Compartilhe
Ir em baixo
avatar
Mensagens : 38
Data de inscrição : 30/09/2018
Ver perfil do usuário

Nação de Piltover

em Seg Out 01, 2018 11:10 pm


Piltover é uma cidade próspera e progressiva cujo poder e influência estão em crescimento. É considerada o centro cultural de Valoran, onde a arte, o artesanato, o comércio e a inovação andam de mãos dadas. O seu poder não vem da soberania militar, mas sim através dos engenhos comerciais e do pensamento inovador. Situada no penhasco acima do distrito de Zaun e de frente para o oceano, Piltover vê entrar diariamente pelos seus gigantes portões-do-mar inúmeras frotas de navios que trazem consigo iguarias de todo o mundo. Toda a riqueza com isto gerada levou a um aumento sem precedentes do crescimento da cidade. Piltover reinventou-se - e ainda continua a fazê-lo - como sendo uma cidade onde se fazem fortunas e onde os sonhos podem ser realizados. Os clãs de mercadores investiram no desenvolvimento dos empreendimentos mais incríveis: grandes loucuras artísticas, pesquisas hextech esotéricas e monumentos arquitetónicos. Com cada vez mais inventores interessados na tecnologia hextech, Piltover tornou-se um íman para os artesãos mais habilidosos do mundo.

  Governo  
  Nível de Tecnologia  
  Ambiente Geral  
  Idioma  
  Oligarquia Aristocrática   
  Elevado  
  Metrópole Costeira  
  n/a  


Última edição por Necis em Sab Out 13, 2018 6:30 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Admin
Mensagens : 41
Data de inscrição : 30/09/2018
Ver perfil do usuário

Re: Nação de Piltover

em Seg Out 08, 2018 9:37 pm


Champions presentes: Master Yi, Wukong, Jinx, Caitlyn, Vi, Ahri




- SEGUNDA-FEIRA, TARDE -

Master Yi
Localização: Capital

Yi havia saído do portal e não avistava mais nenhum dos alunos que tinha escolhido Piltover como o seu destino. Prometeu esperar por Wukong perto do portal, então foi reunindo algumas informações. Avistou um senhor com certa idade e aproximou-se dele.
-Uh, desculpe incomodar, mas pode dar-me duas informações?
O velho abanou a cabeça positivamente e Yi começou a falar.
- Eu só queria saber onde posso arranjar algum lugar para dormir e onde ficam essas lojas que vendem equipamentos de alta tecnologia.
O idoso coçou o queixo e apontou para uma rua.
-Só tens de seguir esta rua e virar à esquerda, lá existe uma zona com bastantes locais onde podes passar a noite e a zona comercial não é muito longe.
Yi agradeceu a simpatia do idoso e voltou para perto do portal de onde saiu, esperando por Wukong.

Jinx
Localização: Capital

Do outro lado do portal estava um local que tinha visitado há pouco tempo: a entrada da biblioteca. Ou o que restava dela. Umas fitas cercavam o perímetro do que agora eram apenas destroços do antigo edifício. Podiam ser vistas pequenas equipas de resgate a fazerem o que podiam para procurar por sobreviventes no meio dos escombros enquanto robôs estavam responsáveis pela remoção de forma segura dos destroços.

O portal ruidoso e reluzente não me permitiu uma entrada despercebida. Quando dei por mim tinha várias pessoas a olhar na minha direção. Após me reconhecerem o pânico não demorou a ser instaurado. Os presentes fizeram tudo que podiam para fugir da área e mais urgentemente de mim. Apesar da minha forma frágil os meus ataques sistemáticos à cidade semearam o medo no coração do povo piltoviano. Um resultado que eu achei agradável.

Quando a Rabuda saiu do portal sorri para ela. “Bem-vinda a Piltover, a terra do progresso e do aborrecimento.” Apontei então na direção dos escombros. “À tua esquerda podes ver a minha obra mais recente. Eu chamei-a de “Livros Aborrecidos””.

“Vem, antes que a dupla maravilha também passe pelo portal.” – Disse, puxando pelo braço da Rabuda, levando-a comigo para um local fora da vista de quem quer que seja que saísse do portal.

Ahri
Localização : Capital junto à biblioteca

Saí do outro lado do portal e a única coisa que vi foram os destroços de um edifício parcialmente..Parcialmente não. Estava bem mais destroços no chão do que edifício em si.
- O.Obrigado - Respondi-lhe. Ela não demorou muito a dizer-me quem é que tinha destruído aquilo. Não. Não podia ser. Uma rapariga tão trinca espinhas conseguia causar tanta destruição?
Ainda não tinha acabado de processar o que tinha visto já ela estava a puxar pelo meu braço.
Quando paramos perguntei-lhe - Foste tu que destruíste o edifício? O que era antes de ser um monte de pedra.

Jinx
Localização: Capital. Não muito longe da biblioteca.

“Não fui SÓ eu! O Fishbones, a Pow-pow, o Rafael e o Donatelo também ajudaram a acabar com aquela biblioteca aborrecida. As pessoas passavam lá dias a ler livros! Consegues imaginar uma maneira mais aborrecida de passar o tempo? Só de pensar nisso já estou a ficar sonolenta. Agora eles vão ser obrigados a entreter-se com outras coisas. Só espero que escolham atividades menos aborrecidas… como por exemplo destruir edifícios, ou pessoas! Qualquer coisa que não seja ler.”

VI
Localização: Capital

Atravessei o portal primeiro que Caitlyn mas só depois do resto e só conseguia ouvir gritos e pessoas a correr de um lado para o outro. Estava perante um edifício totalmente destruído quase irreconhecível se não fosse uma pequena placa de madeira meio queimada a dizer 'Bibli'. Mas não tinha sido agora, vários robôs limpavam o que restava do edifício e resgatavam alguns sobreviventes. Pelos gritos das pessoas Jinx não devia andar longe, já sentia a fúria a crescer dentro de mim e a raiva a alimentar as minhas manoplas.

"JIIIIIIIIIIIIIIIIINX!!" soltei num enorme berro fazendo as pessoas levar as mãos aos ouvidos. Sentia o coração a palpitar bastante e estava mortinha por ajustar contas, ela iria pagar pelo que fez à cidade.

De repente um jovem minorca aproximou-se de mim bastante contente. "Vi, voltaste! Onde está a Caitlyn? A Jin.." disse sendo interrompido por um soco meu que o atirou ao chão. "Sai da frente." respondi-lhe enquanto observava o redor por possíveis caminhos que Jinx possa ter tomado. Só esperava que Caitlyn não demorasse muito a atravessar o portal.

"Dócil como sempre..." respondeu o minorca entre dentes.

Wukong
Localização: Capital

Master Yi já tinha entrado no portal e eu entrei a seguir atrás dele. Passo pelo portal e vejo Yi perto. "Desculpe a demora mestre." Disse e quando levanto os olhos para a frente, vejo tudo desconhecido e tudo de alta tecnologia "Isto é Piltover?!" Disse com a boca toda aberta. Parecia uma fantasia do outro mundo.. Uau nunca tinha vindo a este lugar e tudo era de metal
Recompus me, endireitei me e perguntei:
"Mestre, já tem informações de onde encontrar o que precisa?"


Master Yi
Localização: Capital

Yi observou outras alunas a sair pelo portal, e já a criar confusão. A que tinha deu um enorme berro que fez Yi levar as mãos aos ouvidos. Ele suspirou, até que Wukong atravessou o portal.
-Sim, mas por agora vamos arranjar um sitio onde dormir.
Ele disse com um tom sossegado.

Caitlyn
Localização: Capital, junto à biblioteca

Depois de uma viagem menos atribulada do que a tinha tido aquando da viagem para Niflheim, Caitlyn chegou por fim ao seu destino. De certo modo, a viagem para Piltover tinha surgido numa boa altura - as cartas que lhe iam sido enviadas tinham deixado a xerife preocupada.

Mal se ambientou ao local, apercebeu-se que a sua preocupação tinha sentido de ser. Poucos momentos precisou para identificar o local onde se encontrava, e somente a noção do local lhe permitiu identificar a que edifício pertenciam os destroços na sua frente. O dano parecia ter feito há algum tempo, tendo em conta que já haviam equipas de socorro mobilizadas e robôs a limpar a rua.

Quando Caitlyn atravessara o portal, porém, conseguia ver pessoas a correr de um lado para o outro e um grito que reconheceu ser de Vi. Procurou então por esta e encontrou-a no preciso momento em que esta acabara de esmurrar um rapaz a havia abordado.

"Vi!", Caitlyn correu na direcção de ambos e ajoelhou-se, pedindo licença para observar a gravidade dos ferimentos. Levou as mãos à cara do rapaz e após um exame rápido, deduziu que precisasse de ser visto por um médico. "Com alguma sorte, teremos um médico ainda na esquadra. Diga que fui eu que o enviei."

Levantou-se e observou o pânico generalizado, tentando perceber o porquê de o resto das forças demorarem a chegar. Olhou então para Vi, que parecia agitada. "Esmurrar os transeuntes talvez não seja a melhor forma de acalmar a população."

Ahri
Local: Junto à bibilioteca

-Mas tiveste cuidado ao ver que não estavam pessoas lá dentro certo? - Perguntei-lhe imediatamente

Jinx
Localização: Não muito longe da biblioteca.

“Para quê? Eu deixei-as sentir a adrenalina. A vida não tem graça sem ela. Se quisessem mesmo fugir bem podiam fazê-lo. Com alguma sorte escapavam com vida e pensavam duas vezes antes de fazerem algo tão aborrecido.”

Ahri
Localização: Perto da Biblioteca

A resposta de jinx chocou-me. Eu tinha-a imaginado como uma artista diferente. Não uma assassina sem escrúpulos. Mas algo nela parecia que não entendia o que realmente se passava.
Realmente elas devem ter sentido muita adrenalina, mas então quer dizer que tiveram tempo para escapar. É que era muito triste ter ficado alguém fixe lá soterrada sem querer não é? - Respondi-lhe tentando fazer com que ela percebesse que matar sem perceber quem era errado. Existia pessoas que mereciam morrer, mas havia outras que nada tinham feito para a sua vida ser retirada tão cedo.

Jinx
Localização: Não muito longe da biblioteca.

“Triste? Porquê? Se existe um tipo de pessoas que não fazem falta nesta cidade é pessoas aborrecidas e tu estás a começar a aborrecer."

Ahri
Localização: Perto da Biblioteca

"Imagina que tinha ficado o Donatello lá seria uma pena, mas não vamos ficar a pensar em coisas tristes e eu não te quero aborrecer. Mostra-me mais coisas fixes que tenhas feito." - Respondi-lhe com uma ponta de medo a crescer dentro de mim

Jinx
Localização: Não muito longe da biblioteca.

Eu não percebia qual era o problema da Rabuda. Era no entanto engraçado o exemplo que ela tinha buscado porque foi o que aconteceu. O Donatello ficou na biblioteca. Na entrada, nas estantes, no chão, na parede, no teto, entre outros sítios. Um pedaço aqui e outro ali. O próprio Donatello deu a sua vida para me ajudar a fugir da biblioteca e nunca o vi mais feliz. “É chato olhar para o passado. Vamos olhar para o presente e fazer mais merda!” – Disse, arrastando a Ahri pelo braço pela cidade fora.

Ahri
Local perto da biblioteca

"Tens razão o passado é chato." -Dizia de maneira a não ser morta numa cidade que não conhecia.
Enquanto ela puxava pelo meu braço sabia lá para aonde. Dei por mim a pensar a quantidade de energia que aquela rapariga devia ter. Ela parecia super energética e apesar do medo que ela me transmitia, também sentia algo agridoce. Teria de conseguir estar com ela numa altura mais calma. Ou talvez... mais bêbada. Isso mesmo.
"Jinx, que tal irmos comemorar a tua mais recente obra? Conheces algum sitio fixe e nada aborrecido?"- perguntei - lhe enquanto continuava a ser arrastada

Vi
Localização: Capital, junto à biblioteca

De repente uma voz chamou por mim, era Caitlyn correndo na minha direcção para observar o estado do moço começando por me repreender. Ela não compreendia que o gajo se tinha colocado à minha frente tapando o meu campo de visão, claramente mereceu ser punido. "Como queiras, temos coisas mais importantes a tratar. Tenta saber a localização de Jinx que eu vou ajudar a equipa robótica a remover os destroços." disse-lhe de forma convincente. Não era normal ser eu a dar ordens a Caitlyn mas neste momento achei que fosse o melhor plano. "Despacha-te!" disse-lhe com um sorriso pegando com ela.
De seguida afastei-me um bocado e carreguei as minhas manoplas na força máxima pronta a fazer acção!
"WOOOOOOWOOOOOO! ESTAMOS DE VOLTA!" gritei bem alto enquanto corria na direcção dos destroços, sabia bem estar em casa.
Desviando uma pedra para o lado esmurrando outra para o outro ia escavando e retirando os últimos sobreviventes da Biblioteca a uma velocidade bastante superior que toda a força robótica presente no local. Todos os robôs se retiraram após alguns serem acidentalmente atirados ao ar e esmagados por pedras que eram arremessadas, e ainda bem porque só atrapalhavam. Ainda o sol se estava a por e já tinha todos os sobreviventes a salvo, era só arrumar os destroços e começar a reconstruir a Biblioteca, isso era aborrecido e não era trabalho para mim. Pergunto-me como Caitlyn se está a safar.

CHEFE DA PILTOVER - EQUIPA DE RESGATE E SALVAMENTO
Localização: Junto à biblioteca, Capital

"Chefe! Está à escuta? Estão a destruir o nosso equipamento!"
Ao ouvir um dos seus camaradas pelo dispositivo de comunicação à distância, o Chefe da PERS interrompeu a sua discussão sem sentido com um arquitecto lunático que insistia em passar para a zona interdita para fazer um plano "glorioso" para a reconstrução da biblioteca e apressou-se para o local onde a sua equipa estava a trabalhar.
- Não o deixem passar! - gritou a dois homens que estavam por perto.
Mal lá chegou e viu alguns dos robôs prontos para ir para a sucata, avançou furioso para a rapariga de cabelos rosa que já conhecia bem.
- Isto é inadmissível! Se as forças policiais querem ajudar, então ajudem! E isso não significa mandar o trabalho e esforço dos outros para o caralho! Quem nos vai pagar o arranjo dos robôs, é você, agente Vi? E onde andou nestes últimos dias? Temos andado aqui sozinhos!! Inadmissível!
A cara do chefe estava vermelha de fúria, apenas o seu bigode e sobrancelhas negras e farfalhudas contrastavam o encarnado.

Wukong
Localização: Capital

"Sim mestre, tem razão... Preciso de descansar.." Disse eu coçando a cabeça. Só ouvia barulho e pessoas e duas das alunas a fazerem porcaria, no qual uma delas era Ahri?! Uau não sabia que ela era assim.. Ah não me quero meter. A polícia e os robôs tratam disso.. E depois vejo mais duas, que pelo o que ouvi uma delas era agente daqui "Uuh fixe" pensei eu
Mas depois olhei para Yi e pus o bastão atrás do pescoço "Atao vamos lá encontrar um sítio para dormir mestre." E lá fui eu com ele a procura

Caitlyn
Localização: Capital, junto à biblioteca

"Os cidadãos de Piltover são a questão mais importante--", antes que pudesse concluir, já Vi se havia afastado depois de lhe pedir para procurar vestígios da localização de Jinx. Ainda ficou a observar Vi a afastar-se por momentos, mas deduziu que a sua ajuda seria bem-vinda para o que Vi pretendia fazer - não havia nada mais a destruir, por isso Vi não poderia causar danos.

Imediatamente a seguir a ter começado a caminhar para procurar pistas que as levassem a Jinx - e ainda tentando entender onde estariam o resto das forças para tentar controlar a população em pânico, que apesar de tudo, começava a mostrar-se menos fora de controlo - o grito de Vi fê-la tornar a olhar na sua direcção. Evidentemente, Vi arranjava forma de causar mais problemas mesmo quando estes não parecia possível. A xerife conseguiu apenas observar a cena a desenvolver-se enquanto caminhava rapidamente na direcção, tendo entretanto chegado um homem que reclamava com Vi.

Prevendo uma reacção pouco adequada por parte desta, acelerou o passo e colocou-se entre ambos, empurrando Vi ligeiramente para trás com um dos braços.

"Boa tarde.", ainda perdeu alguns segundos a observar as feições do homem, e embora este lhe parecesse de certa forma familiar, não se recordava do nome. "Lamento o dano no equipamento, mas certamente poderemos resolver essa questão noutro momento? Parece-me que existem pessoas que requerem assistência."

Apesar de Caitlyn estar tudo menos calma, o seu tom de voz tentara transmitir isso mesmo. Com o estado de espírito que conseguia observar no outro homem, qualquer outra reacção traria apenas mais confusão.

VI
Localização: Junto à biblioteca, Capital

Estava a acabar de juntar uma última pilha de pedras quando de repente aproximou-se o chefe da equipa de resgate, aquele bigode engraçado não enganava ninguém e junto com a sua cara vermelha dava-me vontade de rir. Olhei para ele bastante confusa, será que não entende que eles só atrapalhavam o meu caminho? É que nem era de propósito e se não fosse eu aposto que muitos ainda estavam debaixo das pedras.
Antes que pudesse responder Caitlyn colocou-se à minha frente querendo adiar a conversa e com razão, além de ser preciso assistir as pessoas tínhamos uma psicopata à solta.

"Se eu não tivesse aqui as suas máquinas a esta hora ainda estavam à procura de corpos, e não foi de propósito...desculpe." fiz uma pequena pausa e continuei. "Antes de partir eu entreguei bastantes cartas e avisos a dizer que ia para a Academia onde se encontrava Caitlyn. Se não recebeu é porque não lhe diz respeito. Agora se nos dá licença temos assuntos bem mais sérios para tratar...A lunática voltou e é preciso manter punh..olho nela. E se quiser ser útil, mantenha todos os robôs de vigia, a última coisa que quero ver enquanto estiver aqui é um edifício destruído."

Durante esta semana todos os cantos de Piltover devem-se manter atentos e a segurança deve ser reforçada, também não era difícil identificar uma tábua de cabelos azuis. Infelizmente o meu estômago já dava horas e de estômago vazio não se faz nada. O melhor era jantar qualquer coisa. "Cait, bora até à esquadra fazer qualquer coisa para jantar? Ainda temos que deixar lá as malas. Duvido que a Jinx faça algo hoje com os robôs a vigiar todos os cantos."

CHEFE DA PILTOVER - EQUIPA DE RESGATE E SALVAMENTO
Localização: Junto à biblioteca, Capital

O raspanete que o chefe da PERS estava a dar à agente Vi foi interrompido pela chegada sua superior - a xerife Caitlyn. Uma coisa era lidar com Vi, cujo temperamento já era praticamente de conhecimento geral, outra coisa era lidar com a xerife de Piltover. Esta era respeitada por muitos pela sua competência e por ter diminuido a taxa de criminalidades de Piltover a uma percentagem record, e o responsável pela equipa de salvamento não era excepção. O homem ajeitou o cinto da farda e aclarou a voz procurando acalmar-se agora que se ia dirigir a Caitlyn. Deixou que esta se pronunciasse, bem como a agente Vi, e só depois voltou a falar.
- Xerife Caitlyn. É certo que o povo precisa de assistência, mas isso agora cabe aos paramédicos. Quanto a fazer vigias... - disse virando-se para Vi. - ...com todo o respeito, isso faz parte do vosso trabalho. A minha única responsabilidade é resgatar os civis dos locais de perigo, algo que não posso exercer com a eficácia que gostaria sem os robôs que aqui a agente Vi acabou de destruir. E tal como relembraram e bem(!), estiveram ausentes, portanto nós vamos fazendo o melhor que podemos apesar de não ser o melhor que Piltover tem para oferecer. - admitiu, o seu olhar desviando-se para as manoplas de Vi. - Façamos todos o que nos compete e apenas o que nos compete, sem menosprezarmos o trabalho uns dos outros, e garantidamente que não haverá problemas. Xerife. Agente Vi. - rematou assim, cumprimentando-as secamente antes de se afastar para reunir a sua equipa.

Master Yi
Localização: Capital, Estalagem

Yi seguiu as indicações que o idoso lhe tinha dado e encontrou um edifício enorme com uma placa a dizer "Estalagem"
-Acho que é aqui... As estalagens aqui são bem... Diferentes
Yi entrou no grande edifício e foi falar com o empregado que se encontrava lá. O homem deu-lhe uma chave e Yi fez sinal para Wukong ir ter com ele.
-Arranjei um quarto para nós os dois. Queres ir comer qualquer coisa?

Caitlyn
Localização: Capital, junto à biblioteca

Caitlyn escutou em silêncio enquanto o homem falava, conseguindo finalmente perceber o porquê de o homem lhe parecer familiar - o seu nome, porém, continuava a escapar-lhe. Naturalmente, a arrogância de Vi não tinha caído bem junto deste, principalmente quando não havia necessidade para tal. Acenou perante a sua última afirmação, mas decidiu acrescentar algo antes de este abandonar o local.

"Se assim o entender, poderemos discutir a questão do arranjo dos robôs na esquadra amanhã de manhã. Lamento novamente os danos causados.", Caitlyn preferia usar os fundos que lhe eram atribuídos do que envolver as forças políticas de Piltover.

O ambiente parecera acalmar com a chegada de alguns elementos da força policial de Piltover e com a própria passagem do tempo. Caitlyn pensava ainda na melhor forma de dispôr as forças durante a noite quando Vi sugeriu irem jantar.

"É pouco provável que exista algo na esquadra para fazer uma refeição adequada."

VI
Localização: Junto à biblioteca, Capital

O velho não se calava, com tanto paleio a minha vontade era desmontar mais uns quantos robôs, bla bla bla, bla bla bla, já percebi, ter mais cuidado para a próxima, bla bla foda-se já acabou? Já? Óptimo, xau, vá pela sombra. Finalmente o velho tinha abandonado o local e estava na hora de ir jantar qualquer coisa.

"Hm, sendo assim podemos jantar aí num restaurante qualquer." Rematei. "Mas vamos passar pela esquadra só para pousar as malas, fica bem mais perto que as nossas residências." disse para a Caitlyn enquanto pegava a minha mala do chão.

Caitlyn
Localização: Capital, junto à biblioteca

"Suponho que tenhas alguma sugestão?", Caitlyn sentia que se ia arrepender de deixar Vi escolher o local onde iriam jantar, mas como tinha alguma falta de apetite, mais valia deixar que a sua parceira escolhesse. Caitlyn procurou novamente a sua mala e voltou para junto de Vi, acenando perante a sua sugestão.

"Espero que o gabinete tenha sido deixado em condições.", Caitlyn deslocou-se ainda até junto de um dos agentes agora presentes no local para deixar algumas indicações, gesticulando depois para Vi para caminharem para a esquadra.

Jinx
Localidade: Capital, Praça principal

O dia tinha a chegado ao fim mas em Piltover, por esta altura do ano, isso significava apenas o início de outras formas de entretenimento. O caminho até ao meu destino foi mais lento do que o normal. Se eu quisesse fazer alguma coisa sem ter a dupla maravilha ou robôs patrulha atrás tinha que ir pelos becos, evitando sempre que possível as ruas principais. Os becos estavam sem qualquer sinal de vida, o que era de esperar porque a população estava de certeza reunida no nosso destino. Enquanto puxava pela Rabuda o som distante de vários instrumentos tornava-se cada vez mais audível. “Estamos quase a chegar.”

Assim que saimos do beco pudemos vislumbrar um enorme palco iluminado por luzes de tonalidade quente que nos convidavam a assistir ao espetáculo que estava a decorrer com foco principal nos artistas que tocavam uma sinfonia melodica, calma e gentil. À volta do palco e dispostos em bancadas com forma de meia-lua encontravam-se os espetadores.

O público felizmente estava demasiado atento ao palco para prestar qualquer atenção à minha chegada. Por agora.“Isto é o melhor que esta cidade tem para dar.”

VI
Localização: Departamento de Polícia de Piltover

"Sim, vamos onde costumo ir quando tenho bastante fome, come-se super bem." disse a Caitlyn enquanto preparava-mos para abandonar o local. O restaurante era o que eu mais frequentava quando tinha preguiça de cozinhar, ou seja, praticamente todos os dias. "E não te preocupes, o gabinete está exactamente como o deixaste." disse. Se bem me lembro estava literalmente como ela o deixou, quando Cait partiu para a academia tudo ficou por minha conta, ainda tentei dar uma olhada na papelada mas demasiado seca para mim, a cidade estava bastante calma mesmo sem a presença dela e eu estava a morrer de aborrecimento, tanto que acabei por ingressar na academia também.
Assim que chegamos tratei de rodar a maçaneta que ao fim de um pouco de força lá acabou por abrir ao som de um 'crack'. "Acho que estava trancada." disse abrindo a porta. Entrei desviando a carrada de cartas que estavam no chão e fui em direcção ao gabinete. "Como podes ver tal e qual como deixaste." disse pousando a mala próximo da mesa de trabalho que, por esquecimento meu, estava cheia dos papeis que era suposto distribuir. Aqueles papeis que continha o aviso da minha partida, tanta era a emoção que acabei por me esquecer.

"Ah e não tenhas pressa em tratar dos papeis, não tem nada de muito urgente." disse enquanto movia umas cartas de cor vermelha para a minha manopla e a esmagava sem que Caitlyn desse por ela. A última coisa que queria ver era a minha parceira stressada com coisas sem importância.
"E Cait... Eu sei que temos a Jinx à solta mas... Não te enchas de muito trabalho." disse fazendo uma pausa. "Vamos?" pergunte.

Ahri
Local: Concerto

À medida que ia sendo arrastada por Jinx o dia ia escurecendo e a fome ia brilhando dentro de mim. À medida que iamos andando por becos e ruelas comecei a ouvir algo musical a aumentar de volume à medida que nos aproximávamos. Quando finalmente uma das ruas desbocou num largo, pude finalmente perceber de onde o som provinha. Era um concerto ao ar livre num grande palco todo ele iluminado. A musica não era de todo do meu agrado, era demasiado parada e sem a possibilidade de dançar.
"Tu gostas deste tipo de musica?" - Perguntei surpreendida. Não queria afirmar que eu não gostava até perceber se era do agrado dela ou não.

Caitlyn
Localização: Departamento de Polícia de Piltover

As dúvidas de Caitlyn em relação ao estabelecimento ao qual Vi a levaria continuavam, mas decidiu permanecer em silêncio. Tinha que lhe dar algum benefício de dúvida. Apesar das tentativas de Vi de a assegurar que tudo estaria organizado - o que arrancou um breve sorriso à xerife -, sabia que tal era pouco provável.

Após alguns minutos, chegaram por fim ao edifício onde se encontrava sediado o Departamento de Polícia. Caitlyn foi observando as secretárias dos outros membros da força policial, visto que ninguém ali se encontrava - alguns estariam no local que abandonara recentemente e outros certamente estariam a meio de uma refeição. Ainda assim, a mera visão do interior do edifício era suficiente para trazer alguma calma de volta a si - estava em casa.

Subiram depois em direcção ao gabinete que Caitlyn partilhava com Vi, que, como previsto, estava bastante mais desarrumado desde a última vez que o vira. Pousou os seus pertences na cadeira da sua secretária e procurou um papel para escrever algo, ignorando por alguns segundos o que Vi estava a fazer. Pousou o papel num local central da sua secretária e olhou para Vi quando esta falou.

"Tenho uma lunática à solta em Piltover, pessoas assustadas e um edifício completamente destruído. Parece-me um pouco difícil responder a esse pedido, Vi.", isso para não mencionar todas as questões que teria pendentes. Suspirou ao olhar para os documentos novos que não reconhecia na sua secretária e caminhou na direcção da qual tinha vindo. "Sim, admito estar curiosa para ver esse restaurante."

Esperou então que Vi indicasse o caminho.

Wukong
Localização: Capital, Estalagem

Eu segui o meu mestre até uma estalagem. Era muito diferente do que estava habituado. As que conhecia eram de madeira e tinham feno e estas... Só metal e muita tecnologia claro... Entrei e parecia muito futuristico e vejo Yi a ir ter com um empregado. Pouso a ponta do bastão no chão a espera do meu mestre, ficando a entrada. "Isto é muito diferente..." pensei eu... Depois, Yi chamou me para ir ter com ele e disse me que tinha arranjado um quarto para nos os dois, e perguntou me se queria ir comer alguma coisa... Logo quando ele diz "comer" a minha barriga faz barulho que me fez logo por a mão no estômago " Não queria ser rude mestre, mas desde que chegamos não comemos mais nada. Só a sandes na academia..." Disse eu com cara de culpa.. Respirei fundo, endireitei me tendo cuidado com as ligaduras que tinha desde a cintura até cima, disse : "Mas sim, queria ir comer alguma coisa, Yi" disse , fazendo cara feia por ter esticado as costas. A ferida de certeza que estava em crosta mas não queria abri-la mais uma vez...

Jinx
Local: Concerto

Nem conseguia acreditar no tipo de pergunta que a Rabuda fez. “Achas mesmo que gosto disto? É mais capaz de me pôr a dormir que outra coisa. Eu trouxe-te para aqui para veres a soneira que esta cidade é, mesmo no seu melhor. Não tem remédio. Que tal uma coisa com mais ritmo?”

VI
Localização: Restaurante Ceasy Mills

"Anda anda, vais adorar!" disse-lhe enquanto saiamos do Departamento. Estava bastante empolgada para voltar a comer lá, apesar da comida da Academia ser bastante boa nada se comparava às pratadas que a Ceasy fazia, aquela senhora era magnifica, de comer e chorar por mais, literalmente de chorar por mais. O único problema do restaurante era que ficava um pouco afastado de tudo. Andamos vários minutos a pé e finalmente tinha-mos chegado, o restaurante ficava um pouco escondido entre edifícios e era difícil de ver para os mais desatentos. Quando entrarmos, ao contrario do que parecia cá fora, era tudo bastante temático à mecânica, o restaurante tinha sido uma oficina antes de ter sido transformado num restaurante e eu achava tudo muito acolhedor. Era possível ver alguns tubos de vapor no tecto, as cadeiras eram de madeira com o assento vermelho e as mesas em vidro e pedra.

Como era habitual o restaurante não estava muito cheio, também só era frequentado por quem realmente sabia a sua localização e devido ao seu espaço pequeno seria uma tragédia (pra mim) se ficasse demasiado famoso. Sentámo-nos numa mesa grande e Ceasy veio logo ter connosco, com o menu na mão, super contente por eu ter voltado da Academia. Ela devia ser a única pessoa que eu realmente avisei quando parti. Apresentei-a a Caitlyn e vice-versa, de seguida quando perguntou o que era para jantar simplesmente respondi: "Os pratos habituais!! Estou faminta! E tu Caitlyn?"

Caitlyn
Localização: Restaurante Ceasy Mills

Caitlyn esperara que Vi a levasse até um dos restaurantes da zona central da cidade, mas acabara por ser levada para um local que não esperava - a xerife conhecia aquela parte da cidade, mas nunca ouvira falar de um restaurante naquela zona. Quando chegaram por fim, o aspecto do interior surpreendeu-a, a decoração completamente diferente dos outros restaurantes que frequentava ocasionalmente.

Seguiu Vi até uma das mesas e enquanto ainda procurava absorver os pormenores da decoração, uma mulher aproximou-se com um menu nas mãos. Breves introduções foram feitas, até que de repente Vi lhe perguntou o que iria comer. Com todas as questões anteriores, acabara por não olhar para o menu com a atenção devida. "O mesmo, por favor."

Master Yi
Localização: Zona de comércio

Antes de saírem da estalagem Yi reparou que Wukong estava a ter dificuldades devido aos seus ferimentos, Yi não disse uma palavra relativamente a isso e então saiu da estalagem com Wukong. Caminharam pelas ruas de Piltover até chegar à zona de comércio, existiam estabelecimentos que vendiam estranhas gadgets, outros, coisas comuns como fruta e outros tipos de alimentos. Ambos continuaram a andar até que acharam um restaurante cujo o dono vinha de Ionia. Yi parou e olhou para Wukong.
- O que achas de comermos aqui? Assim temos a certeza de que não comemos nada esquisito.
Yi comentou enquanto se ria.

Ahri
Local: Concerto

"Não sei Jinx podias ter o teu lado secante" disse enquanto me ria." Realmente isto é demasiado parado para mim, quero me abanar" Respondi-lhe enquanto movimentava as minhas ancas

VI
Localização: Restaurante Ceasy Mills

Caitlyn acabou de encontrar a segunda coisa que se iria arrepender de ter feito, (a primeira claro foi contratar-me claro) ela acabara de pedir o mesmo que eu sem perguntar o que ia comer. Ceasy com um enorme sozinho voltou para a cozinha e esperamos à vontade mais de uma hora.
"Tens a noção que o meu habitual são 3 pratos? Bem, com a fome que estou o que não quiseres dá para mim."
Ceasy começou por trazer água e ao fim de uma hora trouxe os pratos dois de cada vez e foi pousando-os na mesa, o primeiro era uma pratada de lombinho de porco com arroz de cogumelos, lombinho era a parte da carne mais tenra e macia que eu tanto adorava. De seguida voltou para a cozinha e veio com mais dois pratos, desta vez era um prato mais leve com peixe, pão e ovos, voltou mais uma vez para a cozinha e veio com os últimos pratos, massa com carne de vaca, toucinho e chouriço de sangue que mais parecia uma montanha de carne. "BOM APETITE!!" disse em voz alta agarrando os talheres e atacando os pratos de seguida. "Con a fom que est aind me engasg.." disse com a comida na boca enquanto bebia um copo inteiro de água para ajudar a digerir tudo. Caitlyn parecia surpreendida e com cara de quem não ia comer tudo, qualquer coisa também Ceasy deixava levar para casa.


Última edição por Sanguinia em Seg Out 15, 2018 10:03 pm, editado 2 vez(es)
avatar
Admin
Mensagens : 41
Data de inscrição : 30/09/2018
Ver perfil do usuário

Re: Nação de Piltover

em Seg Out 08, 2018 10:00 pm
Wukong
Localização: Zona de comércio

Depois de caminharmos por algum tempo, chegamos a uma zona de comércio. Existia estabelecimentos diferentes, com estranhos pequenos robôs e outros com alimentos, tipo frutas.. "Meu deus tanta coisa diversa" pensei ao olhar para cada estabelecimento e admirava por cada coisa brilhante que via, os meus olhos pareciam estrelas.
Depois chegamos a um restaurante em que Yi dizia que tinha a certeza que não comíamos nada esquisito. Viu a rir e eu ri de seguida " Okay mestre, eu confio em si, como sempre o fiz" e dei um sorriso
Fiquei a olhar para o exterior do restaurante enquanto ficava a espera que ele avançasse lá dentro.. "Ele deve conhecer o dono deste restaurante para dizer isto, ou então da mesma terra secalhar ahah" . Ri me ao pensar nisto

Caitlyn
Localização: Restaurante Ceasy Mills

O enorme sorriso da pessoa que as viera atender deixara Caitlyn algo receosa acerca da decisão que havia tomado. A afirmação seguinte de Vi confirmou os seus medos.

"De algum modo tens de conseguir segurar aquelas manoplas enormes, suponho.", Caitlyn bebeu um golo da água que lhes havia sido trazida - quase que desejando algo mais forte depois daquele dia - e depois esperou pela refeição. Conforme os pratos iam surgindo na mesa, a xerife não pôde deixar de se interrogar como seria possível duas pessoas conseguirem comer tudo aquilo. Antes que conseguisse dizer algo, Vi começou a comer rapidamente e quase se engasgou, mas arranjou forma de resolver o problema. Com um suspiro, Caitlyn tirou uma porção da carne de porco com arroz de cogumelos para o seu prato e comeu lentamente, num ritmo contrário ao de Vi. Pousou os talheres a certo ponto, para fazer uma pausa.

"Como é que ficaste a conhecer este restaurante? Não é exactamente fácil de encontrar."

Jinx
Local: Concerto

“O meu pequeno Fishbones pode dar uma ajuda nisso.”- Disse preparando o meu pequeno companheiro. “Digam olá aos meus amigos de tamanhos variados!” – Soltando uma gargalhada histérica apontei para o topo do palco. Premi o gatilho e num ápice deu-se uma explosão que estilhaçou os focos que estavam em cima dos músicos, soltando pequenos pedaços de vidro afiados que caíram na zona frontal do palco, cortando os menos afortunados. Os músicos que puderam e se lembraram usavam os seus instrumentos para se esconderem por detrás da calamidade, sofrendo lesões nas partes desprotegidas. Os espectadores mais próximos ao palco no entanto não tinham a mesma escolha que os músicos e, sem qualquer tempo para sair do caminho dos vidros, usaram os seus braços para ao menos protegerem a face. Eles foram no entanto os mais afetados.
O pânico tinha sido instaurado. Os membros do público estavam num frenesim devido ao medo e de tudo faziam para fugir do local mas, apesar de estarem num espaço aberto, a multidão era tanta que a escapatória não seria fácil. Gritos, seguidos de empurrões e correria ocorriam pela zona do público. Os poucos que tentavam estabelecer a ordem eram abafados pelos gritos da multidão. Os músicos que ainda se conseguiam mexer fugiram pelos bastidores. Cada um ao passo que lhes era possível.
Os espetadores mais fracos eram incapazes de prosseguir. Muitos eram encostados às vedações, apertados de tal forma que era difícil respirar. Alguns partiam ossos das costelas e até deram-se alguns casos de sufocação. Os poucos que caíam ao chão não tiveram a mercê da multidão que passava por cima deles. Hematomas e ossos partidos eram o menor dos seus problemas. Escapar com vida para estes era uma bênção.
Entre gargalhadas cada vez mais histéricas perguntei à rabuda. “Este tipo de festa é mais do teu estilo?”

VI
Localização: Restaurante Ceasy Mills

De tão rápido que comia quase me engasguei várias vezes, dando alguns golos esvaziei a boca e respondi: "Não me pesam assim tanto quanto pensas e são super confortáveis."
Já estava a acabar o último prato quando ela me perguntou como encontrei o restaurante, era uma boa pergunta, pousei os talheres e comecei a contar.
"Ora..Acho que foi logo no segundo dia que foste para a academia, as coisas estavam bastante aborrecidas pela cidade, não havia muita coisa a acontecer, o que achei estranho pois muita gente sabia que ias partir e sem a xerife a cidade ia virar um caos mas não foi isso que aconteceu (digamos que coloquei respeito à minha maneira), continuando, ia na rua já de noite à procura de um local para comer quando uma mulher veio ter comigo a gritar que lhe roubaram as compras, não demorou muito até encontrar o infeliz que até hoje acho que ainda está inconsciente mas pronto, escoltei a mulher que se chamava Ceasy e quando cheguei aqui ela, em agradecimento, ofereceu-me um jantar, virei fã da sua comida e pronto, fim."
Ocultei alguns pormenores senão a história ficava muito longa mas foi mais ou menos isso que aconteceu, Caitlyn não precisava de saber como apanhei o infeliz. Terminei a minha refeição e fui levar os pratos para a cozinha voltando para a mesa.
"Quando quiseres podemos ir." disse-lhe.

Master Yi
Localização: Zona de comércio

Ambos entraram no restaurante, o abrir da porta fez com que um sininho tocasse, fazendo com que o proprietário soubesse que tinha chegado alguém. Um homem nos seus 40 anos foi ter com Yi.
-Yi! À quanto tempo!
Yi sorriu e apresentou Wukong.
-Josuke, este é Wukong. O meu discípulo. Wukong, este é o Josuke. Podemos dizer que é um amigo da família.
Yi olhou em volta e apontou para uma das mesas vazias. -Bem, nós vamos para aquela mesa, trás o melhor que tiveres.
Dirigiu-se então para a tal mesa e sentou-se.

Caitlyn
Localização: Restaurante Ceasy Mills

Caitlyn aproveitou para continuar a sua refeição - bastante menos numerosa que a de Vi - enquanto esta respondia à sua questão. A parte inicial da sua explicação fez Caitlyn torcer o nariz por momentos - quando deixara a cidade, esperava que Vi tivesse a iniciativa para fazer algo mais produtivo do que encontrar restaurantes -, mas conforme esta prosseguiu a expressão da xerife modificou-se.

"Pensei que já tinhamos discutido a questão do estado em que deixas os criminosos. Independentemente do que fizeram, temos regras a respeitar.", o facto de Vi se recusar a dar muitos pormenores sobre o sujeito dava-lhe todas as indicações que precisava sobre o estado do infeliz. Observou Vi a afastar-se com os pratos e pensou numa outra questão que tinha pendente, mas não era o tipo de conversa que quisesse ter num local público.

"Podemos ir, por mim. Está na altura de fazer uma patrulha antes de me dedicar a todos os documentos que tenho pendentes.", suspirou. Ia ser uma longa noite.

Wukong
Localização: Zona de comércio

Entramos no restaurante, ambos ouvimos um sininho a tocar, eu fiquei curioso e assim que estava distraído por uns segundo chega um senhor que pelos vistos e pelos gestos de ambos, conheciam se o meu mestre e o proprietário do restaurante. Yi apresentou me e eu pus a minha mão fechada no peito e dei uma saudação inclinando um bocadinho para a frente e de seguida pus me direito. Depois oiço Yi a dizer ao Josuke, pelo o que eu ouvi de Yi a apresentá-lo, para trazer o melhor que tivera. Eu estava curioso e esfomeado e fomos para a mesa que Yi apontara. Sentei me e perguntei "Mestre conhece o de onde? Da sua terra?" Perguntei curioso

VI
Localização: Ruas, Piltover

Saímos do restaurante e fomos caminhando pelas ruas de volta ao centro. Engraçado o facto da Caitlyn nem me perguntar quem pagou pelo jantar, ou estaria ela demasiado habituada a que lhe paguem as coisas ou achava que lá por ser xerife as coisas são de graça. "Acho é que deverias descansar e pegar nisso amanhã, não vás estar demasiado cansada e enviares o tipo errado para a prisão ahaha" disse num tom de brincadeira.
"Eu gostava de fazer a patrulha contigo mas depois do que comi tenho é que descansar um pouco."

Caitlyn
Localização: Ruas, Piltover

Depois de agradecer pela gentileza à mulher que as havia servido, Caitlyn pedira licença por alguns momentos para utilizar a casa de banho. Quando voltara, já Vi se encontrava à porta do restaurante pronta para sair. Presumindo que esta teria pago pela refeição - por alguns breves momentos, a xerife esteve tentada a perguntar -, Caitlyn saiu com esta para o exterior.

Vi prosseguiu com a conversa que havia começado ainda no interior do restaurante, o que arrancou um breve sorriso de Caitlyn.

"Fico lisonjeada com a tua preocupação, mas o que mais me falta é tempo. Não será a primeira nem a última vez que farei noitadas para resolver casos, de qualquer modo.", ajustou a arma às suas costas e prosseguiu. "Para te ter amanhã na esquadra a horas decentes, diria que deverias ir já dormir. Porém, com aquela quantidade de comida, acho que precisas de exercício antes."

Ahri
Local: Concerto

Quando Jinx disse que podia ajudar na festa nunca pensei que ela fosse fazer aquilo. Ela pegou numa das suas armas e começou a abrir fogo para o palco principal, as explosões começaram a suceder-se e as pessoas começaram a gritar enquanto eram chacinadas pelos vidros dos vários holofotes que se partiam a cada explosão. Era verdade que aquela música secante tinha parado mas o que era resultante daquilo causava-me náuseas. Eu andava em busca da humanidade. E tinha a retirado de muitas pessoas que morriam pelas minhas mãos. Mas eram sempre pessoas que o mereciam. Pessoas que tinham feito mal a alguém. E estas pessoas não o tinham feito. Estavam apenas a apreciar o seu estilo de vida secante. Eu não podia admitir que Jinx matasse sem escrúpulos. Simplesmente não podia. Invoquei a minha bola mágica e olhei nos olhos de Jinx. " Mas o que é que tu estás a fazer? Aquelas pessoas não fizeram mal a ninguém, não tinha o direito de o fazer. Porque não matas quem merece em vez de matares pessoas que apenas são aborrecidas?" - a minha voz mostrava a raiva que sentia enquanto a bola de energia girava na minha mão.
Tinha vontade de fazê-la desaparecer, mas não a podia matar sem sofrer consequências de certeza.

Master Yi
Localização: Zona de comércio

Yi cruzou os braços em cima da mesa enquanto batia com os dedos na mesa num ritmo constante.
-Uh... Posso dizer que é amigo da família. Aliás, foi ele que me trouxe o capacete depois de eu o pedir.
Entretanto, Josuke aparece com dois pratos na mão, o prato de Wukong era ligeiramente diferente do de Yi, tendo pequenas rodelas de banana no canto do prato.
-Aqui têm. Bom apetite!
Josuke abandonou a mesa e voltou para a cozinha, deixando-me sozinho com Wukong.
-Com certeza já comeste algo parecido, este só tem um pequeno toque de Piltover.
O prato continha pequenas "fatias" de frango cobertas com molho de cogumelos e uma pequena porção de arroz ao lado, acompanhado de chá verde.
Yi pegou nos seus talheres e olhou para wukong.
-Bom apetite.
E começou a comer, saboreando cada dentada.

Vi
Localização: Ruas, Piltover

Na verdade queria era ir dormir, qual descansar qual quê, estava na hora era de ir para a cama, mas à medida que avançávamos pelas ruas a nostalgia ia batendo, o sentimento de correr pelas ruas atrás dos bandidos ia voltando, a adrenalina ia crescendo.
"Acho que tens razão, estou a ficar com o 'feeling'" disse enquanto saltitava de um lado para o outro a aquecer.

Enquanto caminhávamos em direcção ao centro era possível ver uma espécie de luzes a serem reflectidas nos edifícios, mas não eram luzes, era fogo!
"Acho que temos sarilho." disse olhando para Caitlyn.

Caitlyn
Localização: Praça Principal, Piltover

"Nestas circunstâncias, também não havia outra alternativa.", desde a chegada de Jinx, duvidava que houvesse algum membro do seu Departamento que não tivesse feito horas extras. Era algo que deixava várias pessoas descontentes, o que para Caitlyn era compreensível.

Conforme se aproximavam do centro da cidade, a visão que começava a surgir deixou Caitlyn agitada. Devia ter previsto que algo assim iria acontecer, mas mesmo assim decidira baixar a guarda. Desconhecia ainda o que acontecera, mas conseguia tecer ideias sobre tal. Permanecendo em silêncio perante o comentário de Vi, apressou o passo na direcção do local onde a maior parte do fumo no céu parecia estar localizado.

A sua pressa era tamanha que nem esperara por Vi, mas esta certamente a conseguia seguir. Quando chegara por fim a uma das praças principais da cidade, o cenário com que se deparou era em quase tudo semelhante ao da biblioteca - este apenas demonstrava sinais de que o acontecimento tinha ocorrido há menos tempo. Passando por várias pessoas já a ser assistidas pelos serviços de emergência que entretanto haviam chegado ao local, aproximou-se de um agente da sua esquadra. Este agitara-se por momentos quando sentiu Caitlyn agarrar o seu braço, mas acalmara-se depois de perceber quem o fizera. Depois de este lhe fazer um breve relatório da situação até ao momento, a xerife olhou novamente para a praça.

"Cerquem o perímetro. Ela não perderia a oportunidade de ver o resultado da sua destruição.", os indícios apontavam para Jinx. Não havia relatório de roubos em grande escala. Apenas explosões, confusão e feridos - com a chegada de Caitlyn e de Vi, talvez até tivessem a sorte desta se mostrar. O rapaz assentiu e desapareceu a correr, provavelmente para dar indicação das suas ordens.

Caitlyn suspirou, aproximando-se do local de maior aglomerado de feridos, para perceber o número total de pessoas feridas até ao momento.

VI
Localidade: (o que resta do) Concerto, Praça principal, Capital

Não havia tempo a perder Caitlyn simplesmente começou a acelerar o passo, segui-a até ela parar, o local estava uma completa confusão, Caitlyn ficou a falar com um dos agentes mas eu continuei, desta vez a correr, à procura de Jinx. Tinha a certeza absoluta que tinha sido ela a causar aquela destruição e desta vez ia pagar por tudo que tinha causado. Segui os gritos de agonia que ainda ecoavam no local e finalmente deparei-me cara a cara com...elas?

"A-AHRI!? Também tu!?" a minha expressão de surpresa passou a desilusão. Nem queria acreditar que ela estava em parceria com a Jinx.

A Ahri encontrava-se com uma esfera a girar na sua mão, queria acreditar que ela não fazia parte daquele massacre mas era impossível, encontrava-se lado a lado com aquela psicopata manipuladora.

A minha desilusão rapidamente se transformava em raiva.

Jinx
Local: Concerto.

A esfera que a Rabuda tirou sei lá de onde iluminava a cara da mulher-raposa, que por vez exprimia um grande desagrado pela situação. “Estou apenas a pôr um pouco de adrenalina na vida desta gente, não consegues ver?” - O que quer que seja que aquela bola fosse não parecia ser bom para mim. “O que vais fazer com essa bola? Queres jogar um jogo a estas horas? Essa coisa de dar luz dá jeito para jogar à noite. Era capaz de ser um bom negócio.” – Disse-lhe piscando o olho, alcançando discretamente a parte de trás do meu cinto.

As coisas ficaram ainda mais interessantes quando a Mãos-Gordas entrou em cena. O que ela disse à Rabuda fez-me ter uma ideia divertida. “Já não era sem tempo. Onde está a Cartola? Existe um certo ritmo para isto. Eu faço sarilhos. Vocês aparecem. Rimo-nos um bocado e o jogo começa todo de novo. O jogo nunca foi justo. Eram sempre vocês as duas contra a pobre e inocente Jinx – e os seus amigos que vamos deixar de parte porque armas não têm pernas. Agora sim podemos jogar de forma justa.”

Wukong
Localização: Zona de comércio

Estava cheio de fome, enquanto que Yi diz me que era um amigo de família e que foi ele que lhe tinha trazido o capacete "Oh fico aliviado então..." Mas depois oiço passos a chegarem e oiço sons, especialmente do barulho interior e exterior...
Chega os nossos pratos e o meu era ligeiramente diferente por causa das rodelas de banana. Dei um riso e depois olho para Yi, ele disse que de certeza que já tinha comido isto, só que desta vez tinha um toque de Piltover... Vi logo, era muito diferente, sim senhora... O prato está recheado de frango, cogumelos, arroz e as tais rodelas de banana. Molhei uma no molho e estava delicioso "Hmmm.. Bom apetite para sim também mestre" disse ao pegar nos talheres e comecei a comer, adorando cada garfada de comida que tinha a minha frente " Que paraíso..." Pensei eu...

Ahri
Local : Concerto

"V..VI? Ainda bem que chegaste." - Disse a Vi sem tirar os olhos de Jinx. " Esta rapariga é louca. Completamente louca. Eu pensava que ela era uma apreciadora de arte, afinal a arte dela é fazer as outras pessoas sofrer. E eu estou prestes a fazê-la sofrer também"-Disse começando a fazer a minha bola de energia passar de um azul para um verde.

Caitlyn
Localização: Praça Principal

O cenário não era bom - mas não era de longe o pior que Caitlyn já havia visto depois de um ataque de Jinx. A xerife suspirou - quando ela se conseguia sentir feliz por uma situação não ser /tão/ má, havia algo de profundamente errado. Decidiu afastar-se para não perturbar o trabalho em curso e aproximou-se então do responsável pela gestão das operações no local. A sua face e o seus gestos lentos davam a entender que estava exausto, situação que se estendia também a outros membros da equipa que havia visto previamente.

Enquanto Caitlyn estivera a entreter-se com os seus assuntos pessoais na academia, estas pessoas tinham continuado a dar o seu melhor pelos cidadãos de Piltover. Recordou-se das palavras prévias do chefe da equipa de salvamento e deduziu que não fosse o único a ter esses sentimentos. Guardando os seus pensamentos para si, garantiu ao homem na sua frente que fariam os possíveis para ajudar e afastou-se, consciente que seria algo difícil de cumprir.

Quando saiu do círculo de feridos, foi interpelada por um dos membros da força policial. A forma rápida e atrapalhada como este se manifestou primeiramente impediu-a de perceber qualquer palavra que este mencionara. Colocando as mãos nos ombros deste, pediu-lhe que se acalmasse e explicasse a situação de forma concisa.

Aos poucos, foi decifrando algumas palavras chaves. Vi. Jinx. Uma mulher e uma bola estranha. Uma série de detalhes desnecessários. Faltava-lhe a resposta a uma pergunta fundamental.

"Onde?", o tom autoritário de Caitlyn sobressaltou o jovem, que após algum atrapalho inicial apontou numa direcção específica. Caitlyn correu na direcção apontada por este, procurando evitar os maiores aglomerados de pessoas. A certa altura, encontrou o grupo descrito previamente pelo rapaz. Ainda a certa distância, começou a levar a mão à arma nas suas costas - mas não a chegou a tirar. A xerife tinha quase a certeza que não falharia um tiro com aquela distância - mas não só havia a pequena possibilidade de acertar em Vi (e em Ahri, que havia identificado momentos antes), como o som de um disparo seria o suficiente para voltar a causar pânico nas pessoas que ainda ali se encontravam. Não podia correr esse risco.

Vi estava próxima o suficiente para capturar Jinx, mas não o havia feito ainda. Por algum motivo, encontrava-se apenas parada junto das outras duas.

"VI!", Caitlyn esperava que o seu grito fizesse Vi acordar para a realidade. Se ela capturasse Jinx ali, óptimo. Caso contrário, afastá-la daquele lugar (e da multidão) por enquanto seria suficiente.


Master Yi
Localização: Zona de comércio

Yi não falou muito durante a refeição, mas enquanto comia, começava a ver as luzes das ruas a acender enquanto o sol começava a desaparecer. Terminou de comer e levantou-se, foi ter com Josuke e agradeceu-lhe pelo Jantar, prometendo que iria voltar antes de ir embora.

Yi voltou para perto de Wukong e colocou a sua mão no ombro dele. "Vamos lá, é melhor irmos indo, acho que não é boa ideia ficarmos perdidos por aqui."

Wukong
Localização: Zona de comércio

Wukong apreciava cada dentada do seu delicioso prato. Yi não disse nenhuma palavra durante a sua refeição mas foi olhando para a rua e eu olhei também, vendo que as luzes já se estavam a ligar, ou seja, já era de noite e estava tudo escuro. Yi levantou se e foi agradecer ao Josuke e disse que tínhamos de ir embora. Levantei me e fui ter com eles os dois, curvando me para Josuke como sinal de agradecimento pelo delicioso jantar e com um sorriso na cara. "Muito obrigada senhor Josuke" disse e fiquei a espera da resposta de ambos

VI
Local : Concerto

Como sempre Jinx estava a falar barbaridades e eu ainda não acreditava que a Ahri estava do seu lado. Felizmente ela tinha-se apercebido disso, que Jinx era passada dos cornos.
"Ahri! Ela é perigosa, anda para aqui!" gritei na esperança que ela viesse para o meu lado, mal ela sabia do que Jinx era capaz e eu não queria colocar Ahri em perigo.
Entretanto chegou Caitlyn e estava na hora de colocar aquela psicopata atrás das grades de uma vez por todas.
"Queres jogar a um jogo Jinx? Começa a correr...Vais ir para a gaiola por muito tempo!" disse de modo a provoca-la enquanto a pressão das minhas manoplas aumentava, estavam prontas para acção e quebrar alguns ossos.

Master Yi
Localização: Zona de comércio

Yi agradeceu uma última vez a Josuke pelo jantar e deixou uns trocos perto da mesa dele, deu um toque no braço de Wukong e abandonou o estabelecimento com o mesmo. Caminhou poucos minutos até voltar à estalagem onde tinha arranjado um quarto anteriormente. Falou com a menina da recessão e recebeu a indicação de como chegar ao seu quarto, parou frente à porta e segurou as chaves pela ponta, abanando-as para Wukong.
-Queres fazer as honras?

Jinx
Local: Concerto

O meu plano de tentar enganar a Mãos-Gordas parecia estar prestes a ir por água-abaixo. “Boa jogada Rabuda! Agora lembra-te de atacar quando ela menos esperar!” – Já tinha o coração aos saltos com a situação. Elas estavam próximas demais para o meu gosto. Se fosse só a Mãos-Gordas a coisa era fácil mas não sei do que a Rabuda é capaz de fazer e não queria arriscar enfrentar a bola de discoteca dela. Do meu cinto retirei uma tartaruga humanoide que já tinha preparado para explodir. “Á bocado, na academia, não querias o meu presente mas agora vais tê-lo à força. Baixa-te! Vai Michelangelo, escolho-te a ti!”- Disse atirando a granada em forma de tartaruga para o espaço entre nós as três. “Tava só a brincar. Baixar não vai ajudar.” – Saltei depois rapidamente para os becos de onde saí para arranjar cobertura e, sem olhar para trás para ver a explosão, como a miúda fixe que sou, fugi o mais depressa que conseguia.

Ahri
Local: Concerto

"Esta miuda é maluca, CORRAM" - Gritei enquanto ia na direcção de Vi e de Caitlyn. Não sabia o que a doida tinha deitado para o meio do chão mas depois de ver o que ela era capaz de fazer não podia ser coisa boa. Escondi-me na esquina de uma casa esperado que Vi e Cailyn também conseguissem escapar

Wukong
Localização: Zona de comércio

Wukong reagiu sentindo um toque no braço, era Yi a dar me sinal para abandonarmos o edifício. Caminhamos pouco até a estalagem que iríamos ficar. Vimos uma menina da recepção, era magra e linda. Mas de seguida segui o meu mestre até ao nosso quarto, mas depois parou em frente a porta, tirou as chaves e foi abanando as dizendo: "queres fazer as honras?"
Estava empolgado e curioso mas agradeci e agarrei nas chaves. A porta tinha uma ranhura pequena para a mesma e poucos segundos abri. Assim que abro e entro no quarto, cai me tudo, incluindo a mala e o bastão. O quarto era lindo e fiquei parado por uns momentos de só ver o quarto.. "Uau os colchões parecem confortáveis" e com isso pensado, agarrei nas minhas coisas e saltei para uma das camas que havia em frente da entrada do quarto. "Ahhh... Perfeita, fofinha e branca como eu gosto" disse a sorrir

Caitlyn
Localização: Concerto, Praça Principal

Ainda a alguma distância, viu que Vi parecia ter reagido ao seu grito e se preparava para investir contra Jinx. Entretanto, alguma coisa parecia ter acontecido que havia sobressaltado tanto Vi como Ahri. No espaço de poucos segundos, viu Vi a atirar-se para fora do círculo, Ahri a correr na sua direcção e Jinx na direcção contrária.

Ainda deu um passo na direcção do local onde estas se encontravam antes de se aperceber do pequeno objecto no chão. Os seus olhos arregalaram-se e rapidamente se virou para uma pequena multidão que se havia aproximado nos últimos minutos.

"AFASTEM-SE!", uma porção de milissegundos passou entre a sua ordem e os gritos de pânico, seguido do som de uma explosão. Apesar de ter conseguido aumentar a distância das pessoas na multidão do objecto, Caitlyn esquecera-se de fazer o mesmo para si mesma. Embora longe o suficiente para evitar danos fatais, a força do impacto fora o suficiente para lançar a xerife uns metros para a frente e de encontro ao chão.

VI
Localização: Concentro, Praça Principal

Jinx com as suas piadas secas atirou o que parecia ser uma granada para o nosso meio, estava demasiado perto para poder fugir a tempo sem nenhuma lesão, a minha primeira reacção foi colocar as minhas manoplas à frente e fazer uma espécie de escudo para proteger Ahri, Caitlyn e quem tivesse atrás de mim.

Má ideia.

Tudo ficou em câmara lenta, um clarão enorme foi-se apoderando da minha visão, senti as minhas manoplas a aquecer e a começar a cederem, não ia ser o suficiente, tudo aconteceu tão rápido. Descolei do chão com um enorme estrondo e caí a vários metros do local da explosão sem me conseguir mexer, não sentia os meus braços, aliás, não sentia o meu corpo, a única coisa que sentia era o ardor dos vários cortes no meu rosto e corpo provocados pelos estilhaços. A dor era bastante, acho que a aterragem não tenha sido das melhores, sentia algo a escorrer-me pela testa abaixo até ao meu queixo, estranho, não me lembro de estar a suar. Queria-me levantar mas não conseguia, estava imóvel e cansada, toda esta confusão tinha-me deixado com sono, já nem queria saber se Jinx fugia, só queria dormir...até amanhã.

"Ughhh..." murmurei com agonia enquanto perdia lentamente a consciência.

Master Yi
Localização: Zona de comércio, Estalagem

Olhou em volta, apreciando o quarto, era lindo. Estava habituado aos quartos das estalagens serem algo extremamente simples, apenas tendo uma cama e mais nada. Yi removeu a sua armadura, ficando apenas com a sua roupa interior e uma T-shirt. Deixou-se cair na cama livre e olhou para Wukong.
-Ainda bem que gostaste.
Yi sorriu e fechou os olhos, adormecendo em poucos segundos.

Jinx
Local: Becos

O Michelangelo parecia ter cumprido a sua missão. Desde que escapei para os becos que não tinha visto ninguém, o que em parte me desiludiu. Será que as coisas correram mal para a Vi e a Ahri? Duvidei. A Mãos-Gordas não morreria mesmo que a matassem e ela, sendo uma das defensoras da cidade, faria de tudo para proteger inocentes como a Rabuda.

Por muito que me custasse a admitir mesmo com esta ação toda eu já estava a começar a ficar cansada. Talvez tenha sido por não ter comido nada o dia inteiro. Tinha que arranjar algum sítio para dormir e por acaso conhecia o lugar ideal para passar a noite. Com todo o cuidado para evitar ser achada por robôs patrulhas que estavam a vasculhar a cidade, progredi lentamente pela cidade até chegar a um armazém com aspeto degradado. Tinha paredes grafitadas, pequenas plantas a crescerem no solo e poucas eram as janelas que não estavam partidas. Este era um dos armazéns espalhados por Piltover que eu usava como esconderijo.

Entrei pela janela estreita, que eu já tinha limpado de qualquer vestígio de vidros, e deparei-me com um local que era quase completamente escuro, não fossem os pequenos raios de luz da cidade que janelas deixavam entrar. Sem esperar que a minha visão se ajustasse à escuridão guiei-me com uma mão encostada à parede pelo armazém que por esta altura já conhecia como a palma da minha mão. A escuridão do armazém não estava a ajudar o meu sono e quase não cheguei ao colchão que tinha preparado para estas ocasiões. Pousei o Fishbones e a Pow-pow no chão e deixei-me cair para o colchão quando cheguei, adormecendo no momento seguinte.

Ahri
Local : concerto

Quando a explosão passou e o fumo resultante começou a baixar decidi sair do meu canto para ver se Vi tinha conseguido fugir.
Ao chegar ao local onde tínhamos estado vi Vi deitada no chão coberta de fuligem e com as suas mãos de ferro completamente negras. "Oh meu deus, Viiiii", gritei em desespero enquanto corria para o corpo tombado dela. As suas roupas estavam danificadas pela explosão e sangue manchava-as onde cortes tinham sido feitos.
"Oh por favor não estejas morta", disse lhe enquanto me agachada e pousava a cabeça dela nos meus joelhos. " "ajudem por favor", tentei gritar enquanto a voz me falhava e as lágrimas escorriam pelas minhas faces.

Caitlyn
Localização: Concerto, Praça Principal

Nos minutos seguintes à explosão, Caitlyn sentiu-se desorientada e limitou-se a ficar quieta no mesmo local, olhando em seu redor para tentar perceber aquilo que a rodeava. Depois de algumas tentativas falhadas para se levantar, forçou-se então a sentar para poder avaliar melhor as suas circunstâncias. O fumo levantado pela explosão deveria passar em breve e Caitlyn poderia ver a extensão dos danos causados por esta - esperava que tanto a força policial como as restantes já se tivessem começado a mobilizar.

Decidiu tentar levantar-se e desta vez foi uma dor aguda que a fez voltar a baixar-se. Com algum do fumo a dispersar-se, Caitlyn olhou para a sua perna e percebeu o porquê - talvez por virtude da adrenalina da situação ou da sua desorientação, não tinha ainda visto o pedaço de vidro espetado na sua coxa direita. Podia esperar que uma das equipas médicas ali chegasse para a assistir.

Mas não tinha tempo para tal. Havia tanto para averiguar: os danos da explosão, as pessoas feridas, Vi. Vi. Da última vez que a havia visto, esta estava demasiado perto do centro da explosão. Onde estaria ela?

Suspirou enquanto encarava o objecto cortante e aproveitou para rasgar o tecido que circundava o local onde o vidro havia feito danos. Retirar aquilo ia ser bem mais doloroso do que desejaria, mas não havia forma de caminhar assim. Mordeu o seu antebraço enquanto retirou o objecto afiado da sua perna lentamente, sentindo algumas lágrimas a formarem-se no canto do olho. Depois de este ter saído por completo, observou o tamanho deste para tentar ter uma noção dos danos.

Atirou-o para o lado e usou o tecido que havia rasgado anteriormente para atar a ferida, usando depois um dos cintos na perna oposta para ajudar a fechar ainda mais a ferida - para alguma coisa teria de servir a quantidade ridícula de cintos que usava - acompanhado por um grunhido de dor.

Entretanto, o fumo esvanecera um pouco mais e permitira-lhe ter uma visão melhor dos arredores. Foi um grito a alguma distância que lhe chamou à atenção, todavia. Colocou-se em pé e coxeando ligeiramente, caminhou na direcção da voz de Ahri.

"Ahri...?", quando a encontrou por fim, o seu foco mudou rapidamente dela para quem estava sobre as suas pernas. O sentido de urgência fez com que ignorasse a dor na sua perna e se deslocasse rapidamente para junto de ambas, ajoelhando-se. Pensou em enxotar Ahri para fazer o que pretendia, mas a sua expressão transmitia uma agonia tão grande que decidiu fazê-lo adaptando-se à situação. Não queria que Ahri percebesse que a sua aflição era tão grande quanto a dela, igualmente.

Colocou dois dedos na lateral do pescoço de Vi e esperou alguns segundos para confirmar o seu pulso - havia batimento cardíaco. De seguida, aproximou o ouvido da boca da sua parceira enquanto forçava a abertura desta e pareceu-lhe ouvir respiração.

Uma visão geral do aspecto físico de Vi não a ajudou a acalmar. Vi não estava morta, mas precisava desesperadamente de assistência. Essa assistência parecia tardar, o que não contribuía para acalmar a preocupação de Caitlyn - que rapidamente se transformou em irritação.

"Precisamos de um médico!", gritou, para ninguém em especial.

Wukong
Localização: Zona de comércio, Estalagem

Eu já estava na cama, apreciando a fofura e conforto da mesma. Yi já tivera adormecido e eu poucos segundos fizera o mesmo.
Já não estava em mim, estava tudo escuro. Ouvia uma voz familiar, não conseguia ver nada estava tudo negro.. "não!!" Foi o que ouvira, e poucos segundos reconhecera a voz, e começou a aparecer imagem, era Ahri a chorar ajoelhada com a sua cabeça no corpo de uma rapariga, não conseguia perceber quem era. Eu só me apetecia correr para a acalmar mas depois vi um foguete a ir em direcção dela, "NAAAAAOOO!! AHRI!!"
Gritei e acordei sobressalto e com respiração acelerada. Estava tão assustado que já não queria dormir. Tinha adormecido com a armadura mas isso não importava. Não sabia o que tivera sonhado se era verdade ou se era algum sinal. Estava assustado e com respiração acelerada... Estou com os olhos todos abertos pela intensidade do susto..


Última edição por Sanguinia em Seg Out 15, 2018 10:31 pm, editado 3 vez(es)
avatar
Admin
Mensagens : 41
Data de inscrição : 30/09/2018
Ver perfil do usuário

Re: Nação de Piltover

em Seg Out 08, 2018 10:05 pm
- TERÇA-FEIRA, MANHÃ -

CONSTANTINO - EQUIPA DE RESGATE E SALVAMENTO
Localização: Concerto, Praça Principal

Tinha acabado o meu turno e já estava a arrumar as coisas quando recebemos uma chamada urgente, mais um incidente, desta vez na praça principal, o numero de feridos era indeterminado.
Suspirei fundo, já estava a ser tarefa a mais para um jovem como eu, é para começar a semana em grande já estou a ver.
Preparei as coisas e dirigi-me ao local que mais parecia uma carnificina, felizmente já tínhamos bastantes membros no local, a ordem que tinha era tratar de qualquer ferido que encontrasse, assim que me aproximei para observar melhor o que estava a acontecer ouvi uma explosão ao longe seguido de bastante fumo. Cautelosamente fui-me aproximando, segundos depois uma voz familiar gritou que precisavam de um médico, era Caitlyn, a Xerife de Piltover.
Agarrei na minha mala de socorro e fui a correr ao seu auxilio, deparei-me com Caitlyn seguido de uma mulher um pouco estranha agachada com alguém deitada nas suas pernas. Nem queria acreditar, era Vi a defensora. Nem a consegui reconhecer de imediato devido ao estado em que ela se encontrava.
"Presente." disse aproximando-me rapidamente de Vi.
Agachei-me e comecei os procedimentos básicos, Vi estava viva mas inconsciente, comecei por tratar da ferida que esta tinha na cabeça, o importante agora era leva-la para o hospital.
Rapidamente mais membros da equipa de resgate vieram e tratamos de colocar Vi numa maca.
"Não deve passar de uma concussão cerebral e uns ferimentos ligeiros, ela estará bem dentro de uns dias. Afinal, estamos a falar de Vi." disse de modo a acalmar Caitlyn e a outra jovem, apesar de não ter a certeza do que tinha dito, queria acreditar que ela iria ficar bem.
Foram precisas 4 pessoas para levantar aquele peso todo de Vi, ninguém se tinha atrevido a retirar-lhe as manoplas e ainda bem, a última coisa que queríamos era Vi furiosa. Carregamos Vi para dentro do carro de emergência e este partiu logo para o Hospital. Voltei para a beira da Xerife e da outra jovem e disse-lhes: "Amanhã ela já deve estar acordada, passem lá se quiserem e..."
Interrompi a mim mesmo quando vi uma enorme mancha vermelha na coxa de Caitlyn, esta também tinha sido ferida e com a minha pressa nem tinha notado,
"Xerife, a sua coxa." Mal falei outro membro da equipa foi logo tratar da sua ferida, e para minha surpresa era o Tiago, nunca tive confianças com ele mas sempre que passava por ele ouvia-o sempre a falar da Xerife, acho que ele tem um fraquinho por ela.
"Sendo assim o meu trabalho aqui esta feito, com licença." disse afastando-me do local e deixando Tiago com a Xerife e a outra jovem. Já era super tarde e amanhã tinha-me que levantar cedo. Fui para casa e assim que cheguei à minha caminha deitei-me e adormeci logo.

Localização: Hospital, Piltover
De manhã mal acordei vesti-me e dirigi-me até ao hospital de Piltover para verificar o estado de Vi, assim que cheguei ao seu quarto foi me impedida a entrada, Vi ainda não tinha acordado mas encontrava-se tudo 'ok'. Mais aliviado voltei para casa e continuei o resto do meu sono.

Ahri
Local : Concerto
Caitlyn e o rapaz que chegou após Caitlyn chamar por ajuda acalmaram-me dizendo que ela estava viva. Quase me caiu uma lágrima pelo rosto. Rapidamente Vi foi transportada para o hospital e Caitlyn tratada no local. Não sei como tinha sido tão estúpida ao acreditar em Jinx, aquela rapariga era completamente doida varrida. Não tinha qualquer respeito pela vida dos outros. Como raio ela tinha sido convocada para a academia? Será que tudo é permitido naquele edifício?
Assim que ambas foram tratadas nada mais podia fazer, e alem disso nem tinha onde dormir. Durante a noite fui procurando pelo raio do hospital. Não tinha sido uma tarefa facil mas lá dei com aquilo. Entrei pelas portas das Urgências a perguntar por Vi mas disseram-me que ela ainda não podia receber visitas.
Sentei-me numa cadeira e olhando para o Sol que já brilhava adormeci.

VI
Localização: Hospital, Piltover

Acordei com grandes tonturas e uma dor de cabeça bastante forte, sentia-me muito cansada e cheia de náuseas, parecia que podia vomitar a qualquer momento. Abri os olhos e já era de dia, estava no que parecia ser numa cama de hospital cheia de ligaduras nos braços, não tinha capacidade para raciocinar e então deixei-me estar esperando que estes efeitos passassem ou que a morte me levasse, de seguida voltei a fechar os olhos e adormecer por mais um bocado.

Master Yi
Localização: Zona de comércio, Estalagem

Yi dormia profundamente, não conseguia acordar por nada, afinal, ele esteve dias sem dormir. Mas, como sempre, o seu sossego havia sido interrompido, quando acidentalmente caiu a baixo da cama. Yi esfregou a cabeça até a pequena sensação de dor desaparecer, quando se levantou, reparou que Wukong estava em estado de choque, o espadachim aproximou-se lentamente e colocou a sua mão no ombro de Wukong.
-Tiveste um pesadelo, macaco?

Caitlyn
Localização: Concerto, Praça Principal

Ao fim do que pareceu uma eternidade, um rapaz aproximou-se do local onde se encontrava e começou a observar Vi, pelo que Caitlyn afastou-se para lhe dar algum espaço para trabalhar. Agora levantada e com a poeira a assentar, pôde observar os arredores - mais destruição, mais pessoas assustadas. Observou a situação em silêncio e tentando não se manifestar, até que mais membros da equipa de socorro apareceram para transportar Vi.

A xerife percebeu o intuito daquilo que o membro da equipa de socorro lhe tinha dito - mas se talvez isso funcionasse com Ahri, não servia para a acalmar. Se os feridos na sua força eram poucos antes, o número tinha aumentado exponencialmente desde a chegada de Jinx. Tinha perdido a conta ao número de "ferimentos ligeiros". Vi foi então transportada para o hospital de forma tão rápida que Caitlyn não tinha tido tempo de dizer que queria acompanhá-la - a prioridade era que esta chegasse às mãos de pessoas qualificadas, porém, por isso não se importou.

Entretanto, o rapaz que havia assistido Vi voltou para junto dela e de Ahri e apontou a sua ferida na coxa. Antes que pronunciar sequer uma palavra, um outro rapaz apareceu subitamente e disponibilizou-se a tratar do seu ferimento. Este encaminhou-a para um banco - que de algum modo ainda estava intacto no meio de tanta explosão - para que pudesse observar melhor o ferimento. Assentiu e deitou um último olhar a Ahri - quando voltasse trataria de tentar arranjar-lhe local onde ficar durante a noite.

Depois de se sentar, desamarrou o pedaço de tecido que tinha servido como ligadura e tirou o que restava da parte de baixo do tecido da perna - com tantos rasgões, não havia como salvar aquelas calças, por isso mais valia tentar despachar a tarefa ao rapaz. Não sabia exactamente porquê, mas de algum modo este parecia-lhe atrapalhado enquanto tentava desinfectar a sua ferida.

"Demore o tempo que precisar.", era na verdade o oposto daquilo que Caitlyn queria - tinha outros sítios onde estar, mas não lhe pareceu adequado estar a apressar alguém que provavelmente estaria esgotado depois de um dia atarefado. Ao fim de algum tempo e com uma ligadura em torno da sua ferida, agradeceu o trabalho do rapaz - que entretanto descobrira que se chamava Tiago - e despediu-se deste, voltando para o local onde estava antes.

Para sua surpresa, Ahri tinha desaparecido. Procurou então um dos seus agentes, que lhe fizeram um relatório da situação - Jinx havia escapado uma vez mais. O facto não surpreendeu Caitlyn, pelo que perguntou em seguida por Ahri - ninguém tinha visto alguém que correspondesse à descrição dada pela xerife. Suspirou e agradeceu o trabalho, incentivando-o a ir para casa. Ela coordenaria o resto das operações.

---

A luz do amanhecer invadiu a praça e tudo parecia estar mais ou menos encaminhado - os feridos tinham recebido assistência ou sido transportados para o hospital, os corpos dos mortos estavam também já a ser retirados para perícias específicas depois de Caitlyn e alguns agentes terem estado a examinar o perímetro e a recolher provas - ela sabia que os agentes que a acompanhavam achavam o processo desnecessário quando todos sabiam perfeitamente o que tinha acontecido, mas Caitlyn queria que o procedimento oficial fosse cumprido de qualquer modo.

Quando a xerife abandonou por fim o local, já os meios estavam a ser mobilizados para tentar limpar os destroços. Já fora da vista da maior parte das pessoas e tendo em conta que as ruas de Piltover ainda estavam vazias naquele momento, Caitlyn deixou de tentar esconder o coxear que ainda a afectava.

Ao fim de algum tempo, com os devidos cuidados que tomava sempre, chegou a casa. Atirou o que restava das suas roupas para o sofá da sua sala e procurou uma muda de roupa. Tinha pensado em mudar apenas de roupa e correr para o hospital, mas lembrou-se que provavelmente não seria aceitável apresentar-se daquele modo perante todas as pessoas com quem inevitavelmente teria de lidar naquele dia. Tomou o banho mais rápido da sua vida e vestiu-se, tendo o cuidado de substituir a ligadura que tinha acabado de arruinar. Saiu de casa e aproveitou as ainda vazias ruas de Piltover para correr até ao hospital.

Local: Hospital, Piltover

O cenário era inevitavelmente caótico, com os médicos a correr de um lado para o outro e feridos nos corredores. Abordou uma enfermeira no meio do corredor, que quase lhe disparou a sua resposta automática nas últimas horas. Provavelmente antecipando o porquê de Caitlyn ali estar, indicou um corredor e um número de quarto, dizendo-lhe porém que naquele momento não eram permitidas visitas. A xerife não soube se foi o seu olhar autoritário ou a pressa da enfermeira em ir aos seus deveres que a fizeram proferir a seguir que se não incomodasse o trabalho dos médicos, poderia entrar.

Quando ia começar a seguir caminho, viu uma pessoa que se destacava na sala de espera. Ahri estava a dormir profundamente, ignorante ao que se passava em seu redor. Pensou em acordá-la e levá-la consigo, mas deixou-a a dormir. Planeava demorar-se pouco para prosseguir o seu trabalho, por isso poderia despertá-la quando saísse para fazer companhia a Vi.

Seguiu o trajecto indicado pela enfermeira e chegou por fim ao quarto indicado. Bateu primeiro à porta, para ter a certeza que não iria incomodar o trabalho de um médico e depois de não obter resposta, entrou e fechou a porta atrás de si.

Caitlyn achou que estava preparada para o que iria ver depois de ter visitado tantos agentes seus em condições igualmente más, mas estava enganada. A visão de Vi indefesa numa cama de hospital, com inúmeras ligaduras e ferimentos, tinha sido o ponto final numa série de acontecimentos horríveis.

Cabisbaixa, Caitlyn puxou uma cadeira para junto da cama e sentou-se. Levou ambas as mãos à face e por momentos pensou que iria chorar.

Os corpos no chão da praça, as inúmeras pessoas que choravam de medo e de dor, edifícios destruídos, Jinx à solta por Piltover uma vez mais, Vi ferida e ainda inconsciente. A única responsável por todos aqueles acontecimentos era ela. Jinx podia ter causado aquilo tudo, mas era a sua incompetência que lhe permitia continuar a fazer aquilo à sua cidade.

Lembrou-se de quando Jinx havia desaparecido da academia e tinha dito a Vi que isso era bom. Retiraria essas palavras cem vezes se fosse possível. Embora tivesse noção do quão horrível o pensamento era, não pôde evitar desejar que Jinx tivesse ficado na Academia e explodisse esse edifício em vez de destruir Piltover. Os invocadores teriam arranjado alguma solução para o assunto, mas Caitlyn não tinha o poder que eles tinham.

Tinha aprendido a lidar ao longo dos anos com criminosos, a interpretar as suas intenções e a usar isso em sua vantagem. Mas Jinx escapava ao padrão - a única coisa que a parecia mover era uma necessidade de causar pânico, uma necessidade horrível de ver o mundo arder. A única outra coisa que Caitlyn tinha sequer considerado era a estranha obsessão que esta tinha com Vi - certo que as provocava a ambas, mas as provocações a Vi pareciam noutro nível.

Caitlyn desprezava as posições de alguns políticos em Piltover que já havia ouvido advogarem a pena de morte para certos criminosos - não lhes cabia a eles nem a ninguém tirar a vida a alguém de forma arbitrária. Mas, por mais que uma vez, em alturas em que gostava de acreditar que não estava num bom estado mental, desejara seriamente que alguém pusesse fim à vida de Jinx.

Suspirou de seguida e pousou as mãos nas pernas, olhando para as palmas das suas mãos.

"Estou... cansada.", não sabia se estava a falar para Vi ou para o nada. Era algo de que já se havia apercebido há algum tempo, mas que nunca se permitira vocalizar. Provavelmente seria a primeira e última vez que o diria. Desviou o olhar para Vi e depois para a mão desta. Estendeu a sua própria mão nessa direcção e ao mesmo tempo que entrelaçava os seus dedos na mão da sua parceira, pousou a sua cabeça sobre o corpo de Vi.

Permaneceu assim durante alguns momentos, enquanto imagens da visão que lhe havia sido destinada em Niflheim voltaram a invadir a sua mente. Iria Vi abandoná-la também? Era provável. A única coisa que a prendia a Caitlyn era o contrato que a fizera assinar - não lhe tinha dado exactamente escolha, ou o assinava ou era presa. Se perdesse o cargo de xerife, Caitlyn não tinha nada a oferecer-lhe ou algo de que ela precisasse.

Mas apesar do quão lógico isso lhe parecia, o mero pensamento de isso acontecer era doloroso demais.

"Não me deixes...", ao mesmo tempo que pronunciava essas palavras, o sono tomou conta de si e Caitlyn adormeceu.

Jason
Localização: Hospital, Piltover

Jason estava farto de esperar por uma notícia do seu filho e dos seus pais. Eles os três tinham saído para um concerto na noite anterior e hoje de manhã ouviu a notícia de um ataque. Não sabia se eles estavam vivos ou mortos, todos o ignoravam e ninguém lhe dava respostas.
- MAS SERÁ QUE NINGUÉM AQUI ME SABE DIZER SE O MEU FILHO ESTÁ VIVO? - gritou no meio da sala de espera.
Não obteve resposta. Cansado e desesperado, Jason acabou por se sentar ao lado de uma mulher estranha que dormia, sem ligar muito à sua estranha aparência. Levou as mãos à cara e começou a chorar.

VI
Localização: Hospital, Piltover

Parece que os poucos minutos de sono tinham feito a diferença, tanto as dores de cabeça como as náuseas tinham passado, mas ainda tinha o meu corpo dormente, quando abri os olhos soltei um sorriso, Caitlyn tinha vindo visitar-me e estava a dormir sobre o meu corpo enquanto me dava a mão, um ato que me comoveu, nunca pensei que Caitlyn preocupava-se assim tanto comigo, apesar de ser bastante chata com ela e só lhe dar trabalho no fundo, ela sempre se importou comigo, confesso que no inicio, quando começamos a trabalhar juntas, houve alguns atritos mas nos dias de hoje não a deixava por nada, estaria lá sempre que ela precisasse. "Obrigada pela visita Cait, e desculpa..." sussurrei enquanto fazia-lhe leves festas no cabelo.
Tudo isto era culpa minha, se não tivéssemos ido jantar tão longe podia-mos ter impedido aquela chacina, se tivesse sido mais cautelosa não estava neste estado. Por vezes sinto-me que sou um peso para ela, que só lhe atrapalho e lhe dou trabalho, ajo pelo meu instinto em vez de pensar e magoo toda a gente, "...desculpa por tudo Cait..." disse tendo uma luta interna para não chorar, mas era impossível. "Só faço asneiras..." disse lacrimejando.

Ahri
Local : Hospital

Acordei com gritos abafados na minha cabeça. Quando finalmente abri os olhos ao meu lado tinha se sentado um homem que chorava copiosamente.
"Está tudo bem?" perguntei-lhe sem querer invadir muito a sua privacidade.

Jason
Localização: Hospital, Piltover

Seria possível que depois de ter perdido a sua mulher, relativamente há pouco tempo, Jason ia perder também os pais e o filho? Essas eram as imagens que percorriam a sua cabeça nesse momento. Estava desesperado e sem saber o que fazer.
- H-hem? - disse levantando a cabeça para a voz a seu lado. Uma mulher belíssima com umas estranhas orelhas e múltiplas caudas perguntou como estava. Primeiramente sentiu-se confuso, e limitou-se a olhar para ela enquanto várias lágrimas escorriam pela sua face ficando perdidas no meio da barba. Quando acordou daquele transe respondeu limpando a cara com uma das mãos - H-houve um terrível acidente esta noite numa das praças de Piltover. Os meus pais e o meu filho estavam a assistir a um concerto e não sei o que é feito deles. Não sei se morreram, se estão feridos, nada! Ninguém me informa de nada neste hospital!

Dr.António
Localização: Hospital, Piltover

Tinha acabado de chegar ao Hospital, peguei na ficha de Vi e dirigi-me ao seu quarto, provavelmente já devia estar acordada e era hora das visitas.
A noite de ontem tinha sido de doidos, nunca a tinha visto assim, para não falar que as suas manoplas estavam quase desfeitas, felizmente um engenheiro que trabalhava no laboratório de Heimerdinger apareceu a tempo para levar e arranja-las ao máximo.

Para minha surpresa já estava alguém presente, reconheci logo, era Caitlyn, apesar de as horas de visitas ser só agora era compreensível a Xerife já estar presente, afinal era a sua parceira.

- "Bom dia, vejo que já está acordada e em boa companhia." - disse.
- "Parece que sofreu um golpe no lobo occipital Vi, isto é, na parte de trás da sua cabeça, felizmente foi uma pequena concussão e não tarda já vai estar nas ruas de Piltover outra vez. Quanto às suas manoplas..." - fiz uma pausa e continuei - "elas foram levadas por um dos engenheiros de Heimerdinger para serem arranjadas, mas estavam em péssimo estado. Aproveite agora para descansar e mais logo outro médico já passa aqui para ver como está." - disse terminando a minha visita a Vi, de seguida saí do quarto e fui ver o próximo paciente.

Ahri
Local: Hospital

"Eu sei, eu tambem estive quase a ir pelos ares, felizmente eu não fui mas uma amiga minha está aqui pela mesma razão que o teu filho e os teus pais" - Fiz um sorriso animador para ver se o acalmava. " Vá vamos lá por estas pessoas a dizer-nos onde estão os teus familiares e a minha amiga" - Peguei no homem pelo braço e dirigimo-nos ambos ao balcão.
"olá minha senhora gostaria de saber onde é o quarto da policia VI e o quarto dos..." Olhei para o rapaz à espera de resposta.

Caitlyn
Localização: Hospital, Piltover

Adormecer não tinha estado nos planos de Caitlyn - com a quantidade de coisas que antecipava ter de fazer, dormir era um luxo de que teria de abdicar naquele dia. As circunstâncias stressantes tinham-na feito chegar a um nível em que acabara por adormecer contra a sua vontade, respondendo ao pedido do seu corpo para que repousasse.

Aquilo que obteve fora toda menos repouso - pelo menos a nível mental. A visão que tivera em Niflheim voltara para a assombrar - podia tê-la visto uma vez apenas, mas sabia perfeitamente como o cenário se desenrolava. Ao ver a figura lamentável da mulher que sabia que era ela mesma uma vez mais, o seu tempo de repouso tornou-se atribulado e fez com que despertasse subitamente, batendo com força com as suas costas contra a parte superior da cadeira em que se encontrava.

A sua respiração estava descompassada e o seu coração batia de forma acelerada. Procurou por breves momentos acalmar-se, olhando para o local onde Vi estaria a dormir. Para sua surpresa, Vi parecia estar acordada naquele preciso momento. O seu rosto e as lágrimas que o invadiam traduziam também o seu estado de espírito no momento.

"Vi...?", era uma visão estranha para Caitlyn. Das duas, Vi sempre fora a que era mais aberta com o que sentia em qualquer momento e que não tinha problema em expressá-lo, contrapondo em tudo a posição de Caitlyn, que ocultava os seus sentimentos e evitava demonstrar o que realmente sentia. Mas a xerife não se lembrava de alguma vez ter visto Vi chorar. Frustrada e mostrando a sua insatisfação destruindo algo? Inúmeras vezes. O choro era algo novo. Jamais havia visto Vi parecer tão frágil. Era desconcertante.

De forma inconsciente, a mão que Caitlyn havia soltado da de Vi quando acordara começou a dirigir-se ao rosto da sua parceira.

"Vi, eu...", o som da porta a abrir fez a xerife voltar à posição rígida que tivera antes, levantando-se de seguida quando um homem - que a julgar pelo traje seria médico - entrou no quarto. "Bom dia."

Depois do cumprimento, Caitlyn limitou-se a escutar o que o médico dizia. Apesar de o estado de saúde de Vi aparentemente não ser tão grave quanto pensara - o que era um milagre tendo em conta a distância a que estivera do local da explosão -, a xerife mudou o foco do médico para Vi quando este mencionou que as suas manoplas haviam sido levadas para ser arranjadas.

Caitlyn teria preferido que o equipamento tivesse sido levado para a esquadra de Piltover - não lhe faltava confiança nas habilidades técnicas de Heimerdinger e da sua equipa, mas não só sabia o valor sentimental que as manoplas tinham para Vi como sabia que Heimerdinger era conhecido por modificar as coisas de forma excêntrica por vezes.

O médico retirou-se de seguida e Caitlyn aproveitou a ocasião para arrumar a cadeira no mesmo sítio onde a encontrara, aproximando-se uma vez mais da cama de Vi de seguida.

"Precisas de algo? Tenho alguns assuntos pendentes na esquadra, mas volto mais tarde.", quão tarde, Caitlyn não saberia dizer. "A Ahri está lá fora, por isso pode fazer-te companhia entretanto."

Jason
Local: Hospital

A mulher disse que também esteve no local do acidente mas felizmente estava bem. O mesmo não aconteceu com uma amiga dela. A estranha mulher transmitia uma calma enorme a Jason, uma calma como ele nunca pensou sentir numa situação daquelas. Sentia um aroma agradável a vir de si, quase como uma droga e ele limitou-se a deixar-se ir com ela quando esta disse que iam até ao balcão ver se sabiam de alguma coisa.
Passaram por entre várias pessoas que corriam de um lado para o outro. Alguns médicos e auxiliares, outros pessoas como ele e aquela mulher misteriosa que não sabiam dos seus entes queridos. O balcão estava atolado de gente a querer informações, mas a mulher que puxava Jason lá conseguiu chegar à frente perguntando à senhora que tentava atender as pessoas se tinha visto a policial Vi. Eu conhecia de vista essa policial, aliás todo o povo de Piltover conhecia. Ela também estava ferida?
Ela apontou para Jason deixando a sua frase em aberto. No entanto Jason não respondeu, uma vez que a mulher que tentava atender as multiplas pessoas levantou-se da sua cadeira e saiu muito rapidamente dali, pois havia alguém do hospital que a tinha chamado.
- JÁ VENHO! TENHAM CALMA! - gritou a mulher virando as costas às várias pessoas desesperadas.
- Este hospital está um caos... - murmurou Jason. Iria demorar imenso até descobrir o paradeiro da sua família.

VI
Localização: Hospital, Piltover

Assim que ouvi a porta a abrir limpei logo a minha cara, que vergonha alguém ver-me assim. Ao que parece tinha levado um golpe na cabeça e vários ferimentos leves, mas o que mais me chamou a atenção foi as minhas manoplas que tinha sido levadas por um engenheiro do Heimerdinger. Fiquei um pouco preocupada, não que não confiasse neles mas que preferia que fosse eu a arranja-las. E ao ver os meus braços cheios de ligaduras e saber que as manoplas estavam em péssimo estado deixou-me destroçada por dentro, como se tivesse perdido parte de mim, só pensava no quão mal estariam, era da maneira que podia fazer melhorias também.

Entretanto o doutor saiu e Caitlyn aproveitava para fazer o mesmo, provavelmente devia estar cheia de trabalho, "Não é preciso, obrigada." respondi-lhe com um sorriso um pouco forçado, gostava que ela pudesse ficar mais um pouco mas ao que parece Ahri também me tinha vindo visitar.


Caitlyn
Localização: Hospital

A Caitlyn não passou despercebido o sorriso forçado de Vi, mas simplesmente não tinha a possibilidade de ficar ali mais tempo. Já ficara mais do que pensara inicialmente. Assentiu perante a afirmação de Vi e caminhou em direcção à porta. Quando se preparava já para sair, parou por breves momentos e virou-se para trás.

"Vou tentar passar pela Academia para saber qual o progresso com as tuas manoplas.", fez uma pausa. "Agradecia também que seguisses as indicações médicas e que pudesses evitar as tuas tendências violentas nos próximos dias. Gostaria de poder trabalhar com a minha parceira em breve. Até logo.", um sorriso breve substituiu a expressão neutra anterior de Caitlyn, tendo saindo em seguida.

Fechou a porta e voltou pelo corredor pelo qual tinha vindo previamente, tendo passado por uma mulher que parecia estar à beira de um ataque de nervos. Prosseguiu até ao local onde havia visto Ahri pela última vez e não a encontrou na cadeira. Olhou à sua volta e encontrou-a junto ao balcão, com um homem ao seu lado. A confusão no local não se havia dissipado no tempo em que estivera no quarto de Vi, como esperado.

"Bom dia. Estás à procura da Vi?", o cumprimento era para ambos, mas a questão dirigira-se apenas a Ahri.

Wukong
Localização: zona do comércio, estalagem

A minha respiração continuava rápida e se continuasse assim que iria ficar sem folgo "não pode ser, a Ahri não, a minha querida Ahri não..." Pensei eu. Mas depois sinto uma mão no meu ombro, era o meu mestre a perguntar se tive um pesadelo. Eu acenei a cabeça com um sim pois não tinha vontade de falar. Tentei acalmar me pois sonhos não são reais, pode é ser um sinal de algo que vai acontecer, foi como o meu mestre ensinou me.. Endireitei me e respirei fundo... Fui a casa de banho com os meus boxers e tronco nu e fui lavar a cara, e ao lavar a cara verifiquei as ligaduras que já estavam a ficar velhas... Tirei as e viro me de costas para o espelho, a ferida já tinha sarado, que bom. Deitei as ligaduras fora e voltei para Yi virando as costas para ele " olhe mestre já sarou" disse com felicidade

Ahri
Local: Hospital

A mulher que estava ao balcão saiu de trás do balcão gritando. Estava a começar a achar que isto não nos ia levar a lado nenhum.
Estava prestes a tentar chegar a Vi pelos meus próprios meios mas Caitlyn chegou sem me aperceber.
"SIM, sabes onde está? "

Jason
Local: Hospital

Alguém se aproximou de Jason e da mulher que o acompanhava. Ela não era estranha para Jason, parecia que já a tinha visto em algum lado, e depois dela perguntar se eles queriam ver a agente Vi, fez-se luz na cabeça do homem. Esta era a chefe de polícia, bastante conhecida em Piltover, mas no entanto não se lembrava do seu nome. A mulher das caudas disse logo que queria ver a agente Vi, mas Jason só queria saber do paradeiro da sua família.
- Eu, eu só... - por momentos lembrou-se que talvez a polícia podia ajudar a chamar a atenção a alguém do hospital para poder encontrar a sua família. - Eu estou à procura do meu filho e dos meus pais, mas ninguém neste hospital fala comigo! Sei que toda a gente anda super ocupada devido ao desastre, mas ninguém me informa de nada! Se calhar toda a minha família morreu e eu... e eu... eu... - disse Jason totalmente alterado. No final várias lágrimas começaram a escorrer pela sua cara e ele tapou a sua face com as mãos para as esconder.

Ahri
Local : Hospital

"Vá tem calma vais ver que estão todos bem" disse sorrindo para o rapaz, enquanto lhe afaga a o ombro.
"Caitlyn podes nos dar uma mãozinha a encontrar a família dele?"

Caitlyn
Localização: Hospital

Quando Ahri lhe respondeu afirmativamente, Caitlyn abriu a boca para lhe indicar a direcção mas interrompeu-se a si mesma quando o homem ao seu lado começou a falar. O desespero na sua voz tornou-se cada vez mais evidente conforme este avançava, culminando nas lágrimas que escorriam pela sua face quando terminou. Ahri pronunciou-se de seguida, o que fez a xerife desviar o olhar para o grupo de pessoas sentadas provavelmente também à espera de notícias sobre os seus familiares.

Caitlyn entendia o intuito do que Ahri dissera - para um homem naquele estado, aquelas palavras poderiam ser uma fonte de calma. Mas Caitlyn sabia demasiado bem a esperança falsa que estas davam por vezes. A xerife lembrava-se perfeitamente de alguns dos corpos que havia visto há horas atrás. Para algumas pessoas, aquele dia seria marcado pelo luto.

"Posso tentar.", a forma como tinha obtido a informação do quarto de Vi e a autorização para lá entrar roçava o abuso de autoridade, principalmente quando não tinha qualquer direito para tal naquele local. Insistir nessa abordagem iria trazer-lhe resultados negativos se continuasse. "Preciso de mais informação sobre a sua família, porém."

Enquanto esperava por uma resposta da parte do homem, virou-se para Ahri uma vez mais.

"O quarto da Vi é ao fundo deste corredor. Viras à direita e é a segunda porta. Eu posso tratar da situação daqui em diante."

Ahri
Local : Hospital

"Obrigado" respondi a Caitlyn.
"Vais ficar em boas mãos ela vai encontrar a tua família rapidamente vais ver". Disse ainda afagando o ombro do rapaz.
"Bem vou andando, beijinhos beijinhos". Disse enquanto me ia afastando.
Andei pelo corredor e virei à direita como Caitlyn tinha dito, e depois encontrei a segunda porta. Inspirei fundo e abri a porta devagar não estivesse Vi a dormir.
Ao ver que Vi estava desperta corri para a cama e dei-lhe um abraço enfiando a cara no ombro dela. "Fiquei tão preocupada, pensei que tinhas morrido", disse-lhe ainda com a cabeça enfiada no espaço entre o seu ombro e pescoço.

Jason
Local: Hospital

Ele sentiu-se a ser confortado pela mulher que pronunciou o nome da chefe da polícia: Caitlyn. Jason realmente já tinha ouvido o seu nome em algum lado, e sabia que era alguém bastante importante. Esta concordou em ajuda-lo, mas precisava de mais pormenores:
- Claro, claro! - começou ele enxugando as lágrimas com as mãos - Os meus pais e o meu filho foram ver o concerto na praça. O meu pai chama-se Jimmy Arlen tem 62 anos, a minha mãe chama-se Marlene Arlen e tem 61 e o meu filho... Tob Arlen... Tem... S-seis anos... - as palavras começavam a falhar-lhe só de imaginar o seu querido filho, o seu mais que tudo, morto. Essa possibilidade estava a dar cabo de si. Mais algumas lágrimas cairam pela face do homem sendo absorvidas pela sua densa barba.

Caitlyn
Localização: Hospital

Ahri abandonou o local, na direcção que Caitlyn lhe tinha indicado. Entretanto, depois de se compôr, o homem na sua frente começou a dar-lhe as indicações que a xerife lhe pedira. Caitlyn escutou com atenção, tomando nota mental da informação que lhe estava a ser dada.

Se tivessem sido de facto apanhados no centro dos acontecimentos, Caitlyn tinha alguma dúvida sobre os seus estados - crianças e pessoas mais de idade, como era o caso, estavam mais vulneráveis. Não queria expressar essa ideia perante um homem tão fragilizado como o que estava na sua frente, porém.

"Certo. Voltarei o mais rápido possível.", pousou uma mão no ombro do homem antes de abandonar o local e depois seguiu pelo mesmo corredor que tinha indicado a Ahri. Na intersecção, todavia, virou para o lado contrário. Conseguia ver vários enfermeiros a correr de um lado para o outro, a maior parte deles sem lhe prestar grande atenção.

Assim que viu um médico a sair de um quarto, dirigiu-se imediatamente na sua direcção. Preferia que tivesse sido o médico que tinha atendido Vi - tinha-lhe parecido acessível -, mas naquele momento não tinha tempo para vasculhar o hospital todo em busca de uma pessoa em específico.

Felizmente, este médico deu-lhe igualmente atenção. Estava com pressa porém, pelo que lhe pediu para que o acompanhasse enquanto percorria o corredor para procurar mais casos que precisassem da sua intervenção - não deviam faltar. Caitlyn apresentou a situação enquanto caminhavam, ao mesmo tempo que o médico ia analisando uma ficha que lhe tinha sido entregue.

Ao fim de algum tempo, pararam em frente a um quarto. O médico indicou-lhe que não tinha conhecimento acerca de ninguém com o nome dos pais, mas pediu a uma enfermeira que passava entretanto para averiguar a situação. Em relação ao filho do homem, este nada disse e abriu a porta do quarto. Entrou e voltou a olhar para a ficha nas suas mãos, dirigindo depois o seu olhar para Caitlyn.

"Quanto à criança..."

O médico continuou a falar, mas os pensamentos de Caitlyn sobrepuseram-se ao que este disse. Não precisou de muito tempo para fazer as ligações. No interior do quarto, encontrava-se um pequeno rapaz com inúmeros cortes na cara e, a julgar pela cara do profissional que o observava agora, estava em situação crítica.

"Ele vai..."
"O prognóstico é reservado.", palavras caras para lhe dizer que o rapaz estava em claro perigo de vida. A enfermeira com quem o médico tinha falado anteriormente apareceu depois e passando por Caitlyn, dirigiu-se ao médico - que a xerife agora sabia que se chamava Jasper.

"Xerife, não sei por que motivo procura estas pessoas... Posso dizer-lhe que a senhora Marlene está a receber tratamento neste momento, mas que se encontra fora de perigo.", a pausa longa que se seguiu, preparou-a para o que vinha a seguir. "Em relação ao senhor Jimmy... Fizemos os possíveis, mas as mazelas eram demasiado severas para alguém da sua idade.", Michael e a enfermeira observaram-na em seguida, esperando pela sua reacção.

Caitlyn permaneceu em silêncio por breves momentos, observando depois a criança em repouso.

"Agradeço a disponibilidade e as informações. Peço perdão por qualquer incómodo que possa ter causado. Com a vossa licença.", virou na direcção contrária e caminhou para o corredor que a levaria de novo à entrada. Informar alguém da morte de um ente querido não era uma experiência nova para Caitlyn - mas não deixava de ser uma que ela odiava.

O homem encontrava-se sensivelmente no mesmo sítio onde Caitlyn o havia deixado minutos antes. Conforme se aproximava mais, a xerife sentia a sua garganta a secar progressivamente.

"Senhor Arlen.", não sabia o seu primeiro nome, mas sabia o apelido de família. Aquele local, onde ainda estava demasiada confusão instalada, não era o ideal para aquele tipo de notícias. Indicou-lhe com a mão um canto mais sossegado e pediu-lhe que a seguisse.

Depois de esperar por este e de ter pensado nas palavras que devia usar no curto caminho, começou a falar.

"Encontrei um médico que me conseguiu informar sobre a sua família. A sua mãe está a receber tratamento neste momento e encontra-se fora de perigo.", a parte complicada vinha em seguida. "Em relação ao seu filho... A situação é complicada e os médicos estão a dar o seu melhor para reverter a situação. Penso que não será possível ainda vê-lo, mas ele está vivo.", engoliu em seco antes da frase seguinte. "O seu pai sofreu ferimentos demasiado extensos. Apesar dos esforços, ele não... sobreviveu. Lamento imenso."

Caitlyn tinha aprendido ao longo dos últimos anos que palavras simples e directas ao assunto eram a melhor forma de lidar com uma situação que em si nada tinha de simples. Nada do que pudesse dizer poderia suavizar a dor que aquele homem iria sentir, pelo que apenas lhe restava tentar ser o mais clara possível acerca da situação.


Última edição por Sanguinia em Seg Out 15, 2018 10:36 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Admin
Mensagens : 41
Data de inscrição : 30/09/2018
Ver perfil do usuário

Re: Nação de Piltover

em Seg Out 08, 2018 10:19 pm
Jason
Localização: Hospital

A xerife acabou por abandonar Jason. Ele não arredou o pé nem um milímetro do local onde estava, manteve-se estacado no mesmo sítio a pensar nas probabilidades da sua família estar morta. Ainda há poucos meses tinha perdido a sua mulher com cancro, e agora ia perder o resto que tinha da sua família? Ele era filho único, e tudo o que tinha consigo de momento eram os pais e o filho que amava mais que qualquer coisa no mundo. Só o pensamento de os perder, estava a mata-lo por dentro.
Viu a xerife Caitlyn a aproximar-se novamente. Jason não soube quanto tempo passou, esteve em transe aquele tempo todo a pensar nos seus entes queridos. Tentou decifrar as expressões do rosto da mulher, mas estes eram demasiado neutros para conseguir retirar alguma informação. Esta quando se aproximou dele, fez um gesto para irem para um local mais sossegado.
Esta começou por falar que cruzou-se com um médico que sabia da sua família. Primeiro soube que a sua mãe estava bem e livre de perigo. Soltou um soluço pelo meio de algumas lágrimas de alívio, mas no entanto ele sentia que nem tudo estava bem, pois se assim fosse a xerife tinha dito de uma vez que estava todos bem. De seguida falou do seu querido Tob que estava vivo, mas que estava numa situação complicada.
- Oh meu Deus... - soltou sem saber se era de alívio ou não. Pelo menos a mãe e o filho estavam vivos, mesmo sabendo que Tob não estava assim tão bem, mas pelo menos ainda haviam esperanças.
A última notícia acabou com o homem. O seu pai falecera. Jason perdeu as forças e deixou-se cair no chão ficando sentado. Finalmente deixou todas as lágrimas que há muito deixavam presas saírem. Claro que o seu filho e mãe estavam vivos, mas o seu pai morrera e não estava a ser assim tão fácil aceitar. Deixou-se estar a chorar durante vários minutos, tentando absorver toda aquela difícil informação. Quando por fim se decidiu recompor, ergueu o olhar e perguntou:
- Quando posso ver o meu filho? E a minha mãe? Sabe? E... Sabe como aconteceu esta tragédia Xerife?

Master Yi
Localização: Zona de comércio, Estalagem

Disse múltiplas vezes a Wukong que se acalmasse, quando ele conseguiu fazer tal, levantou-se e dirigiu-se ao quarto de banho. Nesse tempo em que Wukong esteve ausente, Yi levantou-se e pegou num mapa de Piltover que tinha na sua mesinha de cabeceira. Fez um "X" aqui e acolá, marcando os locais onde queria ir. Poucos minutos depois, Wukong havia voltado bastante entusiasmado, mostrando que as suas feridas nas costas já tinham sarado. "Ah, fico feliz por ti macaco. Significa que em breve poderás voltar a treinar." Yi coçou o queixo enquanto observava as costas de Wukong. "Mas olha lá... Como é que fizeste isso?"

Caitlyn
Localização: Hospital

A reacção do homem tinha sido a esperada - a preocupação tinha sido evidente quando mencionara o estado do seu filho, mas a notícia da morte do seu pai quebrou-o realmente. Caitlyn tinha mantido alguma distância deste para lhe dar o espaço necessário, pelo que não tinha conseguido amparar a sua queda. Observou-o enquanto este chorava, mas nada disse nem nada fez.

Somente quando este se dirigiu a esta uma vez mais, é que a xerife se baixou também, para conseguir falar com este a um nível em que não tivesse acima dele.
"Não sei. Penso que com o fluxo de pessoas no hospital neste momento, o foco dos profissionais esteja em assegurar o tratamento das pessoas.", Caitlyn pouco podia fazer nesse aspecto, apenas poderia colaborar na identificação das vítimas na morgue. A questão seguinte era mais delicada. "Não estava presente quando ocorreu. Segundo os relatos, uma série de explosões levaram ao colapso da estrutura de vidro do edifício onde decorria o concerto."

Havia muito mais a dizer sobre o sucedido. Para Caitlyn, a maior parte das mortes teriam resultado do pânico da população e não das explosões em si. A principal suspeita do crime estava em fuga. O número total de mortos não estava ainda confirmado.

Mas essas explicações não eram pertinentes para aquele homem. Nenhuma explicação lhe daria realmente conforto porque não iria devolver o familiar que perdera de volta, nem retiraria o seu filho do estado crítico em que se encontrava.

Caitlyn não ousava sequer pensar que compreendia a dor daquele homem. Considerando que este passara já o momento de choque inicial, levou apenas a sua mão ao ombro deste, ficando em silêncio. Não sabia se era a acção certa naquele momento - haveria acções certas sequer? - mas nenhuma outra lhe ocorrera.

Jason
Localização: Hospital

A xerife foi sincera e disse que não sabia quando ele poderia ver a família, pois todos os profissionais encontravam-se demasiado ocupados no meio daquele caos todo.
- Compreendo... - murmurou o homem enquanto tentava futilmente limpar as lágrimas da sua face.
Sentiu uma mão a tocar no seu ombro, a da xerife como que a reconforta-lo. Não havia nada que parasse aquela dor, mas saber pelo menos o que tinha acontecido com a sua família já era um enorme alívio.
- Obrigado. - disse ele alguns minutos depois enquanto fintava o chão. - Se quiser pode ir aos seus afazeres. Suponho que tenha muito que tratar depois deste... acidente horrível. - fungou enquanto abanava a cabeça. Depois olhou a xerife nos olhos e continuou - Agradeço-lhe imenso o que fez por mim. Foi um alívio que tirou dos meus ombros. Posso não ter tido as melhores notícias, mas ao menos já sei o que aconteceu. - e voltou a fintar o chão enquanto várias lágrimas continuavam a escorrer-lhe pela face.

Johan
Localização: Armazém

Um novo dia, uma nova entrega. Vendo pelo lado positivo, talvez esta entrega seja a última. As coisas estão por uma vez a correr bem. O meu pai finalmente lá conseguiu arranjar um emprego e as contas da casa não estão com sei lá quantos meses em divida. Graças a isso estou aliviado por finalmente ter minha oportunidade de fazer um trabalho menos perigoso e honesto. Todos os dias eu temo pela minha vida. Depois desta eu vou-me demitir deste trabalho. Não irei ter saudades nenhumas dele e especialmente daquela moça louca. Ela dá-me arrepios.

A entrega era a mesma coisa de sempre, no mesmo sítio de sempre: Uma caixa de cartão com um monte de bolos e refrigerantes e uma caixa de madeira com munições suficientes para servir um pequeno exército. Não sei como é que aquela louca consegue comer bolos todos os dias e contínua uma trinca espinhas mas também não lhe quero perguntar. Ouvi falar que ela já matou por menos.

O destino da entrega estava mesmo à minha frente. A porta do armazém estava trancada, tal e qual como eu a tinha deixado no dia anterior. Usando as chaves que me tinham dado abri o cadeado e com algum esforço meu a porta do armazém deslizou para a direita o suficiente para me deixar entrar. Embora estivesse um bocado incomodado graças à falta de luz no armazém caminhei até ao mesmo sítio onde tinha posto as minhas últimas entregas e lá pousei as caixas do dia. Um som curioso despertou a minha atenção para um colchão que estava estendido no chão. Quando reconheci a Jinx no colchão apanhei um susto tão grande que dei um salto. Após tirar um momento para me acalmar notei que ela estava a dormir que nem uma pedra, conseguia ouvi-la a ressonar e, se não me enganava, um pequeno rasto de baba a escorrer-lhe pelo canto da boca. Aliviado por não ter que lidar com aquela louca saí do armazém cuidadosamente para não acordar o perigo adormecido. Fechei a porta do armazém e tranquei-o de seguida. Só me iria sentir seguro depois de estar bem longe dali.

Graças ao susto que apanhei quando cheguei ao café o meu coração ainda estava acelerado. O meu parceiro no crime já estava sentado na mesa combinada. Foi ele que me recrutou há sete meses para fazer este trabalho. Embora ele me tenha dito que se chamava Lunge eu duvido que esse seja realmente o seu nome. Eu é que não fui esperto o suficiente para lhe dar um nome falso quando o encontrei pela primeira vez. Depois de ele notar na minha presença ele fez-me um sinal. “Olá, Johan! Senta-te, senta-te” – disse com um gesto a pedir para me sentar. “Então como vão as explicações da minha irmã? ” – Perguntou o Lunge. “Estão a correr bem, como sempre.” – Respondi enquanto me sentava na cadeira, ficando frente a frente com o homem. “Ela sempre foi uma boa estudante.” – Respondeu enquanto tirava do bolso interior do seu casaco um envelope. “Aqui tens o dinheiro que tínhamos concordado.” Acrescentou, arrastando levemente o envelope pela mesa. Era agora ou nunca. “Eu já ensinei à tua irmã tudo o que conseguia.” – Disse retirando o envelope da mesa. “Com o que lhe ensinei ela não irá ter quaisquer dificuldades nos seus exames.” – Ao início não conseguia entender se Lunge tinha percebido o que eu lhe tinha acabado de dizer. Até que após uns segundos ele respondeu num tom sério. “Estou a ver.” Ele de certeza que não estava à espera que eu me demitisse, concluí. Sem saber o que mais dizer desejei-lhe um bom dia e saí do café.

Alguns minutos depois entrou Ahri no quarto correndo na minha direcção abraçando-me, tirando Caitlyn Ahri devia ser das poucas pessoas que também se preocupava comigo. "Precisam de fazer melhor se me quiserem deitar abaixo, isto não é nada, não tarda estou como nova." disse com um sorriso tentando não deixar Ahri demasiado preocupada. "Eu é que fiquei preocupada ao ver-te com a Jinx, ela é psicopata. Devia ter-te falado dela mal tive oportunidade, desculpa.. " disse desfazendo o abraço.

Wukong
Localização: Zona de comércio, Estalagem

Quando mostrei as minhas costas todo entusiasmado, Yi ficou feliz e disse que significava que poderia voltar a treinar, " e é isso que quero fazer mestre" disse todo feliz. Mas depois o meu mestre ficou a observar as minhas costas, já tinha a sua cara de pensativo e depois perguntou como tinha feito isto.. Suspirei, virei me para estar cara a cara com ele, e disse " Mestre, você quando se foi embora, a academia levou nos a uma missão para Niflheim, em Frejlord para ajudar a aldeia para que ficamos instalados. Ficamos lá um fim de semana e foi com cada confusão: tivemos uma invasão de monstros, alguns colegas ficaram envenenados mas creio que já se curaram pois os invocadores arranjaram uma cura para cada um. Eu nessa invasão eu fiquei bem. Tirando isso cada um teve uma função de trabalho para ajudar os habitantes. A minha função era limpar estradas e telhados que estavam com neve. Agora a questão como e que eu fiz isso?" Apontando para as costas, enquanto olhava para Yi " estava a limpar um telhado velho de uma casa que estava inabitada, o que não me apercebi é que ela estava tão velha que se partiu, caí de costas em cima de tábuas partidas e velhas, fiquei cheio de dores e com as costas rasgadas.. Eis como eu fiz isto" virando de costas para Yi mostrando outra vez a cicatriz das feridas... " Agora acredita como fiz isto mestre?" Disse com uma cara triste

Caitlyn
Localização: Hospital

Depois de pousar a mão no ombro deste, o homem ainda chorou durante mais uns minutos. Caitlyn permaneceu em silêncio até que este o quebrou. Se era verdade que a xerife tinha assuntos a tratar, deixá-lo naquele estado sozinho estava a custar-lhe. Caitlyn gostaria de o poder levar pelo menos até junto da mãe, mas não sabia qual o quarto em que esta se encontrava e não queria estar a interferir uma vez mais no trabalho dos profissionais.

O agradecimento sincero do homem surpreendeu-a, mas assentiu e após alguns momentos, retirou a sua mão do ombro deste.

"Lamento uma vez mais. A única coisa que posso garantir é que faremos tudo o que for possível para capturar o responsável.", a situação estava provavelmente longe de ser um acidente, mas se calhar esse eufemismo seria a forma encontrada para que conseguisse suportar tudo o que estava a acontecer. "Se necessitar de algo em que eu possa ajudar, pode encontrar-me na esquadra."

Depois de pedir a sua licença, voltou a levantar-se e evitando expressar a dor na sua perna, caminhou em direcção à saída do hospital. Ainda olhou na direcção do homem uma vez mais, constatando o seu ar derrotado - embora a visão fosse perturbadora, Caitlyn preferiu não o instar a levantar-se. Seria melhor que o fizesse ao seu próprio ritmo.

Conforme caminhou até à saída, apercebeu-se também que a confusão instalada quando havia chegado horas antes permanecia no local. Nos últimos tempos, aquele cenário devia ser familiar para quem ali trabalhava.

Caminhou pelas ruas de Piltover em direcção à esquadra, notando que apesar de ser um dia de semana, as ruas pareciam mais vazias que o normal. Por breves momentos, Caitlyn tentou enganar-se a si mesma e atribuir esse facto ao tempo frio daquela última semana do ano. Sabia que não era assim.

Localização: Esquadra de Piltover

Abriu a porta do edifício e, em comparação com o silêncio do dia anterior, havia um barulho incessante na esquadra de Piltover. Além do trabalho que alguns desempenhavam na sua secretária, vários agentes preparavam-se também para sair.

Avançou até às escadas que davam acesso aos pisos superiores e foi cumprimentando quem encontrava pelo caminho. Parou no meio das escadas quando foi interpelada por um agente que lhe pedira para verificar um processo urgente que havia sido deixado na sua secretária há vários dias atrás. Assentiu e prosseguiu, caminhando depois por um longo corredor que culminava no gabinete que partilhava com Vi.

Ligeiramente afastada da porta do gabinete estava uma mesa onde uma mulher se encontrava sentada a escrever, tendo levantado a cabeça quando ouviu passos.

"Bom dia, xerife!"

Caitlyn desviou o olhar na sua direcção e já perto da porta do corredor, parou por breves instantes.

"Bom dia, Lydia.", apesar da boa disposição que a sua voz transparecia, Caitlyn percebeu alguma inquietação pela sua postura. Ainda esperou mais alguns momentos para entender se esta lhe pretendia dizer algo, mas esta permaneceu em silêncio e com um sorriso na face.

Caitlyn continuou e abriu a porta do gabinete, pedindo licença a Lydia para depois fechar a porta. Já no interior, olhou para a confusão instalada no seu gabinete. Suspirou perante o cenário e começou a apanhar folhas de papel do chão, lendo-as para depois as organizar em pequenos montes. Iria demorar mais tempo na gestão de documentos do que pensara.

Master Yi
Localização: Zona de comércio, Estalagem

Ouviu a história sobre as feridas de Wukong com atenção, quando o mesmo havia terminado de contar, Yi colocou a sua mão no ombro de Wukong.
"Este tipo de coisas acontecem... O importante é não desanimares e continuares sempre em frente. Quem é que vai passar os ensinamentos do Wuju ás gerações futuras quando eu estiver velho?" Yi sorriu e levantou-se, colocando o seu capacete. "Vá, levanta-te e vamos comer qualquer coisa." Yi abriu a porta e saiu do quarto. Ficando à espera de Wukong na entrada da estalagem.

Ahri
Local: Quarto da VI, Hospital

"Desculpa" - Disse Sinceramente. " Nunca pensei que ela fosse completamente louca. Ela tinha me dito que era uma artista" - Disse olhando para o chão com vergonha de ter acreditado no que Jinx me tinha dito.
"Eu depois de ver o que ela tinha feito da biblioteca tive medo, não conhecia ninguém , não sabia para onde ir"

Jason
Local: Hospital

Depois de se lamentar uma vez mais, a xerife afastou-se do pobre homem que não sabia bem o que fazer a seguir. Ele olhou-a por momentos enquanto se afastava, voltando de seguida a fintar o chão enquanto chorava. Deixou-se ficar durante mais um bocado e quando finalmente ganhou coragem levantou-se e foi tentar procurar pela sua família.

Wukong
Localização: Zona de comercio, Estalagem

O meu mestre ouviu a minha historia com atenção e depois colocou a sua mão no meu ombro, dizendo que o importante não era desanimar e continuar sempre em frente, depois com o seu comentário disse também quem e que irá passar os ensinamentos do Wuju quando eu estiver velho?
Eu sorri e apontei o dedo para mim com convicção " se não houver mais nenhum ate la, serei eu claro ahaha" acabei com um riso
Depois vejo Yi a abrir a porta e disse que iríamos comer alguma coisa "Yummy vamos lá então" disse com um sorriso vestindo a minha armadura e agarrando o bastão e encontrei me com ele na entrada da estalagem. " Já agora mestre onde vamos hoje?"


Jinx
Localização: Armazém

Acordei com uns raios solares a baterem-me na cara. Sentia a humidade característica da minha baba a escorrer pelo canto da minha boca e a manchar o colchão onde estava a dormir. O de costume. Levantei-me lentamente do colchão e fiz caminho para as embalagens que estavam a um canto do armazém. Mesmo sem eu estar por Piltover o escravo continuava a entregar-me os meus bolos favoritos. Da embalagem tirei os queques favoritos da Cartola e fui sentar-me na ponta não babada do colchão, perto do Fishbones e da Pow-pow para planear com eles o dia.
Johan

Localização: Becos de Piltover

Pronto. Finalmente livrei-me daquele trabalho horroroso! Não vão haver mais embalagens e não vão haver mais sustos de morte. Que alivio… Agora basta arranjar um trabalho que não meta ao barulho psicopatas assassinos e o mês está ganho. Mas isso fica para amanhã, por hoje vou mas é voltar para casa e gastar o dinheiro que recebi com umas cervejolas. Convida-se uns amigos e a tarde está feita. Ora, agora basta apenas ir à loja. Se for pelo caminho mais longo demoro 15 minutos e com a sorte que tenho tido hoje de certeza que encontro a senhora Felizberta mas não me está nada a apetecer aturá-la a ela e aos seus gatos. Felizmente, como conheço um atalho que passa pelos becos mais vale a pena esquivar-me desse frete. Menos tempo a aturar velhinhas viúvas, mais tempo para beber!

Segui caminho pelos becos estreitos, escuros e vazios a caminho da loja. Mesmo sendo um dos bairros mais pobres da cidade os robôs de limpeza esforçavam-se todos os dias para mantê-lo limpo - mesmo quando as crianças os derrubavam “acidentalmente” e levavam umas quantas peças para casa. Fazer o quê? Fome dá nisto. Só esperava que não ficasse na mesma situação daqui a uns meses.

PUM! O som de algo metálico a ser derrubado fez-se ouvir pelos becos. Falando do diabo, deve ser um dos robôs de limpeza. Só acho estranho que esteja de serviço a estas horas já que só aparecem pela madrugada. Olhei em volta à procura da fonte do barulho e não havia sinal de uma alma viva. Nem morta. Um arrepio atravessou-me a espinha e deixou-me incomodado. Algo não estava certo. Nervoso com a situação, apressei o meu passo. Em resposta começaram-se a ouvir também um batuque consistente na calçada. Era impossível, não tinha visto ninguém.
Assustado tentei despistar quem quer que seja que me estivesse a seguir e saltei a cerca da primeira casa que encontrei ao virar da esquina. Com o coração a palpitar a mil e suores frios a escorrerem pela minha cara encostei-me à parede e deslizei por ela até cair de rabo no chão. O barulho que entretanto se tinha tornado mais intenso parou. Deixei-me estar por mais uns minutos na mesma posição e quando me senti minimamente seguro levantei-me, olhei por cima da cerca e senti um impacto forte na parte de trás da minha cabeça. Atordoado, caí ao chão.

Quando voltei a abrir os olhos sentia-me tonto, como se tivesse de ressaca mesmo sem ter bebido, completo com dores de cabeça e tudo. Embora não conseguisse reconhecer quem era, alguém estava à minha frente. Antes de conseguir fazer o que quer que fosse vi uma luz e tudo desvaneceu.

“Lunge”
Localização: Becos de Piltover

O cheiro a pólvora pairava no ar e o fumo que saia do cano da arma enchia-me os pulmões. Johan estava morto, ou pelo menos parecia estar. Aproximei-me dele com passadas curtas e olhei para o seu corpo inerte no chão, verificando de facto que ele tinha tido o seu fim. O rapaz sabia demasiado para o seu próprio bem e para o bem de todos os envolventes naquela operação.

Puxei o fumo ao cigarro que tinha pendente na boca e soltei uma baforada para o ar. Aquele trabalho era sempre enervante, mas apesar de tudo já me estava a acostumar. Alcancei do bolso do meu casaco um pano da mesma cor do sangue que tinha derramado e passei-o pela pega da arma e fui pousá-la junto à mão que Johan costumava usar para pegar nos seus cafés.

A história que esperava contar era simples. Johan tinha perdido o seu irmão no concerto e tinha ficado tão desesperado que tinha posto um fim à sua vida naquele beco escuro. Puxei o último trago daquele cigarro e mandei-o para o chão. O serviço estava feito, era hora de voltar aos meus afazeres.

Caitlyn
Localização: Esquadra de Piltover

Após algum tempo, Caitlyn sentou-se na cadeira junto à sua secretária, observando o seu trabalho. Não só tinha organizado todos os documentos que tinham chegado à sua mesa, como tinha de algum modo também organizado a mesa de Vi. Lembrou-se depois que Vi provavelmente não só não iria apreciar aquela organização, como provavelmente o seu trabalho seria destruído em poucas horas.

Há muito tempo que aquele gabinete não estava tão organizado como ela queria. Mas passara também já algum tempo desde a última vez que lhe parecera tão vazio.

Suspirou e afastou esses pensamentos da sua mente, trazendo o primeiro monte de papéis para a sua frente. Ali se encontravam as questões mais urgentes para resolver, quer por prazos quer derivado da própria situação que fizera as pessoas contactá-la.

Depois de assinar vários requerimentos e escrever respostas a cartas, perdeu mais tempo num documento específico. O símbolo no topo da carta denunciava a sua origem e o conteúdo da carta que lhe era endereçada agitou-a ligeiramente. O seu olhar ficou fixado na última frase por momentos, levantando-o de seguida para um canto da mesa.

Agarrou no relógio de bolso e abriu-o, verificando as horas. Ainda tinha tempo suficiente para adiantar alguns assuntos antes de ter de sair. Depois de colocar as respostas que havia escrito às cartas dentro de envelopes, levou-os em conjunto com os requerimentos até Lydia e pediu-lhe que arranjasse forma de serem entregues o mais rápido possível.

"Não vou estar disponível durante esta tarde, se for necessário tratar de algo, terá de ser agora ou mais tarde.", Caitlyn não tinha ilusões de ir dormir mais que míseras horas naquela noite. Voltou depois para o gabinete e retornou aos seus afazeres. Aqueles montes não iriam desaparecer por si mesmos.

- TERÇA-FEIRA, HORA DE ALMOÇO -

Master Yi
Localização: Zona de comércio

Antes de sair com Wukong, Yi disse ao mesmo que desta vez iriam comer algo de Piltover.
Caminharam juntos pelas ruas de Piltover, Yi examinava com cuidado todas as lojas de rua que lá havia, sem dúvida alguma, a maioria tinha haver com tecnologia que Yi e Wukong nunca tinham visto antes. Chegando ao local onde já haviam mais restaurantes, Yi parou e olhou para Wukong. "Então? O que te apetece hoje?"

VI
Local : Hospital

Fiquei surpreendida pela resposta da Ahri, Jinx tinha-se feito sua amiga fazendo-se passar por uma 'artista'. Só de pensar que Jinx continuava à solta dava-me vontade de saltar da cama e ir atrás dela neste preciso momento...
"A culpa não é tua..." disse levantando-lhe o queixo. "Conheces-me a mim e à Caitlyn, se quiseres podes ficar em minha casa, aquilo esta super desarrumado mas para esta semana dá." disse-lhe com um sorriso.
"Quanto à Jinx, precisamos de ter cuidado, ainda está à solta, mas mal eu fique boa juro que a vou apanhar e fazer-lhe pagar pelos crimes que cometeu." disse com cara séria.

Ahri
Local : hospital

"É pois, primeiro afastei-te de mim com o que fiz, depois confiei numa assassina. Não sei o que se passa comigo. - respondi-lhe baixinho. "Fico tão feliz por estares bem, parece que eu só te faço ficar numa cama."

VI
Local : Hospital

"Não te preocupes, tudo vai ficar bem..." disse tentando confortar Ahri. Entretanto o meu estômago rosnou, estava a ficar cheia de fome, provavelmente já estava na hora de almoço. "Só espero que não demorem a trazer a comida, estou a ficar cheia de fome." comentei.

Ahri
Local: Hospital

"Espero que sim." - Disse tentando confortar-me.
"Já deve estar quase, eu com isto tudo nem fome tenho. Importas-te que fique aqui contigo?" - Perguntei-lhe por fim.

VI
Local : Hospital

Ahri perguntou se não me importava que ela me fizesse companhia, "Eu é que peço a tua companhia!" respondi-lhe com um riso. "Se morrer é de tédio, por favor fica. E já agora por acaso não viste para onde é que a Jinx fugiu?" Perguntei-lhe. Se a Ahri tivesse visto a Jinx escapar seria uma óptima pista para quando fôssemos prosseguir as buscas.


Ahri
Local: Hospital

"Claro que fico, eu adoro a tua companhia" - Disse-lhe retribuindo o sorriso.
"Não Infelizmente não a Vi, ela saltou de cena quando largou aquela bomba e eu simplesmente corri." - Disse-lhe tristemente.
"Mas ela desde que cá chegou pelos vistos tem aptidão pelos sítios com muita gente e calmos"

VI
Local : Hospital

Infelizmente Ahri só viu Jinx a sair de cena antes de correr, compreensível, na altura a principal preocupação era sair dali.
"Não faz mal, haveremos de apanha-la para a próxima..." disse fazendo uma pausa.
"...Com muita gente e calmos hm?" perguntei a mim mesma em tom pensativo. Realmente o que Jinx adorava era espalhar caos com o máximo de pessoas a assistir e nada melhor do que um sitio calmo e com movimento para isso. "Bem visto." respondi-lhe.

Entretanto alguém bateu à porta, era uma enfermeira que vinha a segurar num tabuleiro. "Posso?" perguntou ela. "Venho lhe trazer o almoço." continuou.

Acenei com a cabeça e a jovem enfermeira entrou, pousou o tabuleiro na mesa que tinha ao lado e ajudou-me a sentar na cama, de seguida pegou no tabuleiro (que continha o meu almoço) e pousou-o no meu colo, era bifinhos com natas e cogumelos, tão bom. "O-Obrigada." respondi-lhe.

"Ora essa, e bom apetite menina Vi." disse a empregada despedindo-se de mim e de Ahri enquanto saía do quarto.

Com algum esforço peguei nos talheres e comecei a comer ignorando as dores que se fazia sentir principalmente nos dedos e pulsos, todo o braço me doía mas não era algo que não aguentasse.
"Bom apetite Ahri, se também quiseres é só pedires." disse-lhe levando uma garfada à boca bem, bem devagar.

Ahri
Local: Hospital

O almoço de Vi finalmente tinha chegado, mas dava para perceber as dificuldades que ela tinha em realizar essa tarefa tão fácil. A lentidão era tremenda.

"Dá cá que eu ajudo. Afinal de contas sou a razão de estares assim" - Disse enquanto lhe tirava o tabuleiro do colo e me sentava na beira da cama. Com o tabuleiro agora no meu colo peguei numa garfada do bife - " Abre bem a boca aqui vai o aviãozinho" - Disse-lhe rindo-me.

Caitlyn
Localização: Esquadra de Piltover

Os montes de folhas haviam diminuído consideravelmente, mas ainda havia muito trabalho para terminar. Caitlyn tornou a procurar o relógio para ver as horas, suspirando quando se apercebeu do quão depressa estas tinham passado. Só depois de notar o quão devagar o tempo passava na academia, é que se apercebera que em Piltover o seu tempo parecia sempre escassear. De algum modo, preferia que assim fosse.

Levantou-se e depois de reunir todos os pertences de que necessitava, saiu para fora do gabinete. Lydia não estava na sua secretária, provavelmente também já tinha saído para almoçar. Fechou a porta atrás de si e trancou o gabinete, ajeitando depois uns documentos que havia trazido consigo.

Localização: Zona de Comércio

Devido à localização privilegiada da esquadra, Caitlyn demorara pouco tempo até chegar à zona dos restaurantes. A xerife não tinha intenções de demorar demasiado tempo a almoçar, até porque queria rever algumas questões presentes na pasta que a acompanhava. Já perto do restaurante que frequentava ocasionalmente, o seu olhar prendeu-se em duas figuras que se destacavam no meio da multidão - Piltover era sem dúvida casa de algumas mentes excêntricas, mas não era todos os dias que se via um macaco com roupas. Lembrava-se de o ver previamente na Academia e o homem que o acompanhava (pelo menos a julgar pela sua constituição) provavelmente havia vindo do mesmo local.

Observou-os a alguma distância, esperando para ver as suas acções.

VI
Local : Hospital

As minhas mãos iam tremendo enquanto sustentava a dor, Ahri apercebeu-se e retirou-me o tabuleiro preparando de seguida uma garfada. Sentia-me derrotada, não gostava de depender de ninguém para nada, mas a maneira como ela tratou da situação fez-me soltar um sorriso, então entrei também na brincadeira. "Ahhhh!" disse abrindo bem a boca.

Ahri
Local: Hospital

"Linda menina" - Disse enquanto lhe introduzia a garfada na boca.
Garfada atrás de garfada íamos rindo. Parecia quase que não estávamos num hospital, parecíamos realmente boas amigas.

Wukong
Localização: zona do comercio

Caminhamos juntos pelas ruas de Piltover, e sempre o meu mestre a examinar cada restaurante ou loja que passávamos. Eu verificava que a maioria tinha haver com tecnologia, creio que tive a mesma linha de pensamento. Chegamos a uma parte da zona em que havia mais restaurantes e houve um que se destacou, um restaurante que conseguiam fazer ramen, já tinha água a sair da minha boca.
Mas depois distrai me: primeiro ao ver uma rapariga que reconhecera da academia com vestes roxas e com uma grande arma, estava a olhar para nós; e também porque Yi pergunta o que me apetecia hoje, eu apontei logo para o restaurante com panos vermelhos e dourados e com uma grande imagem de um ramen no topo. " se não se importar mestre, eu gostava de ir a este hoje.." disse com algum receio da sua resposta

Jinx
Localização: Armazém

A parte dos planos sempre foi a mais chata. Eu prefiro fazer as coisas espontaneamente mas, desagradavelmente para mim, tenho que admitir que sem um plano não conseguia chegar a lado nenhum. Infelizmente, sempre que eu tentava começar a esboçar qualquer coisa, a minha mente acabava por vaguear e quando dava por mim já não me lembrava do que estava a fazer. A Pow-pow é que era a perita no assunto por isso eu dava-lhe liberdade total. Ao menos no que tocava a planos. Primeiro tínhamos que escolher um alvo. Um monumento, um evento, um edifício talvez? Com a ajuda de jornais e mapas da cidade de Piltover a Pow-pow começou a planear o próximo ataque.

VI
Local : Hospital

Ahri ajudou-me alimentando-me garfada a garfada, tinha que seguir o conselho do médico e ter o máximo de descanso possível, quanto menos esforço fizer mais rápida iria recuperar.
"Obrigada Ahri.. Por acaso não sabes até quando é a hora das visitas?" perguntei-lhe.

Master Yi
Localização: Zona de comércio

Wukong demorou um pouco a responder, o que criou curiosidade no Yi, ele olhou para onde Wukong estava a olhar, uma rapariga com trajes roxos e uma grande arma olhava para nós cuidadosamente. Yi voltou a olhar para Wukong "Alguém que conheces?" entretanto Wukong sugeriu um restaurante cujo a especialidade era Ramen, inicialmente Yi fez cara feia mas lá cedeu. "Existem montes destes em Ionia, mas podemos dar uma chance a este." Yi então entrou no dito restaurante com Wukong. "Hoje és tu a pedir, eu pago."

Caitlyn
Localização: Zona de Comércio

A presença de Caitlyn não parecera ter passado despercebida junto de ambos, a julgar pelo que a xerife observara. Ainda assim, continuaram as suas acções sem se dirigir a si. Caitlyn conseguia vê-los a falar entre si junto a um dos restaurantes da zona de comércio de Piltover. Ao fim de algum tempo, avançaram para dentro do estabelecimento, o que fez com que Caitlyn também se aproximasse da entrada, mas não chegando a entrar.

Observou a decoração exterior, dominada por panos vermelhos e dourados, com uma figura de um prato com o que lhe parecia ser massa a complementar o visual. A xerife não se lembrava de alguma vez ter comido algo semelhante. Ficou por breves momentos à entrada do restaurante a considerar se teria tempo para uma aventura gastronómica em vez de optar pela refeição rápida que tinha considerado inicialmente.

Wukong
Localização: Zona de comercio

A rapariga esteve perto de nos quando entramos no restaurante, mas estava com tanta fome que só queria comer, mas Yi pergunta se a conhecia : " E da academia. Não a conheço pessoalmente mas ela esta na academia como eu. Vejo a algumas vezes mas nunca cheguei a me apresentar.." disse enquanto acenava a cabeça com um sim. Sentámos-nos numa mesa e Yi diz que seria eu a escolher, eu já tinha a minha mente virada para o ramen, mas não conhecia bem os gostos do meu mestre " Mestre, escolha você o seu. Não quero fazer asneira na escolha ahah" disse enquanto ficava a espera da resposta de Yi.

Jinx
Localização: Armazém

Estava a começar a adormecer na cadeira quando o Fishbones avisou-me que a pow-pow tinha acabado os toques finais do plano – “Já não era sem tempo!” - Disse para a arma, alcançando rapidamente os papeis que estavam à frente da pow-pow. “Ora deixa ver… Sim. Mas como? AH! E isto é para quê, pow-pow? Não me digas, já vi! PERFEITO.” – Disse num sorriso de orelha a orelha. Mal conseguia esperar pela altura de pôr o plano em ação. Problema era que tinha que fazer isso mesmo.


Master Yi
Localização: Zona de comércio

"Hmmm... Entendi, vamos lá comer então." Yi chamou o atendente, este chegou em poucos segundos à mesa e perguntou o que Yi e Wukong desejavam. Com medo de pedir alguma coisa que não agradasse a Yi, Wukong disse para Yi fazer o seu pedido. "Tu é que sabes..." O atendente então deu um exemplar do menu a cada um. Yi não olhou para o menu durante muito tempo, apenas apontou para o Ramen que parecia ser mais apetitoso. "Vou querer este, e para beber, chá. Por-favor."

Ahri
Local: Hospital

"Não por acaso não sei." Disse enquanto olhava para a janela.
"Mas está descansada que só saio daqui se me arrastarem", disse enquanto me ria e lhe dava mais uma garfada de comer.

Caitlyn
Localização: Zona de Comércio

Após alguns momentos de indecisão, Caitlyn decidira-se a entrar no estabelecimento - se possível, pretendia falar com os novos visitantes da sua cidade para saber quais as suas intenções. A última coisa de que precisava era de mais confusões além daquelas já criadas por Jinx.

Já no interior do restaurante, a xerife perdeu alguns momentos a observar aquilo que a rodeava - os dois indivíduos que observara estavam sentados numa mesa a ser atendidos por um empregado. Caitlyn deslocou-se até uma mesa próxima desocupada e sentou-se, também ela sendo depois abordada por um dos funcionários do local.

Aquela comida era vastamente diferente da comida tradicional de Piltover. Depois de breves momentos a olhar para todos aqueles pratos que lhe pareciam francamente iguais, pediu uma recomendação à rapariga que a atendera. Esta pareceu surpreso a início e depois tentou explicar-lhe as diferenças. O olhar de Caitlyn foi alternando entre a funcionária e a mesa onde se encontravam o homem-macaco e o sujeito que o acompanhava, percebendo depois que esta tinha terminado a sua explicação.

"...O prato mais simples que tiver, por favor. E um copo de água.", esta assentiu e saiu em direcção à cozinha, de onde provinha um aroma até bastante agradável. Pousou o chapéu e os documentos que a acompanhavam ao seu lado, esperando.

VI
Local : Hospital

Ahri não sabia o horário das visitas, provavelmente alguém iria avisar, ri-me perante o comentário dela que quase me engasguei na comida. "Duvido que tentassem sequer ahaha" respondi-lhe com um riso. Acho que nenhum médico se atreveria a expulsa-la daqui.

Wukong
Localização: Zona de comércio

Lá estava Yi com uma cara estranha por causa da comida "Mestre tenha calma, a sério que irá gostar..." disse preocupado mas depois disse ao empregado "Eu vou querer a mesma coisa por favor" disse. E lá foi o empregado entregar os pedidos ao chef do restaurante... Mas reparei que a rapariga de roupas roxas estava ao nosso lado. Mas o que ela quer?? Não cheguei a olhar mas consegui sentir a presença dela a nossa volta.. Mas queria saber mais do meu mestre, será que ele iria ficar na academia de vez ou teria de ir embora outra vez? Por isso perguntei "Mestre, desta vez vai ficar na academia, permanentemente ou terá de fazer mais alguma viagem??" fiquei curioso pois queria saber se teria o mestre ao meu lado...

Master Yi
Localização: Zona de Comércio

Enquanto Wukong fazia o seu pedido, Yi desviou o seu olhar para o lado, observando a rapariga de roupas roxas e chapéu engraçado. "Mas o que é que esta quer?... Deve de pensar que somos uns mauzões ou assim." pensou para si mesmo, voltou a olhar para Wukong uma vez que este tinha terminado o seu pedido, este que tinha confrontado Yi com uma pergunta bastante válida. Yi encostou-se à sua cadeira e cruzou os braços enquanto pensava. "Para te ser honesto, eu nunca pensei em sair, mas houve uns imprevistos e tive que abandonar a academia. Mas agora está tudo resolvido e se tudo correr bem fico por cá." Enquanto Yi terminava, o rapaz que os tinha atendido antes chegava com o que ambos tinham pedido. "Muito obrigado." disse em resposta ao rapaz, e sem mais demoras começou a comer.


Última edição por Sanguinia em Seg Out 15, 2018 10:48 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Admin
Mensagens : 41
Data de inscrição : 30/09/2018
Ver perfil do usuário

Re: Nação de Piltover

em Seg Out 08, 2018 10:32 pm
Jinx
Localização: Armazém

O plano estava pronto. Agora a única coisa que faltava eram as preparações. Teria apenas que esperar até ao cair da noite, já que de dia era mais fácil ser vista por pessoas ou até por robôs patrulha chatos que poderiam arruinar as minhas preparações.

Para passar o meu tempo preparei uns dardos para manter a minha pontaria certeira.

Caitlyn
Localização: Zona de Comércio

Enquanto esperava que o seu pedido chegasse, reparou nos olhar discreto que um dos integrantes da outra mesa lhe tinha dirigido - conseguia compreender a frustração deles, principalmente quando já ali estava há algum tempo e não tinha declarado as suas intenções. Faria isso no seu devido tempo.

Caitlyn não conseguia perceber a conversa que se desenvolvia na mesa na sua frente, pelo que abriu a pasta que tinha trazido consigo e leu na diagonal o seu conteúdo. Não precisava de saber pormenores naquele momento, apenas o suficiente para conseguir desenvolver a conversa adequadamente - era longe do seu cenário ideal, mas concessões tinham de ser feitas quando a cidade se encontrava naquele estado.

Entretanto uma taça funda com o que parecia ser uma sopa - o aroma era bastante agradável, semelhante ao que tinha vindo da cozinha anteriormente - foi pousada na sua frente, juntamente com um copo de água. Breves palavras foram trocadas entre a xerife e a rapariga que a serviu, e esta depois voltou para o interior da cozinha.

Caitlyn arrumou novamente os documentos e observou o interior da sopa, percebendo que haviam ainda bastantes ingredientes nos quais não tinha reparado. Não era definitivamente o tipo de culinária típica de Piltover, embora Caitlyn não tivesse completa certeza da sua origem.

Agarrou nos talheres que a rapariga tinha trazido consigo - haviam outros utensílios na mesa, mas que não lhe eram familiares - e começou a analisar o conteúdo melhor, trazendo um pouco de massa aos lábios. Não sabia se estava a fazer algo errado, mas pareceu-lhe ouvir uns risinhos vindo do interior da cozinha.

Parou por alguns momentos, mas decidiu insistir no que estava a fazer - tinha alguma pressa afinal. Acabou por não terminar o prato, mas tinha de fazer algo ainda antes de sair daquele local. Reuniu os seus pertences e deixou os gold hexes necessários para pagar a sua refeição na mesa, colocando depois o chapéu e avançando até à outra mesa ocupada.

"Boa tarde a ambos, peço perdão por interromper a vossa refeição. Estão a desfrutar de Piltover até agora?"

- TERÇA-FEIRA, TARDE -

Ahri
Local: Hospital

"Espero que nem tentem", O sol já ia alto. Fui até à janela e fechei um pouco os estores para Vi poder descansar.
"Já te disseram quando vais ter alta" - Perguntei enquanto colocava o tabuleiro de lado

VI
Local : Hospital

Quando o sol já começava a cansar Ahri fez-me o enorme favor de fechar os estores para ficar um pouco mais escuro.
"Dentro de uns dias mas amanhã já vou sair. Há muito trabalho a fazer e 24h chega-me perfeitamente." disse por entre dentes.

Ahri
Local: Hospital

"De certeza que estarás bem?" disse enquanto carregava com a ponta do dedo em sítios que lhe fizesse cocegas. Queria ver se ela ficava animada e não se deixava ir abaixo pelo facto de estar presa numa cama de hospital.

VI
Local : Hospital

"Não te preocupes asé-ahah-rio!" disse soltando uma risada, sem dúvida que ela sabia os meus pontos fracos, no entanto o cansaço começava a pesar e aquele ambiente todo transformou-se no ambiente perfeito para adormecer. "Acho...Acho que vou dormir." disse soltando um bocejo. "Não precisas de ficar Ahri, obrigada por tudo! Mas podes ir. " disse fechando cada vez mais os olhos, não queria nada que a Ahri ficasse ali à seca só por minha causa, ela deveria também ter coisas a fazer.

Wukong
Localização: Zona de comercio

La a nossa comida chegou e nos logo começamos a comer.. Enquanto comecei a comer o ramen, vejo Yi desconfiado.. Olhei discreto e vejo Caitlyn ao nosso lado, ignorei mas vi que o mestre estava desconfortável com a situação.. Passado alguns momentos, ja estava a comer a massa quando ela nos interrompeu.. Disse nos boa tarde e perguntou nos se estávamos a gostar de estar em Piltover? E eu, limpei a boca com o meu guardanapo, e perguntei : "Caitlyn correto? Acho que já te vi na academia.. Chamo me Wukong, prazer. Este é o mestre, chama se Yi" disse apontando para o meu mestre

Master Yi
Localização: Zona de comércio

Apesar de não demonstrar tal, Yi demonstrava-se incomodado com os olhares da outra rapariga. O espadachim Wuju ignorou e continuou a comer tranquilamente até que ouviu a cadeira da mesa do lado a ser arrastada, a rapariga, cujo nome era Caitlyn, finalmente teria ido falar com eles. Yi terminou de comer o que tinha na boca e limpou os cantos da sua boca com o guardanapo que o estabelecimento tinha oferecido. "Muito boas tardes Caitlyn. Sou o Yi. Muito prazer. " Apresentou-se com a mão estendida, esperando que esta a apertasse.

Caitlyn
Localização: Zona de comércio

O primeiro a responder foi o homem macaco, que a tratou pelo nome - ergueu a sobrancelha involuntariamente, estranhando o facto de este saber o seu nome. Em vez de responder à sua pergunta, porém, Wukong - como o próprio lhe havia dito - apresentou-se a si mesmo e a alguém chamado Yi, que era o seu mestre - do quê, a xerife não tinha certeza.

Esse mesmo mestre estendeu-lhe a mão para a cumprimentar, mas também ele ignorou a sua questão. Talvez tivessem compreendido o intuito da sua presença ali, por isso iria directa ao assunto - a julgar pela conversa que havia escutado atrás de si entre os empregados, já passava da hora de almoço. Depois de estender também a sua mão e cumprimentar Yi, continuou.

"Caitlyn, sim. Prazer.", fez uma breve pausa para pensar nas suas palavras, mas decidiu que ser directa seria mais simples. "Que motivo vos traz a Piltover?", apesar da pergunta, Caitlyn tinha tentado manter o seu tom o mais neutro possível.

Jinx
Localização: Armazém

Enquanto jogava aos dardos não conseguia parar de rever na minha mente o plano da Pow-pow para esta noite. Quando dava por mim já não tinha dardos para lançar e lá ia eu buscá-los ao alvo. Este ciclo repetiu-se várias vezes ao longo do dia que lentamente ia chegando ao seu fim. Eu precisava de algo mais intenso do que um jogo de dardos para conseguir tirar a mente do plano e sabia exactamente o que podia fazer para tornar o jogo mais interessante. Peguei num par de trampolins que tinha espalhados pelo armazém e, pondo-os lado a lado, tornei o jogo de dardos simples num jogo de dardos saltitante.

Master Yi
Localização: Zona de Comércio

Demorou mais tempo a responder, não só por estar a pensar no que responder, mas também porque estava a terminar a massa que tinha na tigela. O Espadachim Wuju pegou na tigela e bebeu o caldo que sobrou, visto que isto era visto em Ionia como algo comum. Limpou a boca mais uma vez e olhou para Caitlyn enquanto retirava o seu capacete. "Por isto. Este capacete é o mesmo que eu uso em combate, e ele foi feito aqui. Procuro o homem que o fabricou pois uma das lentes está danificada, e como foi um amigo de família que o levou a Ionia, não faço a mínima ideia de quem seja o criador." Yi voltou a colocar o seu capacete e olhou para Caitlyn, "Já agora... Qual é a maior loja de equipamento do género por aqui? Acho que é melhor começar por aí se quero encontrar quem procuro.

Caitlyn
Localização: Zona de Comércio

Observou enquanto estes continuavam a sua refeição, e, após alguns momentos Yi começou a retirar o seu capacete enquanto a observava. Caitlyn olhou por breves momentos para o seu rosto, mas logo se focou nos detalhes do capacete que este lhe tinha apresentado - este dizia que tinha sido fabricado em Piltover, e mesmo que o tivesse observado com alguma atenção apenas por meros momentos, Caitlyn conseguia perceber que era bastante provável. Yi não sabia identificar o criador e com uma observação superficial, a xerife também não seria capaz - havia demasiados pormenores que teria de conseguir observar para poder fazer uma lista de possibilidades.

Este voltou a colocar o capacete e questionou-a acerca de lojas de equipamento.

"Não me parece que uma loja seja o local indicado. Possivelmente uma oficina dos clãs ou a academia. Qualquer um dos dois será de difícil acesso, porém.", tanto pelo ritmo frenético dos locais como pelo secretismo que envolvia algumas das suas invenções. "Existe uma praça onde alguns inventores se reúnem, porém. Talvez possa ser um local onde começar.", explicar ao par como chegar à praça Incognia, porém, ia demorar tempo. Podia sempre levá-los até lá - o caminho que teria de percorrer até onde a esperavam seria maior, mas se partissem em breve ainda seria possível.

"Posso levá-los até lá se concordarem."

Wukong
Localização: Zona de comercio

Assustei me quando Cait perguntou qual era o motivo de estarmos aqui, mas Yi reagiu calmo mostrando a razão da nossa vinda, o capacete. Cait la inspeccionou, e falou nos de uma praça que tinha alguns inventores, que saberiam ajudar melhor. Eu bebi a tigela e depois oiço que Caitlyn poderia nos levar. Eu quase me engasguei ao ouvir isso, mas depois recompus me, e acenei a cabeça e disse : " Isso seria uma boa ideia. Que acha mestre? Alias, ela conhece melhor esta cidade do que nos " fiquei a espera de uma resposta do meu mestre

Master Yi
Localização: Zona de comércio

Caitlyn respondeu positivamente ao pedido de Yi e até se ofereceu a levar os dois ao local onde poderiam encontrar a pessoa que fabricou o capacete. Yi cruzou os braços durante alguns segundos e depois levantou-se, olhando para Wukong. "Parece-me bem." Yi então pegou na sua espada e prendeu-a no seu cinto. Colocou a sua cadeira no sítio e olhou para Caitlyn. "Ficaria muito agradecido se fizesses isso por nós Caitlyn. Se mais tarde precisares de alguma coisa, poderás contar connosco." O espadachim Wuju deixou então algumas moedas em cima da mesa, o suficiente para pagar o seu almoço e o de Wukong. "Estou pronto, assim que quiserem partir, é só dizer."

Caitlyn
Localização: Zona de Comércio

O ar assustado de Wukong quando Caitlyn os havia questionado não havia escapado à xerife, mas decidira não insistir sobre esse assunto naquele momento. Quase que decidiu fazê-lo quando o macaco se engasgou perante a sua proposta, mas assim que Yi concordou com a sua proposta e se levantou, a sua atenção mudou novamente para este.

"Terei isso em mente.", ao longo dos anos, Caitlyn tinha aprendido a cobrar favores quando eram necessários. Esperou que ambos tivessem prontos e seguiu então para a porta, virando depois para a direita da rua onde se encontravam.

Conforme iam caminhando pelas ruas atarefadas de Piltover, Caitlyn não conseguia deixar de sorrir perante a diversidade de pessoas que ia encontrando e os negócios que via que se estavam a desenvolver. Era neste mundo que Caitlyn queria viver - um mundo em paz e em que as pessoas colaboravam entre si para o bem comum.

Suspirou para si mesma e virou-se por breves momentos para o par atrás de si.

"Segundo o que disse, o capacete foi feito para combate. Sempre entendi Ionia como sendo um local mais... espiritual.", Ionia nunca tinha sido um local visado pelas viagens de Caitlyn e apesar de trocas entre Ionia e Piltover existirem, estas eram em menor número quando comparadas com outros locais. Assim, grande parte do conhecimento da xerife acerca da região provinha dos livros que havia lido - e existia sempre um certo grau de incerteza quanto à veracidade de determinadas afirmações.

Wukong
Localização: Zona de Comércio

"Sim e tens razão, mas o meu mestre também é espiritual, aliás creio que foi dai que veio a sua inspiração para treinar Wuju, certo mestre?" respondendo a dúvida de Caitlyn, pois conseguia ouvi la de longe com as minhas belas orelhas.
Yi deixou o dinheiro em cima da mesa, e o senhor agradeceu e disse um adeus com um sorriso na cara. E lá pus eu a minha vara nas costas, e assim que viro costas para o senhor, ele grita "ei!!, esqueceram se do troco" e atirou uma moeda a mim, e eu curvei me como sinal de agradecimento. Cheguei ao pé deles e entreguei a moeda a Yi.
"Já estou pronto mestre Yi. É só nos indicar o caminho, Caitlyn" disse com um sorriso. E lá segui caminho, sempre atrás dela, tendo uma boa vista a minha frente. Via estradas cheias de gente, o que me punha com medo, pois não queria ser roubado.. Depois perguntei a Caitlyn "Estas estradas estão sempre assim?"

Master Yi
Localização: Ruas de Piltover

Yi riu-se com a afirmação de Caitlyn. "Sim, como o Wukong disse, eu pratico o Wuju como uma maneira de treinar a minha mente. Mas... Quando Noxus ataca Ionia com regularidade, alguém tem que a defender." Yi caminhava perto de Wukong, admirando as ruas da qual era a cidade mais moderna de Valoran. As ruas estavam cheias e o ar das pessoas perante Caitlyn, davam a ideia que esta já tinha alguma fama na cidade. "Então Caitlyn... O que é que tu fazes por aqui?"

Caitlyn
Localização: Ruas de Piltover

"Wuju?", a explicação de Yi não a deixou esclarecida em relação ao significado do termo. A questão abordada de seguida fê-la ficar em silêncio durante alguns momentos. As incursões de Noxus em Ionia não eram segredo para ninguém, nem o era a passividade do resto do Valoran em relação ao assunto. Piltover incluída.

Seria essa a mesma reacção que teriam caso Piltover fosse atacada? Uma invasão de Noxus a Piltover não seria completamente descabida quando considerado o poder económico e intelectual da cidade-estado, e talvez esse motivo fosse aquilo que levaria outras facções a insurgirem-se - embora Caitlyn não tivesse a certeza de que alguns habitantes da cidade fossem apreciar essa ajuda. Ionia, por outro lado, era um local isolado e por isso mais fácil de ignorar. Não seria o atentado à vida humana suficiente?

Noxus, do pouco que Caitlyn conhecia de livros e conversas com visitantes que se deslocavam a Piltover, parecia ter um desapego à vida humana - só um local desses poderia tratar a morte de seres humanos como um espectáculo. Piltover era diferente.

A voz da sua mãe ecoou na sua mente, juntamente com uma imagem que infelizmente se tinha tornado familiar. Não, Piltover não era tão diferente assim. Mas se não acreditasse na capacidade daquela cidade de ser melhor do que era, nunca teria lutado pelo cargo que ocupava naquele momento.

Virou à direita e conseguia ver no fundo da avenida aquilo que procurava, significando que estavam quase a chegar ao destino.

"Piltover é um ponto de encontro para pessoas de vários pontos de Valoran, embora seja já de si uma cidade muito populada. As autoridades esforçam-se para que seja também das mais seguras.", Caitlyn reforçou esse ponto quando se virou e notou uma postura algo atrapalhada da parte de Wukong. Sorriu brevemente perante a questão de Yi e ajustou a arma no seu ombro.

Antes de lhe responder, porém, apercebeu-se que tinham chegado ao seu destino e parou de caminhar quando se tornou visível perante eles uma praça repleta de pessoas, com uma esfera presente no seu centro - esta era da autoria de Zindelo, cujo paradeiro era ainda desconhecido. Caitlyn sempre gostara do seu aspecto, por algum motivo.

"Bem-vindos à praça Incognia.", um mero olhar superficial permitira a Caitlyn encontrar uma série de inventores - o aspecto geralmente denunciava alguns - que possivelmente poderiam ajudar o par que a acompanhava.

Ahri
Local: Hospital

Vi adormeceu e eu calmamente e sem barulho, fechando a porta atrás de mim saí para a cafetaria do hospital.
Já era tarde e o meu estômago já estava a dar sinais desde que a comida de Vi tinha chegado.
Após alguma procura pelos sinais dessa dita cafetaria lá encontrei o caminho e rapidamente cheguei. Antes de entrar peguei na minha carteira para verificar se ainda tinha dinheiro suficiente.
"isto deve chegar" pensei eu para mim.
"Ola minha senhora será possível comer alguma coisa?"

Jinx
Localização: Armazém

A minha paciência tinha chegado a limites que nunca tinha imaginado ter e ultrapassou-os. Tive que fazer de tudo para não dar um pontapé na porta do armazém e começar o caos, com a ajuda das minhas queridas armas claro. Fiz as sete diferenças de todos os jornais que achei no armazém (a única parte que realmente interessa), comi três queques, preparei o meu disfarce, cuidei das armas, contei as balas, lavei os dentes, fiz a cama e vesti o meu disfarce.

Não era a primeira vez que usava este disfarce. Já o tinha usado para dar uma alegria extra a uma cerimónia no observatório do conde Sandvik. Escondi as minhas tranças com a touca e fiz bom uso do espaço extra que o vestido tinha para esconder os meus companheiros leais.

Por fim, sem nada para fazer, perdi mais uns momentos a olhar para o relógio que tinha no armazém. Enquanto olhava para o relógio notei que ponteiros pareciam que estavam a andar cada vez mais devagar, quase como estivessem a ficar cansados de andar mover-se cada vez mais lentamente.

Natacha
Local: Hospital

Nunca tive um dia tão atarefado como hoje, a madrugada foi de doidos e cuidar de tantos doentes não era fácil, estava a acabar de alimentar uma das vitimas acamadas, felizmente era a última e ao fim iria ter o meu merecido descanso, entretanto alguém bate à porta.
"Natacha! Vais ter que ficar mais um bocado, a Helena teve que sair e falta alimentar mais uma paciente, quarto 122, deves conhecer. " disse o meu encarregado.
"Ok.." respondi desanimada. Era sempre a mesma coisa, não posso ganhar esperanças que aparece sempre algo a lixar-me os planos, enfim. Mas o meu coração bateu mais forte quando ele disse que devia conhecer, será que era um familiar meu? Era improvável.
Apressada terminei de alimentar a paciente e parti com o carrinho até ao quarto.
Chegando ao dito quarto bati à porta mas não obtive resposta, entrei e reparei logo no cabelo rosa, era a Vi, parceira da nossa Xerife, e encontrava-se cheia de ligaduras. O que raio terá acontecido para ela estar naquele estado?
Aproximei-me com o carrinho e comecei a colocar a sopa na malga, Vi encontrava-se a dormir mas era hora do lanche ou seja hora de acordar.
"Esta na hora do seu lanche Vi, acorde." disse baixinho enquanto tentava acorda-la.

Vi
Local: Hospital

Senti-me a ser acordada, abri os olhos e estava, o que parecia ser uma enfermeira de cabelos loiros a chamar por mim. Dei um olhar pela sala e a Ahri não se encontrava presente. "Lanche?" perguntei. Não sabia quantas horas se tinham passado mas ainda me sentia com sono. "Agora não, mais logo, tenho sono." murmurei enquanto tentava adormecer.

"Desculpe mas tem que ser agora, abra só a boca sff." disse a enfermeira tentando enfiar-me uma colher de sopa na boca.
Lá lhe fiz esse favor e abri a boca sendo alimentada colher a colher , confesso que estava mais para lá do que para cá mas aquela sopa quente a cair-me na barriga e sem ter que fazer esforço nenhum soube-me bem. Quando dei por mim já estava outra vez num sono pesado.

Master Yi
Local: Praça Incognia

Yi mostrou um largo sorriso quando Caitlyn se questionou sobre o Wuju. "O Wuju é a arte que eu utilizo em combate. Colocando de forma simples, o Wuju não é nada mais nada menos do que quando a mente e a ação se tornam apenas um." Yi esperava que Caitlyn entendesse a explicação que ele tinha dado, pois não existiam muitas outras maneiras de explicar o que é o Wuju.
À medida que conversavam, nenhum membro do grupo se deu conta de que já tinham chegado, até que Caitlyn parou e apresentou o local. A praça estava cheia de pessoas carregadas de compras e outras coisas, mas o que chamou à atenção de Yi, foi a enorme esfera presente no centro da praça. "O que é aquela esfera no centro da praça Caitlyn? Ou o que representa." Yi estava extremamente curioso, o que faria uma esfera de tamanho tão colossal no centro de uma praça?

Caitlyn
Localização: Praça Incognia

"Será isso suficiente perante formas de combate mais avançadas?", Caitlyn não conseguia perceber exactamente o que as palavras de Yi significavam, mas parecia-lhe que a sua questão era legítima. Já na Praça Incognia, a pergunta foi desta vez de Yi, que a questionara sobre a esfera no centro.

"É uma criação de Zindelo, um inventor de Piltover. Segundo consta em alguns círculos, representa Runeterra. Só o próprio o poderia dizer com certeza, porém.", a xerife retirou um pequeno relógio do seu bolso e voltou a guardá-lo depois de verificar aquilo que pretendia. "Precisam de algo mais? Penso que se recolherem informação nesta praça irão obter pistas para o que pretendem."

Wukong
Localização: praça Incognia

Lá estava eu sempre atento as conversas entre Caitlyn e o meu mestre, estranho e que ela estava curiosa acerca do Wuju e de onde vínhamos... Por isso disse: " não te preocupes que podes aprender muito mais acerca do Wuju, na academia se quiseres" dei um sorriso
E na altura que tinha dito isto, lá chegamos a tal praça que Cait falava tanto, a Praça Incognia, com uma grande espera no meio da praça feito por inventor chamado Zindelo, como Cait indica. Nos já parecíamos estar onde queríamos, no entanto Caitlyn parecia estar com pressa, olhando para o relógio de bolso. Depois pergunta se necessitávamos de mais alguma coisa " Eu creio que não mestre, o que acha?" Perguntei a Wi, pois era ele que iria fazer as compras

Master Yi
Localização: Praça Incognia

Yi riu-se perante a questão de Caitlyn. "Sim, acho que sim. Não é à toa que sempre que consigo estar nas linhas de combate acabamos muito menos prejudicados do que se não estiver."
O mestre Wuju não conseguiu não esboçar um sorriso quando viu Wukong a falar entusiasmadamente com Caitlyn sobre o Wuju, fazia-o lembrar da sua juventude e o quão animado ele ficava quando tocava nesse assunto. Yi cruzou os braços depois de ouvir a explicação de Caitlyn, ele esperava que algo tão majestoso tivesse um significado mais... profundo. Reparando que Caitlyn estava com alguma pressa, Yi decidiu parar de incomodar a rapariga e curvou-se mostrando agradecimento. "Não, não vamos ocupar mais do teu tempo. Muito obrigado pela tua hospitalidade Caitlyn." O mestre Wuju voltou à sua posição normal com um sorriso na cara e olhou para Wukong. "Vamos? Temos muito que fazer."

Wukong
Localização: Praça Incognia

Ambos eu e Yi notamos que a xerife estava com pressa, sendo assim o mestre disse que ela podia ir, e agradeceu pela hospitalidade. De seguida, Yi olhou para mim a perguntar para ir, pois tínhamos muito que fazer. " Sim mestre, de facto temos. Acha que conseguimos arranjar tempo em vermos alguma coisa de memória deste sítio? É um sítio muito bonito e interessante, cheio de metais e tecnologia, até a própria praça em si mostra isso tudo. O que acha desta ideia?" disse com um sorriso e entusiasmo pois queria saber mais sobre este sítio, demonstrei o subindo para a ponta da minha cara , vendo tudo ao meu redor.

Vi
Local: Hospital

Voltei a acordar, já tinha perdido a noção do tempo mas ainda era de tarde, a sala estava vazia e não tinha sono. Tentei-me levantar mas sem efeito, ainda tinha bastantes dores nos meus membros. Fiquei a observar o tecto à espera que o tempo passa-se mas o que parecia ser horas eram minutos e que pareciam ser minutos eram segundos, sentia-me num eterno pesadelo e o pensamento de que Jinx estava a solta não me deixava de sair da cabeça atormentando-me cada vez mais. Tinha que fazer algo. Não podia ficar aqui parada sem fazer nada. É tudo culpa minha. Tenho que encontra-la. Custe o que custar.

Contra todas as minhas duras fui tentando-me levantar da cama mas assim que pouso um pé no chão caiu para a frente ficando estendida no chão, mas isso não era razão para desistir, fui rastejando até à saída do quarto e estiquei-me para abrir a porta. De seguida fui me arrastando pelo corredor contra tudo e contra todos em direcção à saída do hospital, as dores eram imensas mas nada disso importava desde que conseguisse sair e ir atrás daquela maldita assassina.

Caitlyn
Localização: Praça Incognia

Wukong indicou à xerife que poderia obter mais informação sobre o Wuju na academia - o que fazia sentido, considerando que os invocadores supostamente eram das mentes mais conhecedoras de Valoran. Caitlyn fizera uma nota mental de aproveitar melhor os recursos que a Academia lhe podia proporcionar - se chegasse a voltar em breve para esta.

Caitlyn tornou a sua atenção para Yi, quando este se curvou.
"Não é necessário agradecer. Esta é também uma parte importante das minhas funções.", ajustou uma das luvas e despediu-se de ambos, saindo da praça na direcção de uma das ruas mais movimentadas.

Passados alguns momentos, chegou a um edifício com umas escadas imponentes e avançou para o seu interior, acompanhada de uma série de pessoas. Estas rapidamente se dispersaram no interior, deixando os corredores num silêncio pouco característico para aquela altura do dia. Talvez os elementos dos clãs tivessem outras ocupações naquele dia - se a pessoa que a havia convocado ali as tivesse também, poderia ter sido um dia mais produtivo para ela.

Sendo o caminho já familiar para si, rapidamente chegou à porta do gabinete onde encontraria a pessoa que a esperava. Bateu à porta e depois de uma resposta afirmativa, entrou. Já dentro do gabinete, o seu olhar cruzou-se com a única pessoa no interior deste, que lhe indicou a cadeira na frente da sua secretária.

Caitlyn avançou então para a cadeira, retirando o chapéu, sentando-se e colocando os documentos que havia trazido consigo ao seu colo, juntamente com o chapéu. Observou-o enquanto este caminhava para trás e para a frente no espaço junto à janela, parando ocasionalmente e olhando para o exterior, sem lhe dirigir uma palavra.

"Senhor Vincent, agradeço a convocatória, mas como deve imaginar tenho assuntos pendentes--", Vincent virou-se nesse preciso momento, clareou a garganta e encarou pela primeira vez Caitlyn.

"Não a convocaria se não fosse importante."

Avançou em direcção a uma prateleira com livros, retirando um e abrindo-o, prosseguindo depois o seu discurso. Caitlyn fechou os olhos e reproduziu o discurso na sua cabeça - já o tinha escutado tantas vezes, que sabia perfeitamente o que dali viria.

Vi. Comportamento inaceitável para um agente da justiça de Piltover. Propriedade pública destruída. Que medidas estava Caitlyn a implementar para a controlar. Várias passagens acerca da sua incapacidade de lidar com a situação.

A xerife abriu os olhos no preciso momento em que este se virou e começou a dirigir novamente para a secretária, o que fez com que esta retirasse alguns dos documentos que tinha consigo. Vincent imediatamente estendeu a mão para os receber, provavelmente também já habituado à rotina das conversas entre ambos.

"Imagino que sejam mais dados a tentar provar-me os benefícios da presença da agente Vi.", fez uma pausa e sentou-se, colocando os documentos em cima de um monte espalhado na sua secretária. "Acontece que desta vez, apesar das acções... incorrectas da sua parceira, foi a sua atitude que me fez convocá-la, xerife Caitlyn."

Caitlyn suspeitava o que este iria abordar, pelo que manteve uma expressão neutra. Após alguns momentos a encará-la, Vincent avançou.

"Abandonar Piltover rumo a uma academia em busca de objectivos individuais, deixando-a vulnerável, não é só irresponsável, como confirma as minhas eternas suspeitas de que a menina não é adequada para o cargo de xerife."

Caitlyn ajustou-se na cadeira, para evitar fazer transparecer o seu incómodo na expressão - sempre odiara a forma como aquele homem insistia em chamá-la de menina, como se a tentasse diminuir. A xerife suspeitava que ele sabia perfeitamente, daí insistir na palavra.

"Se me permite, a presença de um cidadão de Piltover naquela Academia parece-me prestigiante para a nossa nação. Informei os indivíduos e órgãos competentes da minha ausência, informando os motivos.", alguns dos quais tinham sido ocultos.

"Certamente, mas temos vários cidadãos ilustres que poderiam ter ocupado esse lugar. Cuja ausência seria sem dúvida sentida, mas que não conduziria a resultados catastróficos, com os quais sei que se deparou."

Caitlyn ia retorquir, mas Vincent levantou uma mão e continuou.

"De qualquer modo, não a chamei aqui para discutir a questão consigo, xerife. Apenas para a informar que irei agir sobre a situação e fazer recomendações para que existam alterações. Se a menina entende que pode fazer o que bem entende, eu farei o mesmo.", Caitlyn observou-o em silêncio - havia um grau de satisfação pouco usual na expressão de Vincent que a fez temer o que quer que fosse que este preparava.

"Entendo. Nesse caso, se me permite irei retirar-me para continuar o meu trabalho. Um resto de bom dia.", levantou-se da cadeira e voltou a colocar o seu chapéu, caminhando em direcção à saída.
Conteúdo patrocinado

Re: Nação de Piltover

Voltar ao Topo
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum