que ela não ficou feliz com a nossa presença, mas quem era ela para falar em respeito? Ela é que nos estava a desrespeitar e mais cedo ou mais tarde nós mostraríamos o nosso poder para ver se ela ficava na linha!
- Respeito respeito! ((Tu é que nos tens que respeitar!)) - disse eu num tom de voz mais grave e os meus olhos começaram a brilhar num tom amarelo assustador, fixados em Katarina.

Draven
Localização: Mansão do Executor

A relação dos seus guardas com Katarina era no mínimo bizarra. Parecia que eles tinham levado a sério o que eu tinha dito pois entraram por adentro enquanto gritavam JANELAS! e batiam com as suas pequenas armas no chão. Eu não consegui deixar de me rir, especialmente ao ver Katarina a chamar àquilo tudo de "falta de respeito". Será que ela não entendia que provavelmente eles nem sequer sabiam o que isso era?
- Sim, vamos embora. O Karl já deve estar lá em baixo à nossa espera. - disse eu.
Entretanto, uma das criaturas parecia estar prestes a atacar Katarina, a julgar pelos seus olhos que pareciam estar a brilhar e a crescer de tamanho.
- Se fosse a ti tinha mais cuidado. Essas coisas foram criadas pelo Mestre Ashram. E ele não me parece um tipo para brincadeiras. - disse eu.

Katarina
Localização: Mansão do Executor

A pequena criatura não pareceu gostar da minha resposta, isto porque os seus olhos começaram a brilhar num amarelo apavorante, e Draven tinha razão, apesar de ser difícil levar a sério as criaturas elas tinham sido criadas pelo mestre Ashram e era preciso ter cuidado.
"É verdade...Vamos." disse friamente ignorando ao máximo o olhar desconfortante do guarda.

Draven
Localização: Mansão do Executor

Pelos vistos, Katarina iria mesmo assim para a execução. Talvez um dia a convencesse a vestir um vestido mas agora não tinha tempo para esse tipo de debate.
Só me faltava agora ir buscar os meus machados à sala das armas. As chaves estavam no meu bolso, juntamente com as chaves de casa e da porta de ferro lá de baixo.
Aproximei-me da porta do quarto da Katarina para sair mas os guardas não pareciam ter gostado do desprezo que Katarina lhes havia dado pois continuavam a olhar para ela naquela maneira desconfortável.
Estendi a mão para a maçaneta e rodei-a, abrindo a porta. Não gostava nada de mostrar medo mas também não queria a minha mansão feita em pedaços por causa de duas criaturas daquele tamanho.
- Vamos passear, pequenos? - perguntei eu, tentando desviar-lhes a atenção.

Kevin
Localização: Mansão do Executor

A minha ameaça resultou! Eles ficaram com medo de mim e ainda bem! Esperava que agora tivessem mais algum respeito e não saíssem da linha (pelo menos Katarina, já que nós não temos ordens para cuidar de Draven). Pelo menos o dono da mansão era educado, Katarina simplesmente lançou um comentário frio e ignorou-nos, mas já Draven abriu a porta e convidou-nos a sair para irmos passear. Os meus olhos acalmaram e agora via-se simplesmente na minha cara negra os olhos a fazerem um "V" ao contrário de satisfação. Estava agora muito mais bem-disposto pois finalmente íamos sair daquela casa aborrecida!
- Pequenos! ((Vamos!)) - murmuramos os dois em uníssono enquanto saiamos da divisão.


Katarina
Localização: Mansão do Executor

Somos do quarto e fomos até ao piso inferior, os guardas pareciam terem-se acalmado, devem gostar de passear. No piso inferior esperei que Draven buscasse o que era preciso e dirigi-me para até à porta esperando por ele. "Espero que seja interessante." comentei. Draven sabia como empolgar uma multidão mas eu não era fã de execuções, preferia combate onde não se sabe como acaba.

Draven
Localização: Mansão do Executor

Fui então buscar os meus machados. Estes vinham dentro de uma mala brilhante e com veludo por dentro, onde estavam pousados. Só no início da execução é que os tirava para fora, se bem que enquanto esperava antes de entrar, por vezes, afiava-os.
De mala na mão, óculos de sol postos e blazer fechado, entrei na minha carruagem depois de fazer sinal a Katarina para o fazer. Karl foi imediatamente para o lugar do condutor.
Esperei que os guardas de Katarina entrassem e depois fechei a porta. Agora pensando bem: com aquelas criaturas sempre atrás dela, ia ser complicado arranjar-lhe uma execução às escondidas. E eu não queria ser alvo da raiva do Mestre Ashram.
A carruagem começou a andar, a caminho da prisão de Noxus.

Katarina
Localização Carruagem

Saímos da mansão e entramos na carruagem, estava mais aliviada ao saber que as criaturas estavam calmas e até contentes por irmos viajar, contudo o meu receio de ser vista em público ainda era algum. "Vamos ficar lá a almoçar ou... " perguntei, não sabia como estava a sua agenda mas esperava que não, gostava de relaxar um pouco mais e descobrir o que estava por de trás da porta metálica (sim ainda não desisti).

Draven
Localização: Carruagem

Sempre achara tranquilizante o barulho das patas dos cavalos a baterem nas pedras da rua. Apesar de nas execuções entrar em completo frenesim, gostava de relaxar um pouco antes de o fazer. Era um ritual que eu acabara por criar sozinho, sem me aperceber.
Entretanto, esse barulho foi interrompido por uma pergunta de Katarina.
- Eu costumo ir a restaurantes lá perto. E sim, eu preciso de ficar lá por perto porque vou ter duas execuções à tarde. Mas se quiseres ir para casa, podes ir. O Karl vai contigo. - respondi eu.
Ela que nem pense que eu a deixo sozinha na minha mansão.

Katarina
Localização Carruagem

Não gostei muito da resposta dele, se havia coisa em que não era famosa era nesses estabelecimentos, mas enfim, a ver vamos. Draven também iria ter mais execuções de tarde mas felizmente poderia ir para casa. "É, é melhor vir para casa depois." respondi. Não devia faltar muito para chegar

Draven
Localização: Carruagem

Pela sua conversa, Katarina só ia assistir à minha primeira execução.
- Então depois deixa os outros dois bilhetes que te ofereci com o Karl, se faz favor. Pode ser que ele ainda vá a tempo de os entregar à família. - disse eu.
Passados alguns minutos, começou a ouvir-se muito barulho e confusão vindo da rua. Olhei pela janela e vi pessoas com cartazes meus a gritar e a saltar. Realmente, Noxus sem as suas execuções não era nada. Queria fazer uma aparição mas se entrássemos pela porta da frente, as pessoas iriam ver que Katarina estava comigo. No entanto, havia sempre uma maneira de contornar a situação.
- Karl, deixa-me na entrada da frente. Depois dá à volta e vai deixar a Miss Du Couteau nas traseiras. Encontrem-me no primeiro andar. - disse eu.
Karl assentiu com a cabeça e aproximou-se da confusão de pessoas. Os guardas da prisão, que já estavam habituados a estas andanças, aproximaram-se e abriram a porta da minha carruagem. De mala na mão, saí para a rua com um enorme sorriso. Os guinchos femininos aumentaram e algumas tentaram mesmo aproximar-se. No entanto, os guardas faziam força para que ficassem contidas no mesmo sítio, fazendo uso das suas armaduras. Caminhei até à entrada enquanto acenava às pessoas que me tentavam alcançar e estendia a mão a algumas moças que conseguiam chegar mais perto.

Karl
Localização: Carruagem

Após deixar o Executor em frente à sua multidão de fãs, Karl levou a carruagem para as traseiras como lhe tinha sido pedido. Era por ali que entravam os prisioneiros, portanto existiam mais guardas que o normal. Felizmente, já conheciam a carruagem do Executor demasiado bem para fazer qualquer tipo de perguntas quando passaram.
Depois de deixar a carruagem num sítio seguro, Karl saiu e abriu a porta para a Miss Du Couteau sair. De seguida, aproximou-se dos cavalos e fez-lhes algumas festas enquanto lhes oferecia cenouras. Tinha também que ir buscar água para eles mas agora o mais importante era levar a Miss Du Couteau para o piso que o Executor pedira.
- Acompanhe-me. - disse Karl.

Katarina
Localização Carruagem

Estávamos mesmo a chegar quando Draven teve a brilhante ideia de sair na entrada principal, os guinchos que conseguia ouvir de fora vinham de raparigas histéricas que me davam cabe dos ouvidos, literalmente pior que qualquer tortura. Draven saiu e a carruagem continuou até às traseiras, Karl abriu-me a porta e eu saí acompanhando-o.
"Por favor, trate-me apenas por Katarina." disse em resposta ao Draven tratar-me por 'Miss', odiava esse tipo de cortesia, não tarda cortava-lhe a pila.

Draven
Localização: Prisão de Noxus

Entrei finalmente na prisão de Noxus. Tirei os óculos de sol e pendurei-os na gola da minha camisa. Subi então as escadas para o primeiro piso. Passados poucos minutos, lá estava Karl com Katarina.
- Vais agora para o camarote. Já não falta muito para a execução começar e ainda tenho de ir ver a ficha do prisioneiro. O Karl leva-te. - disse eu.

Karl
Localização: Prisão de Noxus

Parecia que a senhora não gostava de ser chamada pelo seu apelido. Guardando esse detalhe para si mesmo, Karl levou Katarina até ao primeiro piso como Draven lhe pedira. Este voltou a pedir-lhe que a acompanhasse até ao camarote. Era cansativo ter de fazer de ama seca de uma mulher já crescida, especialmente quando tinha outras responsabilidades para tratar. No entanto, as vontades do Executor tinham de ser atendidas.
- Acompanhe-me, senhora Katarina. - disse Karl, dando algum ênfase ao seu nome.
Levou-a então por alguns corredores que tinham diversas portas que davam para os sectores administrativos da prisão. Quando finalmente chegaram à zona da arena, conseguia-se ouvir os gritos da multidão que já se instalara nos seus lugares. Subiram umas escadas e entraram numa porta que estava guardada por dois guardas. E cá estava o camarote. Era uma divisão construída na pedra da arena, cavada para dentro entre os outros vários pisos de lugares para o povo. As cadeiras não eram de pedra como as restantes, mas sim voluptuosos sofás de veludo encarnado. Além disso, na mesa que se estendia ao longo da divisão podia-se encontrar diversos petiscos. Mais guardas se encontravam também espalhados pela divisão, especialmente perto da abertura que dava para a arena, onde não existia qualquer tipo de segurança de maneira a que a pessoa dentro do camarote conseguisse apreciar o espectáculo sem obstáculos. A vista também era fenomenal. Não estavam nem demasiado juntos à areia nem demasiado para cima, longe de tudo.
- Divirta-se, senhora Katarina.
Com esta última frase, Karl saiu e foi então tratar dos cavalos.


Katarina
Localização: Prisão de Noxus

Segui Karl até ao primeiro piso e fiquei surpreendida, quando subimos as escadas e passamos pelos guardas encontramos o camarote. Era uma divisão bastante grande com sofás e uma grande mesa cheia de petiscos. Aproximei-me logo da mesa e retirei um pequeno bolo se encontrava lá. Petiscando o bolo caminhei até à abertura que dava para ver a Arena toda e a visão era bastante diferente do que esperava, era magnifica e os gritos do púbico davam-me arrepios. Continuei então a petiscar enquanto esperava que o espectáculo começasse.

"Obrigada e igualmente." respondi a Karl.

Draven
Localização: Prisão de Noxus

Depois de deixar Katarina com Karl, fui até ao piso subterrâneo. Apesar da zona administrativa ser no primeiro piso, os arquivos estavam todos nos pisos inferiores, acompanhados pelas celas que se estendiam vários pisos abaixo da terra. A prisão de Noxus era conhecida por os prisioneiros só voltarem a ver a luz do sol antes das suas execuções.
Fui encontrar as fichas dos criminosos de hoje em cima da secretária onde eu me costumava sentar para as analisar. Peguei na primeira e comecei a lê-la.

NOME: JACKSON, MARTIN
IDADE: 52 ANOS
NATURALIDADE: NOXUS
CRIME: TRAIÇÃO
OBS: ABANDONOU A SUA UNIDADE DURANTE UM ATAQUE A IONIA DEPOIS DE RECEBER UMA CARTA DA FILHA A CONTAR-LHE QUE ESTAVA GRÁVIDA

Hoje ia ser fácil, portanto. Um soldado de Noxus que tinha abandonado a causa por saber que ia ser avô. Aqui em Noxus, só os mais fracos tomavam atitudes destas. E a fraqueza tinha de ser punida. Alguns destes casos não acabavam em execuções; no entanto, para este soldado encontrar assim o seu fim é porque provavelmente a sua decisão tinha tido consequências para com a sua unidade.
Pronto para dar início ao espectáculo, retirei os machados da mala brilhante e afiei-os durante alguns minutos. Só quando eles começaram a brilhar à luz das velas que me rodeavam é que os voltei a guardar. Subi então as escadas, indo para o piso que dava acesso directo à entrada da arena. Poucas pessoas tinham autorização para entrar nesta zona e os guardas eram mais que muitos.
Conseguia ouvir as pessoas a clamarem por mim. DRAVEN! DRAVEN! EXECUTOR! EXECUTOR! De sorriso na cara, entrei na arena e os gritos transformaram-se em palmas e pés a baterem no chão de pedra. Com os braços, gesticulei para que eles fizessem mais barulho. Só quando comecei a sentir o chão de areia a tremer por baixo dos meus pés é que fiz sinal para que todos parassem.
Já toda a gente sabia que as minhas ordens eram para cumprir, portanto o silêncio iniciou-se de repente, fazendo com que parecesse que o clamor ecoava ainda pelos nossos ouvidos, criado por fantasmas.
De outra porta saiu o prisioneiro. Tinha sido despojado da sua armadura e contava apenas com uma túnica meio rasgada e suja para tapar as suas partes íntimas. Dava para perceber, no entanto, que já tinha uma barriga inchada da idade e do sedentarismo. Este homem já há muito tempo que queria deixar de ser soldado. A perspectiva de um neto fora apenas a desculpa perfeita para o fazer. Infelizmente, escolhera uma má altura e um mau capitão, provavelmente.
- Povo de Noxus, estamos hoje aqui reunidos para limpar as barbas e as banhas deste homem. Martin Jackson era um soldado de Noxus, destacado para um ataque a Ionia. - o silêncio reinava na arena e a minha voz era a única coisa que se ouvia. - Gordo e seboso, já se deixara seduzir pela vida fraca que tinha há muito tempo. Queria desistir. Queria passar o resto dos seus dias sentado no seu sofá a lamber os dedos gordurosos. A oportunidade perfeita surgiu quando a sua filha ficou grávida e soube que ia ser avô. Mas sabem o que vos digo? O soldado Jackson não queria realmente saber desta criança. O soldado Jackson queria apenas salvar a sua pele de galinha. E que galinha!
As gargalhadas ecoaram pela arena. O homem tremelicava no mesmo sítio enquanto olhava para o chão. Os seus pulsos e os seus tornozelos estavam em ferida, provavelmente devido às algemas que o tinham prendido até ao dia de hoje. Parecia estar com medo de olhar para mim. Óptimo! Os cagões eram sempre os mais engraçados.

Draven
Localização: Prisão de Noxus

- E para salvar a sua pele de galinha, o soldado Jackson deixou toda a sua unidade à mercê dos Ionianos. - cuspi no chão.
Ouvi o barulho de várias pessoas a fazerem exactamente o mesmo que eu. Felizmente a arena não era um espaço fechado senão alguém ia perder muito tempo a lavar o chão e a tirar o cheiro do edifício. Mas eu já sabia o quão fácil era levar o meu público a seguir-me nos meus insultos aos prisioneiros.
- Soldado Jackson, estás a ver a outra ponta da arena? Do outro lado da porta está o teu neto à tua espera. Do outro lado da porta está a vida sedentária que tanto sonhavas. Corre e agarra-a!
O homem não saiu do mesmo sítio. Olhava para o chão e tremia descontroladamente.
- Queres que te mate mesmo aí? - perguntei eu. - Acredita que se o fizer será de forma lenta...
De repente, um cheiro nauseabundo infiltrou-se nas minhas narinas. O homem tinha-se cagado! À frente de toda a gente na arena! A sua túnica começou a ficar castanha e eu desatei a rir à gargalhada. A multidão rapidamente apercebeu-se o que se tinha passado e começaram todos a rir-se também.
Enquanto a onda de gargalhadas corria todos os pisos, abri a minha mala brilhante e tirei de lá de dentro os dois machados brilhantes. Quando o homem os viu, começou a gemer e a correr na direcção que eu lhe tinha apontado. Enquanto o fazia, gotas castanhas caíam pelas suas pernas abaixo. Ainda por cima tinha sido diarreia. Que belo começo de execuções depois de umas quantas semanas fora!
Ao verem o homem finalmente a correr, a multidão fez silêncio. Só se ouvia os gemidos do soldado a tentar alcançar a porta que eu lhe indicara e a liberdade ilusória que todos acabavam por ter. Eu virei-lhe costas e fiz sinal à multidão para começarem a bater com os pés novamente. Depois de o chão começar novamente a tremer, coloquei-me em posição e fiz pontaria às costas do homem. Atirei o meu primeiro machado, que cortou o ar a girar e se espetou nas costas do homem, fazendo-o cambalear com o impacto. Dei um mortal para a frente e atirei o segundo, que foi a girar de lado. Este cortou a cabeça do homem de uma só vez. A cabeça rolou para o chão e o corpo tombou finalmente na areia, enchendo-a de sangue. A multidão gritava e batia com os pés no chão, em completo frenesim com mais uma execução. Peguei nos meus dois machados e levantei-os no ar, com sangue a pingar.
DRAVEN! DRAVEN! DRAVEN! EXECUTOR! EXECUTOR! EXECUTOR!
Fiz uma vénia finalmente e apercebi-me que nem acabara por sujar o meu fato branco por isso podia continuar a usá-lo à tarde. Guardei os machados dentro da mala brilhante e saí da arena, enquanto acenava aos meus fãs. Atrás de mim, os guardas entravam para ir apanhar o corpo e dar uma mangueirada na areia coberta de sangue.

Kevin
Localização: Prisão de Noxus

Finalmente um passeio e ainda para mais íamos ver um espectáculo! Que tipo de espectáculo seria? Magia? Acrobacias? Não importava, de certeza que ia ser muito melhor do que a seca daquela mansão!
Fomos numa carruagem até ao destino. Draven saiu mas a prisioneira só iria sair mais à frente noutro local mais calmo. Levei as mãos ao capuz como que a tapar as minhas orelhas feitas de fumo negro para evitar ouvir aquela gritaria toda irritante. Depois de finalmente sairmos noutro local, Katarina seguiu até a um camarote todo bem arrumado e com petiscos com vista para uma grande arena.
- Igualmente igualmente? ((Vamos ver uma corrida de cavalos?)) - perguntei a Stuart e ele limitou-se a encolher os ombros.
Bem que me enganei. Não era magia, acrobacias ou cavalos... Draven entrou na arena e a seguir a ele entrou um homem em muito mau estado. As palavras de Draven arrepiaram-me. Que ele iria fazer àquele pobre homem? A resposta chegou pouco depois quando ele pediu para o pobre Jackson correr, atirando-lhe com um machado nas costas e outro a seguir decapitando o homem, sem dó nem piedade.
Se tivesse uma boca, esta estaria completamente aberta de espanto. Porquê é que os invocadores não pediram para vigiar aquele homem também? O que ele fazia era horrível! Não devia de matar assim as pessoas sem defesa alguma. Olhei para Stuart e reparei que ele encontrava-se igualmente espantado. Possivelmente estava a pensar no que faríamos se fosse Draven quem tivéssemos que vigiar...

Katarina
Localização: Prisão de Noxus

Enquanto esperava que começasse fui buscar um copo com uma bebida tradicional Noxiana e voltei para o meu lugar. Assim que o Draven entrou na arena o público berrou o seu nome, confesso que fiquei arrepiada, parecia que a cada dia atraia mais pessoas. De um lado da arena estava Draven e do outro lado o pobre coitado. Draven começou por contar o porquê de aquele homem ser executado, parece que ele tinha sido um soldado Noxiano que traiu o nosso povo ao desistir e a abandonar os colegas contra os Ionianos, mas que cobarde. Dando pequenos golos na minha bebida ia observando com atenção, como era de esperar Draven gostava sempre de tornar as execuções interessantes e desta vez deu uma (falsa) esperança ao dizer para ele correr até à porta da arena. Não é que o homenzinho que já tremia por todos os lados foi-se borrar ali mesmo, levei a minha mão à cara e abanei a cabeça suspirando. Se havia pior maneira de morrer era morrer humilhado, mas o coitado não desistiu. Ao fim de algumas risadas do público o prisioneiro começou a correr na direcção da porta deixando atrás de si um rasto, digamos, de dignidade. Draven não perdeu tempo e lançou os seus machados, um acertando nas suas costas e o outro acabando com a sua miséria com uma decapitação.

O público vibrava gritando por Draven e eu simplesmente não percebia qual era a piada, matar alguém a troco de umas meras palmas, em nome de um espectáculo sanguinário e humilhante, acho que ninguém gostaria de estar nessa situação. Mas também eu nunca fui uma pessoa que gostasse de ser o centro das atenções, já ao Draven, enchia-lhe o ego. Tudo aquilo aborrecia-me, não tinha piada, se era para executar acabava logo com ele e pronto, agora se fosse para dar um bom espectáculo era dar ao prisioneiro algum tipo de armamento e tornar aquilo num combate, numa luta pela sua vida onde o ser humano era levado ao extremo, ao menos aí morria a lutar pela sua vida e não com o cu cheio de merda, aí sim era capaz de ir ver, mas o Draven não ia gostar, prefere as coisas facilitadas, aposto que não durava um minuto em combate contra alguém como eu.

Terminei a minha bebida e virei as costas à arena preparando-me para abandonar . "Vamos embora." disse para os pequenos guardas enquanto caminhava para a saída, tendo em atenção para não soar como uma ordem. Saí do camarote e desci as escadas, percorri os corredores da prisão e cheguei à carruagem, iria esperar por Karl ali. "Já chega de espectáculos por hoje não?" perguntei para os pequenos guardas que pareciam terem gostado tanto como eu.

Draven
Localização: Prisão de Noxus

Já fora da arena e dentro do recinto da prisão, Karl estava à minha espera com uma garrafa de água gelada e um bombom de chocolate com avelã. Depois daquela adrenalina, ou dava uma bela foda ou comia um chocolate para me acalmar. Se bem que, com a Katarina em casa, talvez a primeira hipótese não estivesse fora de cena.
Bebi a água e fui descendo as escadas com ele.
- Então, viste a execução? - perguntei eu.
- Desta vez não, tive a cuidar dos cavalos. Mas a minha família vem às da tarde. - respondeu Karl.
- Então não fazes a mínima ideia se a Miss Du Couteau gostou...
- Não sei, senhor. Aliás, já passei pelo camarote e ela não se encontra lá.
De sobrancelha arqueada, não gostei muito daquela informação que ele me tinha dado. Já não faltava muito para a hora de almoço e Katarina não conhecia muito da prisão, por isso, provavelmente, devia estar perto da carruagem. Se bem que era uma decisão insensata andar por ali sem a minha companhia. Os guardas podiam começar a fazer perguntas às quais ela não queria responder.
Quando chegámos perto da carruagem, vi-a. Aproximei-me e coloquei a minha mala dentro da carruagem.
- Então, não gostaste do que viste? - perguntei eu.

Kevin
Localização: Prisão de Noxus

Katarina não parecia muito impressionada com o espectáculo, mas mesmo assim só nós os dois é que parecíamos chocados com aquilo tudo. Nem reparamos que Katarina se tinha levantado para ir embora até ela nos chamar. Fomos então um de cada lado acompanha-la de volta à carruagem. Uma vez na carruagem, Katarina perguntou se já chegava de espectáculos por hoje, no que nós os dois dissemos chocados:
- Não! Não! Não! ((Sim! Sim! Sim!)) - ao mesmo tempo que acenávamos a cabeça em concordância.
Nisto chegou Draven e perguntou se a Katarina tinha gostado do que viu. Eu fixei o olhar em Draven, cruzei os braços e disse num tom assombroso:
- Não!

Katarina
Localização: Prisão de Noxus

Os pequenos abanaram a cabeça a concordar comigo, independentemente de terem dito não, (já estava familiarizado com o seu tipo de fala) ambos já não queriam ver mais espectáculos.
Entretanto chegou o Draven com Karl perguntando se tinha gostado do que vi enquanto arrumava a sua mala. "Um homem decapitado todo cheio de bosta? Estava à espera de melhor." respondi-lhe fazendo uma pausa seguido de um riso perante a resposta do pequeno guarda. "Prefiro quando a coisa é equilibrada. Pra mim ficava mais interessante se fosse mais ao estilo de um combate entendes? Agora matar um merdas indefeso é aborrecido, pelo menos pra mim. Mas e agora quê, vamos almoçar?" perguntei.

Draven
Localização: Prisão de Noxus

Com Katarina tudo se resumia a um combate cada vez que falávamos nos meus espectáculos. Suspirei, um pouco frustrado.
- Quando és contratada para assassinar alguém, a pessoa em questão também não está preparada para contrariar os teus planos. Não entendo porque é que não encaras a Execução como um assassínio que, na verdade, foi pedido pelo Estado. - disse eu. - Quem escolhe quem morre e quem vive não sou eu. Eu simplesmente faço o trabalho sujo. Não sou assim tão diferente de ti.
Karl entretanto já estava a colocar-se em posição para irmos para o restaurante.
- E sim, vamos almoçar. - respondi eu.
Entrei dentro da carruagem e esperei que ela entrasse também, mais os seus guardas-costas.

Katarina
Localização: Carruagem

Draven parecia frustrado e eu não percebia o porquê, mas numa coisa tinha razão, o trabalho "sujo" estava nas nossas mãos.
"É meio-meio quase, vê..." fiz uma pausa suspirando para aquela cabeça de amendoim queimado compreender e continuei. "Há casos e casos, quando eles não estão preparados pra mim é só mais um trabalho mal pago e aborrecido. Existe também pedidos de pessoas ricas para quem lhes deve dinheiro, esses aí até já estão à espera e ainda se tentam defender mas enfim, é como roubar o doce a uma criança, são raríssimas as lutas que me dão adrenalina e às vezes isso leva-me a exaltar quando não devia, não é à toa que carrego a minha cicatriz.. Não é que não considere Execução um assassínio simplesmente são feitas de maneiras diferentes e não acho que se deva colocar tudo no mesmo saco. " disse-lhe entrando na carruagem. Estava na hora do almoço e mal podia esperar para encher a barriga com algo.

"E, Execução é legal, assassinato...nem tanto, aliás também envolve bastante planeamento e preparação, entendes? E a não ser que sejas conduzido por um instinto intenso de assassinar alguém, somos bastante diferentes Draven..." rematei.

Draven
Localização: Carruagem

Depois de ela entrar na carruagem enquanto tentava contornar a perspectiva que eu lhe dera, fiz sinal a Karl para arrancar. Tinha bebido a minha água e comido o meu bombom. Mas estava cheio de fome; sentia-me assim especialmente depois da matança.
A carruagem começou então a andar e eu dei um jeito ao cabelo, enquanto olhava lá para fora através das cortinas.
- Se eu não tivesse sede de matar este trabalho não era para mim. - disse eu, em resposta ao que ela acabara por dizer.
Não me sentia na obrigação de lhe justificar o porquê das Execuções serem assim. Aliás, oferecer armas aos prisioneiros era o mesmo que lhes dizer que podiam tentar provar que eram inocentes quando a pena de morte já tinha sido abatida sobre eles. Não seria isso ainda mais cruel?
Com isso em mente, visto que quanto mais cruéis as coisas se tornassem mais apetitosas eram para mim, comecei a magicar como seria se experimentasse aquela teoria no próximo prisioneiro.
Entretanto, a carruagem parou. Abri a porta, sentindo imediatamente o cheiro característico do restaurante. Ali faziam-se pizzas espectaculares e a minha barriga já estava a queixar-se só de sentir o cheiro.
Esperei que Katarina e Karl se juntassem a mim e entrei no restaurante.

Katarina
Localização: Carruagem

A viagem não durou muito, a carruagem tinha parado e o cheiro a comida já se fazia sentir deixando-me a salivar, saí da carruagem e segui Draven até ao restaurante, e por estranho que pareça as pessoas pareciam não ligar ou notar na minha presença.
"Tens de experimentar, dar uma arma ao prisioneiro na próxima execução, dar-lhe aquela falsa esperança antes de morrer, sem dúvida seria mais interessante do que matar um boneco." comentei com Draven, mas tomara ele que não apanhasse um ex-soldado experiente ou iria ter alguns problemas.

Draven
Localização: Restaurante

Mal entrámos, os empregados reconheceram-me imediatamente, fazendo-me sinal para os seguir. Normalmente eles tinham sempre uma mesa reservada para mim numa zona mais reservada do restaurante para que os mais curiosos não interrompessem a minha refeição.
Seguimos-los e sentámos-nos numa mesa para quatro pessoas. Peguei no cardápio e passei-o para Katarina pois eu já sabia perfeitamente o que queria.
- Essa ideia não era má. - disse eu, retomando a conversa. - Mas apesar de eu ser o Executor, há regras que não posso ignorar. E não me parece que queiram dar armas aos prisioneiros, por muito engraçado que isso seja.

Katarina
Localização: Restaurante

Quando entramos no restaurante fomos rapidamente para uma zona reservada e sentámos-nos numa mesa para quatro, Draven passou-me a ementei e dei uma rápida vista de olhos sobre as várias comidas. "Pra mim vai ser uma pizza de bacon." disse devolvendo o menu. A conversa retomou e Draven concordou com a minha ideia, adoçar aquelas execuções, apesar de ele já tornar a execução tradicional "animada", para mim continuava super aborrecida.

"Se calhar porque acham que podias perder, caso dessem armas aos prisioneiros ahahaha és assim tão fraco Draven?" disse-lhe soltando um riso piscando o olho de seguida, ele sabia que não estava a falar a sério, mas se calhar até era essa a razão.

Draven
Localização: Restaurante

Katarina escolheu o que queria e eu fiz o mesmo. Já tinha experimentado todas as pizzas que eles tinham e gostava de ir rodando cada vez que lá ia. Hoje tinha escolhido a que tinha bacon, chouriço e extra queijo.
A piada de Katarina fez-me soltar uma pequena gargalhada. Entretanto o empregado trouxe-nos as bebidas. Dei um pequeno gole na minha cerveja, tendo o cuidado de não deixar espuma no bigode.
- Acho que o problema deles é darem a reconhecer ao público que fornecemos armas aos criminosos, mesmo que seja só para lhes proporcionar um espectáculo. - acabei eu por responder.

Katarina
Localização: Restaurante

Apesar da resposta dele continuava a achar que era porque tinham medo que Draven perdesse. Enquanto esperávamos pela comida chegaram as bebidas, dei um golo na minha e devido ao gás soltei um pequeno arroto tapando a boca com a mão, não era normal ser assim pois normalmente quando estava entre amigos chegados era ver quem mandava o arroto mais alto mas como não estava era preciso ter um mínimo de educação.

"Então davas algo que não fosse uma arma, tipo...um pau. Olha um prisioneiro a tentar bater-te com um pau havia de ser lindo ahaha" disse soltando outro riso, só de imaginar um prisioneiro a correr atrás dele com um pau na mão dava-me vontade de rir.

Draven
Localização: Restaurante

- Acho que isso ainda era mais deprimente. - disse eu, tentando imaginar a cena toda.
Entretanto, o empregado apareceu com as três pizzas. Karl mantinha-se em silêncio, como sempre. Ele sabia quando é que devia dar a sua opinião ou não.
- Bom apetite! - exclamei eu.
Contente com o meu almoço, comecei a saboreá-lo o máximo possível.

Katarina
Localização: Restaurante

Mais deprimente do que já era também era um pouco difícil mas pronto também não julgo, os prisioneiros se estão a ser executados é porque alguma fizeram mas gostava de ver do que alguns eram capazes de fazer.
De repente chegaram as pizzas e retirei logo uma para mim. "Bom apetite" exclamei.
Ao fim de algumas dentadas virei-me para Karl, que ainda não tinha dito nada e perguntei-lhe: "E tu Karl, não achas que ficaria mais interessante dar uma uma falsa esperança aos prisioneiros?"

Karl
Localização: Restaurante

Karl sabia que a família da senhora Katarina fazia parte de uma ordem de assassinos. Desde a primeira vez que Draven dissera o seu apelido que ele se sentira assustado. No entanto, ele sabia que o Executor o iria proteger se algo acontecesse; não só por precisar dos seus serviços mas também porque já tinham desenvolvido uma relação de amizade silenciosa entre os dois passados tantos anos a conviverem.
Com esse pensamento em mente, Karl não se deixara abalar quando apanhara Katarina a vasculhar pela casa. No entanto, a pergunta que ela agora lhe estava a fazer podia ser uma armadilha.
- O Executor já lhes dá a falsa esperança de que vão conseguir chegar à saída. - respondeu Karl. - Uma vez deixou um homem abrir a porta e tudo. E depois matou-o. Apesar de todos sabermos que ele não os vai deixar fugir, o medo que eles trazem dentro de si deixa-os criar todos os tipos de ilusões que lhes forem postas à frente. As armas podiam causar muitos problemas internamente. As famílias nobres iriam começar a questionar-se acerca dos métodos usados pela prisão de Noxus. A menina devia sabê-lo, visto vir de uma dessas famílias.

Katarina
Localização: Restaurante

Enquanto ouvia Karl fui dando várias dentadas na saborosa pizza, porém o gosto virou um pouco amargo devido às últimas palavras dele, dessas famílias, não percebi o que ele quis dizer com aquilo, espero que não esteja a colocar a minha família no mesmo saco do que as outras.

"Pff... A minha família claramente apoiaria, e até poderíamos fornecer umas armas simples só para dar mais trabalho ao menino Draven... " fiz uma pausa pegando numa nova fatia e continuei. "Sabe o que é a Adrenalina certo Karl? É como uma droga, se for produzida da mesma forma o corpo habituasse. Matar alguém dá sempre alguma adrenalina mas quando é repetido vezes sem conta é preciso arranjar formas de tornas as coisas interessantes e chega a um ponto que já se torna um tédio, quase como caçar um animal indefeso. Experimente caçar uma lebre e depois caçar um javali, aqueles sacanas mesmo sabendo que vão morrer querem luta. Eu cá para mim continuo a achar que o Draven não sabe é lutar ahaha ." disse com um riso provocador para o Draven.

Draven
Localização: Restaurante

Katarina vivia para me provocar, isso não tinha sombra de dúvida. Será que tinha feito bem em trazê-la para a minha mansão? Mostrar-lhe um pouco da minha vida era dar-lhe alguma vantagem sobre mim, visto que apesar de conhecer bem a ordem de assassinos ao qual a sua família pertencia, eu não sabia nada sobre eles. Ou sobre ela. E isso tinha que mudar.
- Ainda iremos lutar um dia destes para te provar que estás errada. - disse eu, calmamente enquanto comia. - Mas agora tu, Katarina... Quando e como é que aprendeste a lutar?
Estava na altura de a conhecer melhor.

Katarina
Localização: Restaurante

Gostei do que o Draven disse mas se ele me conhecesse bem sabia que não tinha hipóteses, entretanto perguntou-me como é que tinha aprendido a lutar, tal pergunta fez-me recordar a minha infância. "Desde pequena que demonstrei um talento natural para o combate, ser filha de um general noxiano fez com que fosse rigorosamente treinada pelos melhores assassinos de Noxus, sendo o meu pai o melhor deles. Por isso Draven se quiseres que te ensine umas coisas já sabes!" disse novamente em tom de o provocar.


Última edição por Sanguinia em Seg Out 15, 2018 9:54 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Admin
Mensagens : 41
Data de inscrição : 30/09/2018
Ver perfil do usuário

Re: Noxus

em Ter Out 09, 2018 11:27 pm
Draven
Localização: Restaurante

Katarina estava inspirada nas suas provocações. Felizmente, eu hoje estava super bem-disposto face a ter voltado às Execuções. Irritava-me um pouco que ela estivesse constantemente a criticar a minha profissão mas pelos vistos fazia mesmo parte do feitiozinho de merda dela.
A sua resposta tinha-me dado algumas informações; nada de especial mas era melhor que nada.
- Se eu não estivesse com vontade de aprender não estava a fazer nada na Academia, não achas? - perguntei eu, de maneira retórica. - Se bem que prefiro ser ensinado pelos invocadores.
Terminei a minha pizza e dei um último golo na minha cerveja. Cruzei os talheres e esperei que eles os dois terminassem para pedir a sobremesa.

Katarina
Localização: Restaurante

Draven tocou num ponto fulcral, também tinha entrado para a Academia para aprender mas até agora ainda nada.
"Também entrei com esse objectivo mas até agora com os invocadores ainda não aprendi quase nada, talvez pelo facto de não matar-nos nada ainda. Só espero que no futuro lutemos uns contra os outros, tenho uns assuntos a ajustar... " disse fechando o punho começando a ficar irritada só de pensar em Syndra, aquela vaca iria ter o que merecia.

Acabei de comer a última fatia bebendo o que restava da bebida de penalti e soltei um enorme arroto, "Foda-se este saiu forte!" disse já cagando-me para as boas maneiras. "Já podes pedir a sobremesa." continuei.

Draven
Localização: Restaurante

Sim, os invocadores ainda não nos tinham colocado literalmente em acção. No entanto, até eu reconhecia que todo o tipo de arte, incluindo a de matar, precisava das suas bases. Mas não me apetecia armar-me em filósofo com Katarina; com certeza que ela também tinha noção disso, especialmente sendo ela uma assassina.
Ouvindo-a a arrotar, puxei um arroto ainda maior para lhe mostrar quem mandava aqui, rindo-me logo de seguida. Felizmente estávamos num sítio resguardado do restaurante senão eu nem sequer tentava uma coisa daquelas. Apesar da brincadeira, eu não tinha deixado de reparar que ela estava a guardar as suas lâminas para alguém.
- Não me digas que em tão pouco tempo já arranjaste inimigos na Academia... - disse eu, à espera que ela desenvolve-se.
Entretanto passou o empregado de mesa com a carta das sobremesas. Passei-a a Katarina pois, mais uma vez, eu já sabia o que queria.

Katarina
Localização: Restaurante

O empregado chegou e passou a carta com as sobremesas, abri e pedi a primeira coisa que apareceu, um creme com crocante de amêndoas, nem sei se gostava daquilo nem me importava estava com as atenções viradas para outra coisa.
"Não é inimigos, é assuntos por resolver, numa palavra: Syndra. Desde aquela merda no refeitório que já não a via com bons olhos, depois mais a outra merda no jantar, pronto passei-me, apanhei-a noutro dia sozinha no ginásio e fui esclarecer contas, escusado será dizer que as coisas não acabaram bem..." disse irritada fazendo uma pausa para recuperar o ar.

Draven
Localização: Restaurante

Depois de Katarina fazer o seu pedido, Karl pediu apenas um café para si e eu pedi o mesmo que pedia sempre: um cookie dough. Era uma bolacha do tamanho de um prato, mal cozida, com pepitas de chocolate e gelado por cima. Era uma bomba de calorias mas eu estava em forma e estava sempre a queimar os açúcares que vinham a mais para o meu corpo com os meus treinos.
Ouvi com atenção o que ela estava a explicar e arqueei uma das minhas sobrancelhas.
- Não entendo como é que qualquer coisa que ela tenha feito e que não te tenha implicado faz com que tenhas de ajustar contas. Ela não se meteu directamente contigo. - comentei eu. - Se calhar andas a meter o nariz onde não és chamada.
O empregado apareceu com as nossas sobremesas e o café de Karl. Quando vi aquele prato à minha frente, quase que gemi de prazer. Que saudades da comida deste restaurante!

Katarina
Localização: Restaurante

Assim que o empregado chegou com as sobremesas, agarrei uma colher e comecei logo a comer a minha. "Nem foi mais por isso, houve algo nela que me despertou curiosidade. Quando a encontrei no ginásio naquele dia ela estava mais... 'mansa', nem parecia a mesma, e foi quando a provoquei que ela se passou dos cornos e literalmente destruiu o ginásio, eu estava a preparar-me para reagir quando apareceu Vessaria a estragar a festa, enfim, ao menos que deixasse as coisas acabarem antes de dar o castigo, e pronto graças a isso vieram aqueles 2 comigo. Mas digo-te, há algo nela que não bate bem. " disse comendo rapidamente a sobremesa.

Draven
Localização: Restaurante

Katarina tentou explicar-me a sua perspectiva enquanto eu comia a minha sobremesa em puro êxtase.
- Bem... Lá que há algo ali que não bate bem, concordo contigo. - disse eu. - Na noite da festa de Natal eu e ela demos uma queca bem dada na Lavandaria. No dia a seguir parecia que nem sequer me conhecia. Pensei que talvez fosse daquelas que se armam em difíceis, percebes? Mas depois falei no que tinha acontecido e ela ficou super assustada. Recebi um aviso da parte da Miss Vessaria para me manter afastado e tudo. Era como se...
Nada que eu já não tivesse feito antes. Mas Katarina não precisava de saber isso por isso fiz um ar chocado:
- Era como se eu a tivesse violado! O que não faz sentido nenhum! Ela quis tanto quanto eu! - exclamei eu.

Kevin
Localização: restaurante

Eu e o Stuart mantivemo nos sempre em silêncio durante todo o almoço. Estávamos posicionados um de cada lado de Katarina de costas para eles. Não havia muito para ver e como nós não sentíamos fome ou apetite, não precisamos de comer. No entanto era aborrecido estar ali e isso dava cabo de mim. Stuart aproveitou para dormir novamente, já que era seu hábito, enquanto eu esperava que eles terminasse pensando onde iríamos da parte da tarde.
Katarina começou a contar uma história que me era familiar o que me fez prestar-lhes atenção: foi quando Katarina andou à porrada com Syndra fazendo com que eu e Stuart tivéssemos que a vigiar. Porque raio meteu-se ela naquela alhada? Eu dava tudo para sair dali. De qualquer das formas, quando ela chegou à parte do motivo de nós estarmos ali, virei-me para eles e levantei o braço de modo a cumprimenta-los.
- Bem bem! ((Sou eu!))
No entanto Stuart continuava a dormir de costas para eles.


Katarina
Localização: Restaurante

Fiquei a ouvir o que o Draven dizia e se não tivesse tido o meu confronto com Syndra naquele dia diria que ele tava a mentir. "Não vou comentar o facto de terem pinado mas agora Miss Vessaria avisar-te para te manteres afastado e ela depois não saber o que se tinha passado é sem dúvida estranho e eu também notei numa coisa... " fiz uma pausa e continuei "... Quando a confrontei notei que ela não tinha as suas esferas consigo e também não se lembrava do que tinha acontecido no refeitório, o que me irritou ainda mais, foi só quando gritei com ela que ela se 'transformou' e virou a verdadeira Syndra destruindo o Ginásio Ah e mais..." disse fazendo outra pausa para terminar a sobremesa. "Outra coisa que achei estranho foi a maneira que a Miss Vessaria falou para ela, qualquer coisa de 'Esse corpo não é somente um corpo' não percebi, e depois ainda dá-me o castigo de limpar sanitas quando a ela é o jardim, para não falar de me ter atacado quando lhe virei as costas, enfim, aquela Syndra é tudo menos normal o que só me dá mais vontade de lutar contra ela. " terminei observando a maneira parva de como um dos guardas se virou e levantou o seu pequeno braço como se estivesse a dizer 'Presente'.

Draven
Localização: Restaurante

A informação que Katarina me estava a dar era preciosa; mais do que eu pensava ao início. Não queria tomar conclusões precipitadas mas... seria Syndra duas pessoas? Era uma teoria interessante. Deveria partilhá-la? Ainda não sabia dizer...
- Isso é realmente estranho... - acabei eu por comentar, sem saber como continuar aquele assunto.
Terminei a minha sobremesa e fiz sinal ao empregado para trazer a conta. Eu pagava sempre tudo, inclusive a parte de Karl e dos meus convidados.


Katarina
Localização: Restaurante

"Estranho!? Estranho é favor! " disse recolhendo os últimos pedaços da sobremesa com a colher.
As esferas, a maneira de falar, os avisos de Vessaria, Syndra não se lembrar do que aconteceu, como é que isto se relacionava? Estava a tentar encaixar as peças do puzzle mas não estava a conseguir, era impossível haver 2 Syndras por aí pois ela transformou-se mesmo à minha frente, estava confusa.
"A única razão lógica era haverem duas delas, como clones, mas isso é impossível pois vi ela a virar de mansa para passada dos cornos mesmo à minha frente, não entendo..." disse em modo pensativa tentando encaixar as peças.

Draven
Localização: Restaurante

Katarina parecia estar a aproximar-se da mesma teoria que eu. Mas aquele assunto era algo que tinha de ser resolvido de volta à Academia, onde estaria Syndra e lhe poderia perguntar directamente.
Entretanto o empregado apareceu com a conta e dei-lhe o dinheiro, depois de o contar. Andava sempre com muito dinheiro na carteira quando era dia de Execuções. Sabia-se lá se não iria haver uma festa ou outra coisa qualquer.
Já satisfeito, levantei-me.
- Vamos andando. - disse eu.

Katarina
Localização: Restaurante

"...mas caguei." disse revoltada com o assunto.
Entretanto o empregado chegou e a conta foi paga, estava na hora de ir embora, iria aproveitar para finalmente descansar. De seguida levantei-me e segui Draven até à saída.

Draven
Localização: Carruagem

Saímos do restaurante e voltámos a entrar na carruagem. Ia ter agora outra execução.
- Sempre vens a esta também ou queres que o Karl te leve a casa? - perguntei eu a Katarina.

Katarina
Localização: Carruagem

Entramos na carruagem e Draven perguntou-me se ainda ia assistir a mais uma execução, ainda pensei em mudar de ideias mas é melhor não, ainda adormecia lá.
"O Karl leva-me a casa." disse rapidamente. "Preciso de descansar, e não te preocupes não vou bisbilhotar nada." respondi-lhe.

Draven
Localização: Carruagem

Acenei perante a resposta de Katarina. Karl já sabia como ia funcionar a partir dali. Ele fez os cavalos começarem a andar e desta vez deixou-me na entrada alternativa e escondida da prisão de Noxus. Acenei aos dois e vi-os a partirem, entrando de seguida dentro do edifício cinzento, pronto para preparar a minha próxima execução.

Karl
Localização: Carruagem

Depois de deixar o Executor na prisão de Noxus, Karl dirigiu-se para a mansão. Antes de chegarem, no entanto, parou a carruagem em frente à sua casa.
- É só uns minutinhos, senhora... - quase que usava o seu apelido. - ...Katarina.
Saiu da carruagem e subiu até ao andar onde era a sua habitação. Entrou em casa e foi encontrar a sua mulher a lavar a loiça do almoço. A sua filha não parecia estar em casa ou então estava fechada no quarto.
- Trouxe bilhetes para a execução antes do pôr-do-sol. Mas hoje não posso ir convosco, tenho a convidada do Executor para tomar conta. - disse Karl, depositando um beijo na bochecha da sua amada.
- Tu tem cuidado com ela! Não gostei nada da mulher! Tens a certeza que estás em segurança sozinho com ela naquela casa enorme? - perguntou Marian.
Sem Draven em casa obviamente que estava mais desprotegido. No entanto, Karl já tentara esquecer o apelido de Katarina e agora queria focar-se simplesmente em não deixá-la bisbilhotar e mostrar-lhe que não tinha medo.
- Não te preocupes, o Executor nunca me deixaria sozinho com ela se não soubesse que eu ficaria bem. - respondeu Karl.

Katarina
Localização: Carruagem

Draven acenou com a cabeça e parti-mos então em direcção à prisão de Noxus. Ao fim de o deixar lá fomos até à mansão onde Karl parou mesmo antes de chegar saindo de seguida, provavelmente para visitar a sua família. "Não demore." comentei mesmo antes de ele sair.

Karl
Localização: Carruagem

Karl despediu-se da mulher e deixou os bilhetes em cima da mesa da sala de estar. Saiu então novamente, descendo até à carruagem, onde Katarina aguardava. Fez os cavalos caminharem calmamente até à porta da mansão do Executor, pois não valia a pena estar a obrigá-los a cansarem-se por causa de apenas alguns minutos de viagem, e depois abriu a porta da mansão para Katarina poder entrar.
- Eu já vou, tenho que tratar dos cavalos. - explicou Karl.
Deixando a porta de entrada aberta, começou a tratar deles.

Katarina
Localização: Quarto Katarina, Mansão

Karl voltou e continuamos até paramos à porta da mansão. Entrei na mansão, e enquanto Karl foi tratar dos cavalos eu dirigi-me até ao meu quarto. Mal entrei atirei-me para cima da cama, no meio das almofadas, e espreguicei-me toda, a verdade é que não fazia a mínima ideia do que fazer. Olhei para a porta entreaberta e estavam lá os pequenos guardas à entrada a olharem para mim como se estivessem à minha espera.
"Escusam de ficar aí especados, vão morrer de tédio, eu vou ficar aqui a descansar, não me incomodem. " Disse-lhes levando uma almofada à cara, quem ia morrer de tédio era eu.

Kevin
Localização: Quarto de Katarina, Mansão

Eu e Stuart não sabíamos ao certo se deveríamos entrar ou não no quarto de Katarina. A porta estava aberta e esperávamos que ela nos mandasse embora, ou não. Ela só disse que íamos morrer de tédio, coisa que eu já estava farto de fazer.
- Incomodem... ((Outra vez...)) - comentei mesmo sabendo que possivelmente ela não nos entendia.
Havia um sofá no quarto e eu olhava para ele com desdém. Stuart também o fazia, possivelmente iria adorar dormir uma sesta lá. Sempre seria melhor do que estarmos em pé do lado de fora do quarto!
- Incomodem incomodem? ((Será que nos podemos sentar aqui?)) - perguntei eu enquanto avancei quarto dentro apontando para o sofá.

Katarina
Localização: Quarto Katarina, Mansão

Estava à espera que eles fossem embora mas graças à minha educação de não lhes fechar a porta na cara os guardas devem ter entendido que podiam entrar. Um deles avançou e apontando para o sofá deu a entender se ficava incomodada caso ele se sentasse ali, que caralhos, suspirei e respondi encolhendo os ombros: "Heh tanto faz...". O tédio estava a dar cabo de mim, já andava as voltas na cama e só queria fazer algo.
"Apetece-me fazer qualquer coisa, alguma ideia?" disse para eles enquanto me encontrava estendida na cama de barriga para cima. "E vocês têm nome sequer?" perguntei curiosa.

Draven
Localização: Prisão de Noxus

Fui novamente até ao escritório onde estavam os arquivos dos prisioneiros que hoje iria executar. Ainda estava lá o do homem que perecera de manhã. Abri-o, peguei no carimbo enorme que fazia parte dos acessórios de escritório daquela divisão e carimbei o seu arquivo de alto abaixo. ELIMINADO. Coloquei-o de parte para que depois o fossem buscar ao fim do dia.
Peguei então num arquivo novo e arqueei a sobrancelha ao ver que era uma mulher. Não era comum mas também acontecia. Curiosamente - ou não -, era quando executava mulheres que a multidão delirava mais. Especialmente as senhoras que me iam ver. Era como se eu estivesse a eliminar menos uma para a concorrência no poder feminino de Noxus.

NOME: PATTISON, MERCY
IDADE: 28 ANOS
NATURALIDADE: NOXUS
CRIME: ADULTÉRIO
OBS: JÁ ESTEVE CASADA DUAS VEZES E DAS OUTRAS DUAS VEZES OS SEUS MARIDOS FALECERAM.

Uma viúva negra. Não tinha sido apanhada em plena matança mas o adultério chegava. Em Noxus, o adultério era um caso sério quando não consentido por parte do marido/mulher. Existiam casais que tinham outros parceiros mas era acordado entre os dois para que isso acontecesse. De outra maneira, era considerado um desrespeito para com a evolução de Noxus.
Abri a minha mala e limpei os machados mais uma vez, retirando-lhe ainda pedaços de sangue seco que tinham ficado da última execução. Afiei-os e voltei a fechar a mala. Ajeitei a gravata e lá fui eu.

Kevin
Localização: Quarto da Katarina, Mansão

Katarina disse que tanto lhe fazia se nós ficássemos no sofá. Mais feliz saltitei juntamente com Stuart até ao sofá e sentamo-nos neste. Stuart como andava sempre com sono, acabou por se encostar e adormecer.
A nossa prisioneira perguntou se queríamos fazer alguma coisa. Sim, eu realmente queria fazer alguma coisa, estava farto de me aborrecer naquele sítio! No entanto não fazia ideia do que fazer. O que podíamos fazer era ir para a sala de jogos, havia imensas coisas para fazer lá. Mas antes de lhe responder, ela perguntou pelos nossos nomes.
- Sequer sequer! ((Sou o Kevin!)) - será que ela tinha-me entendido? De seguida aguardei que Stuart dissesse alguma coisa, mas ele continuava a dormir. Dei-lhe uma cotovelada que fez com que ele caisse de cara no chão tal não foi o susto e levantou-se a praguejar para mim, ignorando a pergunta de Katarina - Sequer sequer, sequer! ((Ela perguntou-nos pelos nomes, idiota!)) - disse-lhe quase gritando. Aquele tipo quando estava acordado era cá um chato...
- Sequer... ((Stuart...)) - ouvi-o dizer enquanto ele voltava para o sofá e encostava-se para dormir. Levei uma mão à testa e abanei a cabeça negativamente, que minion tão incompetente! A sério que o invocador não conseguia arranjar-me um companheiro melhor?

Katarina
Localização: Quarto Katarina, Mansão

Tinha-me esquecido de um pequeno/grande pormenor, eles só sabiam falar únicas palavras de uma maneira um pouco cómica, normalmente pela maneira como dizem dá para entender o que querem, mas perguntar pelo nome deles não fazia sentido. "Não adianta...Não vos percebo.." disse ainda estendida na cama.
"Mas já sei o que podemos fazer!" disse pulando para fora da cama, "Vamos para o salão de jogos, de certeza que deve dar para nos entreter, mas nada de fazer asneiras se não vem o Karl dar-me na cabeça!" disse com o dedo indicador levantado. Não queria nada que eles andassem a mexer nas coisas todas, ainda estragavam e depois quem ouvia era eu. De seguida saí do quarto e fui em direcção ao salão de jogos.

Draven
Localização: Prisão de Noxus

Mercy Pattison não durou muito. A mulher estava apavorada e acabara mesmo por se ajoelhar à minha frente, enquanto me agarrava o blazer, chorando baba e ranho.
- Por favor, eu faço tudo o que quiser, senhor Executor! Eu sou uma grande fã sua! Eu até me torno sua concubina se assim o desejar! - exclamara ela, de olhos vermelhos e cara completamente manchada pelas olheiras e todas as outras vezes que provavelmente chorara dentro da sua cela.
Felizmente, estes casos eram breves. As mulheres não eram mantidas na prisão durante muito tempo quando já se sabia qual seria o seu fim. Além disso, eram uma fonte de entretenimento que gerava muito mais dinheiro na bilheteira e, normalmente, os nomes eram anunciados uns quantos dias antes. Visto que esta Execução tinha sido marcada à última da hora, até me admirava estar assim tanta gente. Com certeza que tinha mais a ver com o facto de as execuções terem estado fechadas ao público durante o tempo em que eu estivera na Academia.
Agora que pensava nisso, Noxus não podia ficar assim tanto tempo sem este tipo de entretenimento. Não só enchia os bolsos ao Estado como serviam de aviso à população. Teria que falar com os invocadores para saber se poderia voltar de vez em quando para os meus espectáculos.

Depois das gargalhas perante o pedido de Mercy, pontapeara-a para longe e gritara "CORRE, PUTA!" Ela rastejou e tropeçou, embrulhou-se no meio da terra e encheu a sua cara com ainda mais sujidade. Aquela mulher estava um caco, o que ainda dava mais prazer. Ela estava a sofrer pelos seus actos.
Depois de a deixar correr um pouco, acabara por matá-la. Encontrava-me agora no escritório, sentado a fumar. O meu fato branco já não estava assim tão branco devido às mãos pegajosas da mulher.

Kevin
Localização: Sala de jogos, Mansão

Ela leu-me os pensamentos? Pois tinha acabado de ter a mesma ideia que eu! Ir para a sala de jogos. No entanto, Stuart não estava com grande disposição. Ele estava deitado no sofá a roncar bem alto. Encolhi os ombros e fui com Katarina, que me avisou para ter cuidado por causa do Karl, que não podíamos fazer asneiras. Fiz o sinal de continência de modo em concordância e fui atrás dela.
Uma vez na sala de jogos, dirigi-me para a grande mesa onde tinha as bolas. Adoraria aprender aquele jogo, mas supunha que ele se jogava por cima da mesa e não por baixo. Abanando a cabeça tristemente, resolvi subir para cima de uma cadeira ali perto. Em pé, em cima da cadeira havia minha frente uma mesa de xadrez com umas peças esculpidas em pedra. Apontei para elas e perguntei a Katarina:
- Cabeça? ((Jogas?))

Katarina
Localização: Sala de jogos, Mansão

Descendo para o andar fui até ao salão de jogos. Cheguei-me ao pé da mesa onde tinha estado no dia anterior e perguntava-me como se jogava aquilo. Entretanto apenas um dos guardas é que tinha vindo comigo, este aproximou-se de uma mesa de xadrez e apontando para ela falou algo sem sentido mas deu para perceber o que ele queria.
"Queres jogar? Olha que não me ganhas." disse com um sorriso sentando-me numa das cadeiras.
Sabia jogar Xadrez desde pequena, quer dizer, fui obrigada a saber a jogar, pois o Xadrez era um jogo de estratégia e táctica onde não envolvia o elemento da sorte, ajudava bastante a exercitar a nossa capacidade de lógica.

Draven
Localização: Prisão de Noxus

Sem Karl na prisão para atender às minhas necessidades, decidi que estava na altura de tratar de mim mesmo. Ao acabar o cigarro, esmaguei-o no cinzeiro e levantei-me, ajeitando a gravata e o cabelo de seguida. Ainda ia ter algum tempo de intervalo entre a execução que acabara de terminar e a próxima, por isso havia todo o tempo do mundo para o que tinha em mente.
Se Katarina estivesse aqui, talvez as coisas fossem diferentes. Mas não estava. Saí então do escritório e percorri aquele caminho cinzento e silencioso que eu já conhecia tão bem. Ao chegar ao andar que dava início às celas, avistei-a. Lá estava ela, no seu posto de vigia. O seu uniforme de guarda era diferente da dos homens devido à sua estatura mais baixa e curvilínea. Era das poucas mulheres respeitadas nesta prisão, mas tinha ganho o seu lugar aqui com justiça, o que sempre me atraíra para si.
Ao início ela tinha sido difícil. Fingia não gostar dos meus espectáculos, desprezava as minhas atitudes convencidas e ameaçava que conseguia imobilizar-me no chão como um criminoso qualquer. Eu acabara por lhe provar que ela estava errada e ela acabara por cair nas minhas garras. Felizmente, ela tinha um carácter forte como eu e rapidamente tinha percebido que seria sempre apenas um objecto para mim, tal como eu seria para ela pois, pelos vistos, ela até tinha um namorado coninhas qualquer que não fazia a mínima ideia daquilo que fazíamos juntos dentro da prisão de Noxus.
Aproximei-me devagar, sendo observado pelos vários prisioneiros que estavam dentro das suas celas. Mal ela ouviu os meus passos, adoptou uma posição defensiva e uma expressão agressiva. Quando viu que era eu, perdeu-as imediatamente e sorriu para mim daquela maneira que só ela sabia sorrir.
- Já me estava a perguntar quando é que me virias visitar. - disse ela, aproximando-se.
A sua mão veio directamente para o meio das minhas pernas, agarrando o meu membro que estava dentro das calças e que imediatamente começou a crescer.
Queria possuí-la aqui, mesmo à frente de todos aqueles homens sujos e moribundos. Talvez assim tivessem até um pouco de diversão ao verem a sua guarda a ser comida por trás. No entanto, eu sabia perfeitamente que ela não mo iria permitir.
- Isso é tudo saudades, pelo que vejo. - disse eu.
Ela agarrou-me pela mão e puxou-me imediatamente para dentro da primeira divisão que nos apareceu à frente. O seu machado enorme vinha atrás, por questões de segurança. Fechou a porta à pressa e deixou a arma cair pesadamente no chão.

Kevin
Localização: Sala de jogos, Mansão

A grande questão era: eu não sabia jogar xadrez. Não sabia jogar nenhum daqueles jogos daquela sala. Jogos de humanos nunca foi coisa que me cativou, eram aborrecidos. Mas na falta de outra coisa, que tal entreter-me com aquilo? Sabia o que era xadrez e que o objectivo era "comer" o rei adversário. Qual era o rei no meio daquelas peças todas? Não fazia ideia. Mas não ia dar parte fraca! Eu iria jogar de qualquer das maneiras!
- Ganhas. ((Vamos ver.)) - disse eu enquanto pegava em duas peças brancas (do meu lado) aleatórias ao mesmo tempo movendo-as para uns quadrados aleatórios vazios à frente. Mantive o nariz empinado como se soubesse muito daquilo e depois da minha jogada cruzei os braços e disse - Ganhas... ((Tua vez...)) - e pisquei-lhe o olho.

Katarina
Localização: Sala de jogos, Mansão

O minion pareceu bastante entusiasmado e focado no jogo, como eu tinha as peças pretas esperei que ele jogasse primeiro. Tal é o meu espante que aquele cagalhão pega-me em duas peças das dele e coloca-as num sitio completamente ao calhas, por momentos parei confusa mas não consegui parar de rir graças à sua expressão de quem soubesse o que estava a fazer.
"AHAHAHAHAHA" soltei enquanto segurava a minha barriga, estava quase em lágrimas. "Ganho, ganho, ahahahaha. Tu não tens a noção de como jogar isto pois não?" perguntei-lhe enquanto observava as duas peças no centro do tabuleiro (Rei e Rainha).

Kevin
Localização: Sala de jogos, Mansão

Ela estava a rir-se? A rir-se de mim? A rir-se do grande e poderoso minion chamado Kevin? Como ousou ela! Era verdade que eu não sabia jogar xadrez, mas estava a fazer o meu melhor e ela não tinha que se rir de mim!
- Não não não!!! ((Não gozes comigo!!!) - disse descontente e irritado. - Não não não, não!! ((Não jogas tu, jogo eu!!)) - e voltei a mexer as mesmas peças para a frente, tombando algumas das dela no caminho. Sem que lhe desse tempo de reagir, comecei a mexer em todas as peças ao mesmo tempo, então gritava - NÃAAAOOOOO!!! - e abanava os meus braços no tabuleiro, espalhando as peças todas pelo chão, como um lunático.

Draven
Localização: Prisão de Noxus

CONTEÚDO SEXUALMENTE EXPLÍCITO
Spoiler:
Estávamos dentro da sala dos cacifos daquele piso. Esta, por mero acaso, encontrava-se vazia pois os turnos dos guardas ainda não estavam na hora de trocar.
Tratei de despir-lhe a armadura o mais depressa possível pois todo aquele aço tornava-a mais pesada do que o normal. As peças iam caindo no chão, fazendo um barulho insuportável. Mas eu queria lá saber!
Depois de a deixar apenas em roupa interior, peguei-a ao colo e coloquei-a em cima de um dos bancos corridos em madeira, encostando as suas costas aos cacifos frios que se encontravam atrás. Ela arquejou mas não reclamou pois sabia muito bem o que vinha a seguir. Já em cima do banco, despi-lhe as cuecas e afastei-lhe as pernas. Sentei-me então entre elas e comecei a lambuzar aquela cona tão deliciosa. Fiquei ainda alguns minutos naquilo mas entretanto ela não aguentou mais e atingiu o orgasmo.
Levantei-me e desabotoei as minhas calças, tirando o meu pénis para fora já todo teso e a pulsar. Obriguei-a a colocar-se de quatro no banco e comecei a possuí-la por trás.

Várias posições depois, e orgasmos da parte dela também, finalmente vim-me. Já não fodia desde o Natal portanto o encontro tinha mesmo vindo a calhar. Quando terminámos, voltei a colocar o meu pénis para dentro das calças e fui lavar as mãos. Ela continuava deitada no banco de madeira, toda despenteada e despreocupada.
- Tenho de ir andando. - disse eu.
- Fico à espera que me venhas visitar mais vezes esta semana. - disse ela. - E para a próxima vê lá se não me fodes a armadura que eu só tenho esta!
Ri-me e dei um jeito ao meu cabelo, enquanto me observava o espelho. Antes de sair da divisão, pisquei-lhe o olho.

Katarina
Localização: Sala de jogos, Mansão

À espera que o pequeno guarda admitisse que não percebia nada daquilo, ele só repetia a palavra 'não' vezes sem conta enquanto continuava a empurrar as suas peças para a frente acabando por derrubar algumas das minhas. Como se isso não bastasse, ainda começou a mover todas as peças de um lado para outro acabando estas espalhadas no chão.
Irritada, dei um murro firme no tabuleiro fixando o olhar nele.
"Não é assim que funciona!! Não é assim que nada disto funciona!! Se não perceberes eu posso te explicar mas te armes em sabichão quando claramente não o és." disse sendo frontal.

Kevin
Localização: Sala de jogos, Mansão

Só parei de atirar as peças para o chão quando a prisioneira deu um murro na mesa. Nisto atirei um pequeno pulo com susto. Ela começou a ralhar comigo e eu cruzei os braços aborrecido enquanto a ouvia. Quando ela se calou, levantei a mão e uni os quatro dedos com o polegar como se fosse uma marioneta e depois imitei-a a protestar:
- És és és és és és! ((Sabichão que não és!)) - até tinha esganiçado mais a voz para parecer com ela.
Sabia que não iamos a lado nenhum com aquela discussão. Será que eu queria mesmo aprender a jogar xadrez? Aqueles jogos estranhos dos humanos nunca me chamaram à atenção. Suspirei fundo, afundei-me na cadeira e apontei para o tabuleiro mais calmo:
- És és és. ((Vá ensina-me.))

Katarina
Localização: Sala de jogos, Mansão

O guarda ficou bastante aborrecido e acabou até por protestar, no entanto a verdade é que ele não sabia jogar aquilo mas sendo simpática ofereci-me para o ensinar. Já com ele mais calmo comecei por apanhar as peças do chão e à medida que ia apanhando ia explicando: "É o seguinte, cada peça tem a sua maneira de se mover no tabuleiro, por exemplo esta é chamada de Torre! Move-se apenas em linha recta para a frente ou para os lados." disse mostrando-lhe a peça em especifico.

Kevin
Localização: Sala de jogos, Mansão

Katarina ia então explicar-me como se jogava xadrez. Só esperava que o jogo não fosse aborrecido! Primeiro mostrou-me uma peça e explicou-me que ela era uma torre e que só andava em linha recta. Saltei da cadeira e apanhei uma outra torre que estava no chão, juntamente com uma maior de todas com uma cruz na cabeça. Voltei para a cadeira e coloquei a torre no tabuleiro. Depois voltei a agarrar nele e andei com ele em várias linhas rectas como ela me tinha explicado. Olhei para ela e perguntei:
- Lados? ((Assim?))
Depois ergui a peça com a cruz na cabeça e mostrei-lha. Estava à espera que ela me explicasse para quê essa peça servia.

Draven
Localização: Prisão de Noxus

Voltei ao escritório onde se encontrava a última ficha do último prisioneiro de hoje. Os outros já estavam carimbados como EXECUTADOS a vermelho mas aquele ainda estava por ler.

NOME: GARNETT, DAVID
IDADE: 32 ANOS
NATURALIDADE: NOXUS
CRIME: FURTO
OBS: A ORDEM BLACK ROSE FOI A VÍTIMA DO FURTO.

Desmanchei-me a rir às gargalhadas. Uma Ordem tão elitista como aquela tinha sofrido um furto de um zé ninguém qualquer? Não sabia se tinha sido a primeira vez que ele tentara ou não mas fora aquele roubo que se tornara a sentença da sua morte. Roubar às grandes famílias de Noxus e ser apanhado era a maior estupidez de sempre.
Olhei-me uma última vez ao espelho e apercebi-me que fedia a sexo. Mas queria lá saber. Ao menos já me aliviara um pouco. Especialmente depois de ter executado aquela viúva negra durante a tarde. Soubera bem imaginá-la no lugar da Sylvia, com as minhas mãos na sua garganta.
Dei uma última limpadela às minhas lâminas e voltei a dirigir-me para a porta da arena. Já se ouvia a multidão a gritar o meu nome. Adorava o facto de, mesmo depois de ter estado fora durante algumas semanas, Noxus ainda me amar como no primeiro dia.
Entrei na arena e o espectáculo começou.

Katarina
Localização: Sala de jogos, Mansão

O pequeno guarda rapidamente pôs em prática o que lhe tinha ensinado. "Assim mesmo, para os lados e para cima!" respondi-lhe. De seguida mostrou-me outra peça, era o Rei.
"Ah essa é o Rei e é a peça mais importante do jogo, basicamente o objectivo é colocares as tuas peças em modo em que o Rei do adversário não possa escapar (Cheque-mate). Em termos de movimento o Rei só anda uma casa para qualquer direcção."
Ao fim de lhe explicar tudo sobre o Rei apanhei mais outra peça e outra até já lhe ter explicado todas as regras fundamentais do Xadrez.

Kevin
Localização: Sala de jogos, Mansão

Uma a uma, as peças foram-se juntando no tabuleiro de jogo e a prisioneira explicava-me para que é que serviam. Depois de tabuleiro composto, estávamos finalmente prontos para jogar! Estiquei os meus bracinhos para o tabuleiro e iniciei a jogada bastante rapidamente: um peão deu dois passos para a frente, logo de seguida puxei a torre em fila, saltei em cavalo duas vezes a formar o L. Isto tudo seguido, mas ainda havia o problema das peças dela à minha frente, por isso avancei com um bispo na diagonal e comi logo duas peças de uma vez, um peão e o cavalo! Ainda não estava a conseguir chegar ao seu rei para ganhar, por isso parei por segundos coçando o queixo para ver quais peças podia comer a seguir para conseguir ganhar.

Karl
Localização: Mansão do Executor

Depois de tratar dos cavalos e de deixar a carroça preparada para voltar a sair, Karl entrou na mansão do Executor e dirigiu-se à cozinha. Aí iniciou o jantar pois o sol já se estava a pôr e ainda teria de ir buscar Draven à prisão.
A mansão estava silenciosa e antes de se enfiar na cozinha, Karl dera uma vista de olhos a Katarina, que estava na sala de jogos acompanhada por uma daquelas criaturas estranhas que trouxera consigo. Parecia estar tudo bem, portanto voltara às suas tarefas habituais.
Depois de deixar a refeição no forno, voltou a passar pela sala de jogos.
- Senhora Katarina, vou buscar o Executor. - avisou-a, não se demorando muito.
Esperava que ela não se aventurasse enquanto estivesse fora mas isso também não demoraria muito tempo. Além disso, se ela tentasse algo, o Executor iria imediatamente aperceber-se e depois seria ele mesmo a tratar do assunto com as suas próprias mãos.

Draven
Localização: Prisão de Noxus

Eles queriam um banho de sangue. Por isso, eu dera-lhes um banho de sangue. Mal saí da arena, foi-me oferecido um robe lavado para colocar por cima do meu fato branco - que agora mais parecia encarnado. Dirigi-me a uma casa-de-banho e lavei as mãos e a cara, vendo o sangue a escorrer pelo gargalo abaixo. O resto lavaria em casa, num banho demorado.
Mal saí cá para fora, encontrei Karl à minha espera. Pisquei-lhe o olho, depois de ver a sua expressão ao observar-me naquelas figuras, e entrei na carroça. Felizmente, com o robe vestido não ia sujar nada. Iniciámos então o caminho para casa.

Karl
Localização: Mansão do Executor

Estando o Executor instalado, Karl deu início à pequena viagem de volta para casa. O cheiro a sangue era inconfundível e estava a deixar os cavalos pouco à vontade por isso, a viagem que normalmente costumava ser curta, demorou um pouco mais. Karl ia tentando acalmá-los o suficiente para os fazer andar pelas ruas de Noxus. Mas eles estavam com medo do seu próprio dono.
Quando chegaram à Mansão, Karl tratou imediatamente de retirar as rédeas dos cavalos e de levá-los para o estábulo.
- Senhor, eles estão muito agitados. Vou tentar ser o mais rápido possível e o jantar também já está quase pronto. - informou Karl.

Draven
Localização: Mansão do Executor

Chegados a minha casa, Karl tratou de ir acalmar os cavalos que tinham vindo a viagem toda bastante assustados. Mesmo com o robe, não conseguira enganar os animais.
Acenei perante a informação de Karl e entrei, passando pela divisão onde Katarina se encontrava. Quase que simplesmente continuei o meu caminho mas depois pensei duas vezes. Despi o robe e atirei-o para o chão, aparecendo à porta da sala de jogos com o meu fato sangrento.
- Queres vir acompanhar-me enquanto me banho no sangue dos meus inimigos? - perguntei eu, com um sorriso sarcástico.

Katarina
Localização: Sala de jogos, Mansão

Achei que o pequeno guarda estava pronto para jogar a sua primeira partida de Xadrez, mas logo apercebi-me que me tinha esquecido de um pequeno pormenor: "É UM DE CADA VEZ A JOGAR!" gritei enquanto me tentava conter de risos, a maneira como ele ficou a pensar depois de ter jogado várias vezes seguidas era hilariante. "Esqueci-me desse detalhe. Primeiro começa as peças brancas e depois as pretas, MAS um movimento por jogada ahahaha era bom era!" expliquei.
Entretanto Karl passou pela sala de jogos e comentou que ia buscar o Draven, à qual acenei com a cabeça.
Enquanto explicava que era um de cada vez que se jogava Draven tinha chegado da arena e estava cheio de sangue na roupa, a execução devia de ter sido interessante, de seguida fez me uma pergunta que não percebi muito bem. Estaria ele a falar do que lhe pedi?
De sobrancelha arqueada levantei-me e aproximei-me dele sussurrando-lhe ao ouvido: "É agora que vou ter 'aquilo'? É que já ando a ficar com sede!"
Só esperava que o guarda não tinha ouvido nem percebido do que estávamos a falar.

Draven
Localização: Mansão do Executor

Toda aquela matança deixava-me sempre excitado. Felizmente tinha morto grande parte do desejo durante a tarde. Mas agora estava a voltar novamente, especialmente depois de ver o ar entusiasmado de Katarina. Estávamos a falar de coisas diferentes mas ela era tão sedenta por sangue quanto eu.
Tendo-a bem próxima de mim, nem a deixei reagir. Agarrei-lhe o pulso e coloquei a sua mão sobre as minhas calças, na zona do meu pénis que estava rijo.
- Ainda não, minha querida. - respondi eu, completamente em chamas.

Katarina
Localização: Sala de jogos, Mansão

Erro meu em não ter percebido a pergunta, já devia ter percebido o esquema. Sem reagir ele agarrou-me no pulso e colocou a minha mão sobre a sua parte privada. A minha cara ficou logo rosada e o meu coração, fiquei sem reagir por uns segundos perante aquela região rígida, mas ele não ia levar a melhor. Se fosse outra pessoa a fazer aquilo já estaria com as tripas do avesso mas como era o Draven nada melhor que ferir onde mais lhe dói.
Recompus-me e com um olhar confuso respondi-lhe: "Hm..Era suposto sentir algo? É que não encontro nada que faça valer a pena. Agora se me dás licença tenho um jogo de Xadrez para jogar."
Virei-lhe as costas e voltei para a mesa de jogo.

Kevin
Localização: Sala de jogos, Mansão

Lá estava ela a implicar comigo outra vez... Aos gritos e por entre pequenos risos, disse que era um de cada vez a jogar e primeiro jogava quem tivesse as peças brancas. E as minhas eram pretas... Era ela então primeiro? Suspirei aborrecido, aquele jogo tinha demasiadas regras para o meu gosto...
Entretanto chegou o dono da mansão, Draven. A porta do salão estava de costas para mim, e eu num pequeno pulo virei-me para trás, uma vez que estava de pé da cadeira. Ao ver Draven coberto de sangue, não pude deixar de arregalar os olhos. Aquele tipo é que nos devíamos de estar debaixo de olho! Ele de certeza que esteve a fazer mais sessões de durante a tarde, iguais à de manhã, e isso era totalmente desumano! Só esperava que a prisioneira não tivesse ideias malucas como as dele...
Katarina levantou-se e foi ter com ele, no que eu voltei-me novamente para a frente e tratei de colocar as peças de xadrez nos respetivos sítios. No entanto troquei as cores: eu ia ficar com as brancas! Apesar de estar a arrumar o jogo, estava a escutar a conversa deles os dois. Não percebi bem do que estavam a falar, mas Katarina não ficou muito agradada e voltou para jogar comigo.

Draven
Localização: Mansão do Executor

Foi com imenso deleite que, perante a primeira reacção de Katarina, me apercebi que ela virgem. Quase que me desmanchei a rir às gargalhadas na sua cara mas decidi conter-me. Talvez isso me levasse a ser eu a roubar-lhe aquela virtude, mais tarde.
A conversa de que as virgens eram as melhores era uma tanga. Normalmente elas não sabiam bem o que estavam a fazer e aguentavam pouco tempo devido às dores. Para mim, virgens só sabiam bem quando eu lhes retirava a virgindade à força. Mas com Katarina tinha de ser diferente, especialmente se eu queria uma aliada dentro da Academia. Não lhe podia dar motivos para me odiar.
- Tu é que perdes! - exclamei eu.
Subi as escadas e dirigi-me ao meu quarto. Antes de fechar a porta, despi-me mesmo ali e atirei com o fato ensanguentado para o chão do corredor. Mais tarde, Karl passaria por ali para o ir buscar e lavar.
Completamente nu, fechei a porta e fui para a minha casa-de-banho privada para tomar um banho.

Katarina
Localização: Sala de jogos, Mansão

Quando voltei o filho da put* tinha trocado as cores, iria ser ele com as brancas logo tinha que ser ele primeiro a jogar. "Ai queres ser tu primeiro? Ahaha Força! Mas aviso já, a probabilidade de perderes é maior." Disse com um riso, nada melhor do que aplicar pressão ao adversário com jogos psicológicos. "Eu ia começar primeiro visto que tens a vantagem de saberes que peça já joguei, e como é novato era bom para ti, mas sendo assim não irei ter piedade, força, fico à espera." disse cruzando os braços à espera que ele joga-se a primeira jogada.

Kevin
Localização: Sala de jogos, Mansão

Mais umas boquinhas irritantes daquela mulher... Sempre a insinuar que eu não iria ganhar agora por ter trocado as peças! Mas isso é que ela se enganava! Desta vez ia jogar a sério e não me ia esquecer das regras. Por isso fiz uma jogada diferente do início normal: movi o cavalo em L assim como ela me tinha ensinado saltando por cima das outras peças, já que o cavalo era a única peça que podia saltar por cima das outras. Ao menos não era uma jogada banal com o peão!
Agora foi a minha vez de cruzar os braços e esperar pela sua jogada...


Katarina
Localização: Sala de jogos, Mansão

O guarda começou por colocar o cavalo à frente, um bocado fora do comum mas também decidi fazer o mesmo e espelhar o seu cavalo. De seguida fomos puxando os peões à frente e eu acabei por puxar outro cavalo também. Ia puxando um peão enquanto ele avançava o seu cavalo. O que mais me espantou foi que ele colocar o bispo a ameaçar a minha Rainha. Arquei a sobrancelha (ele sabe o que esta a fazer? Será que percebeu como a rainha funciona?), sem dizer uma palavra avancei com a Rainha em força e comi o seu bispo ameaçando ao mesmo tempo um check-mate.
Era óbvio que ele tinha confundido as peças, não era assim tão estúpido ele. Por vias das dúvidas mais valia perguntar: "Mas olha, se quiseres podes voltar atrás é na boa, queres?"


Kevin
Localização: Sala de jogos, Mansão

A coisa estava a correr lindamente bem! Tinha conseguido prender o rei dela com o meu bispo e cavalo! Era tão fácil o jogo, estava prestes a ganhar em poucas jogadas. No entanto, ela avança com o "rei" e come-me o bispo.
- ESPERA?!? ((Como assim?!?)) - exclamei espantado.
Como é que ela tinha movido o "rei" tantas casas? Ele só se podia mexer uma vez! Arregalei os meus olhos amarelos confuso sem saber bem como reagir. Baixei a minha cabeça de modo a ter os olhos ao nível do tabuleiro e observei as minhas peças de rei e rainha. Eu não acredito! Tinha confundido as duas!!! Eu pensava que o rei era a rainha e vice-versa. E ela comeu o meu bispo com a rainha... Levei a mão à testa (se bem que não tinha exactamente testa, e a minha mão entrou carapuço a dentro. Agora estava aborrecido e de mau humor. Os planos tinham ido todos por água abaixo!
Depois de ela reparar no meu grande erro, disse que podia voltar atrás na jogada. Não! Nunca! Eu não iria voltar atrás, ainda ia conseguir dar a volta e ganhar.
- Queres. ((Não)) - respondi abanando a cabeça negativamente.
Continuamos então a jogar e o resto do jogo foi um desastre. Desconcentrei-me depois de tal erro e correu tudo mal. Perdi obviamente e no fim sentei-me na cadeira de braços cruzados como que a fazer birra. Não queria jogar mais aquele jogo!

Katarina
Localização: Sala de jogos, Mansão

O minion abanou a cabeça negativamente mostrando vontade em terminar o jogo, ele estava determinado a dar tudo por tudo até ao fim. Para ele não levar check-mate teve que proteger o rei com a rainha deixando-me com duas opções, ou jogava pelo seguro e ia comendo outras peças ou sacrificava-mos ambas as Rainhas. Sa foda, é rainha pa frente! Agora ambos sem rainha fui jogando baste agressiva e sempre ao ataque, notei que ele já não estava tão motivado pois caia em erros fáceis de evitar. Já apenas com o cavalo e poucos peões no tabuleiro ele ficou com o rei encurralado num canto, preparei a minha armadilha com as torres e quando coloquei o Rei dele num canto com o bispo avancei com a torre e tudo tinha acabado, era CheckMate. O pobre coitado ficou sentando de braços cruzados decepcionado com o jogo. Em forma de conforto fiz-lhe umas festas na cabeça e comecei a colocar as peças novamente no sitio.
"Heywan não te enviou à tua, certeza que conseguiste aprender algo neste jogo, queres jogar novamente? Ou já te das por vencido?" perguntei-lhe.


Draven
Localização: Mansão do Executor

Tomei banho sem qualquer tipo de pressa. A água que ia descendo estava encarnada mas ao menos eu já me encontrava limpo e cheiroso, novamente. Embrulhei-me numa toalha, entrei no meu quarto e comecei a vestir-me para o jantar. Acabei por vestir roupa bastante prática: umas calças de fato-de-treino cinza e uma t-shirt branca. O meu cabelo estava escorrido pelos ombros abaixo devido à lavagem.
Saí então do quarto e, pelo caminho, vi Karl a aproximar-se da porta da sala de jogos.
- O jantar está servido. - anunciou ele para Katarina, que devia estar lá dentro.
Katarina parecia ter gostado da sala de jogos pois, pelos vistos, passara a tarde toda lá enfiada. O que era certo é que para umas coisas ela tinha muita garganta mas depois para outras parecia uma atadinha.
Segui para dentro da sala de jantar e sentei-me no meu lugar habitual. Em cima da mesa estava o jornal de Noxus. Esperando que ela se juntasse a mim, peguei no pedaço de papel e comecei a ler.

Katarina
Localização: Mansão do Executor

Mesmo antes do guarda responder à minha pergunta, Karl veio chamar por nós para jantar, nem tinha dado pelas horas a passar, de facto a fome já começava a apertar. "Vou jantar primeiro e depois vê-se." disse-lhe enquanto me levantava da mesa e dirigia-me para a sala de jantar. Quando entrei Draven já se encontrava lá a ler o jornal. Sentei-me ao lado dele e perguntei: "Alguma coisa de interesse?"

Kevin
Localização: sala de jantar (Mansão do Executor)

Fintava o tabuleiro decepcionado comigo mesmo. Katarina ainda tentou reconfortar-me com umas festas na cabeça, o que fez com que algum fumo negro saísse debaixo do meu capuz, como que pó a ser sacudido, mas neste caso era a matéria de que eu era feito.
Não lhe pude responder. O mordomo de Draven veio chamar Katarina para jantar e ela dirigiu-se então à sala de jantar. Teria que a acompanhar, pois claro, mas primeiro tinha que ir chamar Stuart! Não me digam que ele dormiu a tarde toda!
Para meu espanto, cruzei-me com ele ao sair do salão de jogos.
- Vê-se vê-se vê-se vê-se?! ((Estiveste mesmo a dormir a tarde toda?!))
Ele limitou-se a encolher os ombros e passar por mim em direção à sala de jantar. Segui-o e colocamo-nos um de cada lado de Katarina. Agora era aquele momento aborrecido em que os humanos comiam.
- Interesse interesse? ((Que fizeste à tarde?)) - ouvi Stuart a perguntar.
- Interesse interesse interesse interesse interesse interesse. Interesse! ((Estive a jogar um jogo dos humanos chamado xadrez com a prisioneira. E ganhei!)) - menti ao mesmo tempo que dava um pulo de satisfação mas ao mesmo tempo ia morrendo por dentro de desilusão e raiva por ter perdido.
- Interesse interesse! Interesse interesse. Interesse! Ahshahshahsshhahshs!!! ((Deves ter deves! Tu perdes a tudo. Até a feijões! Ahahahahahaha!)) - o riso de Stuart era fino e bastante irritante. Até soube uma vez que fazia bastante impressão aos ouvidos dos humanos e há boatos de ter rebentado os tímpanos a um uma vez!
Conteúdo patrocinado

Re: Noxus

Voltar ao Topo
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum